Skip to main content

Fora, Neymar

Publicado originalmente em 19 de junho de 2015

Colômbia 1, Brasil 0. Resultado normal, e até modesto considerando a péssima atuação da seleção brasileira. Apesar da derrota, Neymar foi o nome do jogo – dessa vez, pelos motivos errados.
Neymar portou-se como um moleque mimado, reclamando sem parar, dando empurrões, procurando confusão. Faltou jogar bola. É natural que um atleta de alto nível tenha rendimento baixo esporadicamente, mas o verdadeiro craque e ídolo deve saber conviver com essas situações e aceitá-las. Neymar joga muita bola, mas tem muito que aprender até que possa defender o Brasil com dignidade e respeito; na vitória ou na derrota.
gran finale ocorreu após o apito final, quando Neymar chutou a bola com força sobre um jogador colombiano, instalando a confusão no gramado e depois dando uma cabeçada acintosa em outro adversário. Conseguiu ser expulso depois do fim do jogo.
Comportamento ridículo seguido por atitude patética dos demais atletas brasileiros nas entrevistas pós-jogo. Daniel Alves e Willian culparam “os árbitros” pela atitude de Neymar, pois “apanha muito” e os árbitros são supostamente lenientes. Trata-se de uma desculpa infame que corrobora o insidioso culto à personalidade que impera no Brasil.
Neymar e seus companheiros acharem que ele está acima da regra – por qualquer motivo esdrúxulo que seja – é análogo a Lula comparar sua popularidade à de Jesus Cristo. É o PT de Dilma, Dirceu e demais mensaleiros e petroleiros julgar-se onipotente e saquear a Petrobrás e tudo o mais que aparece pela frente no erário público. É o mesmo culto à personalidade que elevou Eike Batista à condição de celebridade e custou muito dinheiro ao pequeno investidor. É a prática pervasiva da idolatria do medíocre que catapulta à fama Kim Kardashian, Paris Hilton e outras invenções vazias. Temos as nossas Anittas e tantos MCs para contribuir à lista também.
Na Copa do Mundo de 2014, Neymar causou comoção no país ao se contundir na partida contra a mesma Colômbia. Seu “drama” mobilizou a mídia e as redes sociais. Na partida seguinte, os jogadores brasileiros entraram em campo fazendo um ridículo gesto que, diz-se, representa uma gíria comumente usada por nosso “ídolo”. Não houve luto, minuto de silêncio ou qualquer declaração da delegação brasileira sobre a professora que havia poucos dias tinha morrido no desabamento de um viaduto em Belo Horizonte, uma das obras do “legado” da Copa do Mundo. Dá-lhe culto à personalidade, olé!
A risível justificativa dos demais atletas brasileiros endossa o comportamento condenável de Neymar. A atitude é análoga à letargia de aceitar que Lula e Dilma “roubam igual aos outros”. É o mesmo que Dilma e  lideranças do PT tentarem eufemizar os crimes de seus correligionários como “malfeitos”. É a tentativa de justificar o insofismável. É deboche. É querer ganhar no grito. Quem perde é a sociedade – o trabalhador, o empresário, o contribuinte, estes não ganham no grito, e estes são o tecido social.
Nesta semana, o Golden State Warriors venceu a NBA, liga de basquete profissional dos Estados Unidos. Venceu pelo conjunto, pelo trabalho de equipe. Andre Iguodala, originalmente um reserva, obteve o título de MVP (most valuable player) da série decisiva. Os Warriors venceram o time de LeBron James, considerado o melhor jogador de basquete em atividade. LeBron não deu cabeçada, não reclamou e não esperneou – ao contrário, pouco antes de a partida terminar, cumprimentou Stephen Curry do time adversário congratulando-o pelo título já sacramentado no placar.
O culto à personalidade flexibiliza o conceito de que as regras valem para todos. Lula declarou há alguns anos que José Sarney não se tratava de “uma pessoa comum”, preconizando um tratamento diferenciado ao ex-senador nas investigações em andamento à época. O mau exemplo vem de cima, e culmina no “você sabe com quem está falando?” na fila do restaurante ou do aeroporto.
No mundo do futebol, isso não é de hoje. Quem não se lembra da muamba trazida pela delegação brasileira campeã da Copa do Mundo de 1994 nos Estados Unidos? À época, os jogadores ameaçaram não desfilar em carro aberto se fossem taxados como cidadãos “comuns”. O governo cedeu.
O efeito mais nocivo desta relativização é criar espaço para o surgimento de regimes totalitários e lideranças messiânicas. Hitler, Mussolini, Papa Doc, Fidel, Chávez, e tantos outros ditadores ilustram o ponto.
É hora de dizer não ao relativo: todos são iguais perante a lei. Viva o cidadão comum, viva a sociedade.
Fora, culto à personalidade. Fora, Neymar.
(P.S. Por algum motivo estranho, Neymar apareceu no segundo tempo sem a faixa preta na manga da camisa, usada pelo escrete brasileiro em luto à morte de Zito, jogador campeão do mundo em 1962. Deve explicação.)

(Publicado originalmente em http://terracoeconomico.com.br/fora-neymar/  e também em http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/cultura/fora-neymar/  e    http://www.institutoliberal.org.br/blog/fora-neymar/)

Comments

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de curt…

Grapiche

A determinação do prefeito de São Paulo, João Dória, em estabelecer uma sensação de ordem é louvável. A política “no broken window” de Rudolph Giuliani foi uma das alavancas para a transformação de NY em uma cidade segura. No caso de São Paulo, o primeiro alvo foi repintar os muros pichados e grafitados em locais onde tal prática não estava autorizada. Nada mau, certo?
Errado. Começa o mimimi. “Grafite é arte”, “pichação é uma maneira democrática de o povo se manifestar”, e por aí vai. Sério mesmo que a ordem pública (condição necessária mas não suficiente para progresso) tem que se sujeitar a essa discussão? Parece que sim, infelizmente.
O brasileiro paga muito caro por obras públicas, que acabam custando o triplo do que deveriam e demorando o quíntuplo do prazo estimado. E o povo reclama disso, com razão, vai às ruas protestar, grita, faz abaixo assinado. Qual é, então, o sentido de um sujeito pichar uma obra pública? Está ferindo o patrimônio público tal qual o político que desvia di…