Skip to main content

Rio 450: Maioridade?


Publicado originalmente de 2 de março de 2015
Quando uma cidade e sua sociedade atingem a maioridade?  Provavelmente, a resposta varia caso a caso, conforme fatores culturais, econômicos, geográficos, dentre outros. No caso do Rio de Janeiro, aos 450 anos a cidade parece longe de atingir maioridade.
Não atingimos maioridade penal. A impunidade reina na cidade – no trânsito, nos bairros ricos, nas comunidade mais pobres, nos pequenos delitos e jeitinhos, em todos os cantos. Desde o vaga certa que não emite o talão, ao trombadinha que furta bicicletas, ao bandido que sequestra uma médica num shopping de classe alta, ao assassino que tira a vida de um turista. O Carnaval, símbolo da cidade, agora tem até patrocínio de ditadura.
Não atingimos maioridade na cidadania. O carioca que fica chocado com o noticiário policial é o mesmo que avança o sinal no rush matinal para economizar meio minuto e, com isso, arrisca atropelar um ciclista. O cidadão que reclama do motorista imprudente é o mesmo que picha o muro emporcalhando a cidade. O sujeito que repudia a pichação é o mesmo que bloqueia um cruzamento. O carioca é o crítico complacente. É o jovem que fala mal dos colegas mas não enxerga seus defeitos.
Aos 450 anos, precisamos multar aqueles que jogam lixo na rua. Precisamos pedir às pessoas que não urinem nas calçadas. Desarrumamos nosso próprio quarto e nos recusamos a fazer nossa cama. Somos crianças mal-educadas.
Aos 450 anos, tentamos melhorar o trânsito com o paliativo da inversão de mão, algumas delas com mais de 30 anos de idade, alheias ao fato de que a cidade teve outros eixos de expansão. Somos o adolescente que posterga compromissos julgando ter todo o tempo do mundo à disposição.
Aos 450 anos, nossa solução de transporte em massa é risível – Criar uma pista de ônibus-rápidos, mas subtraindo uma pista regular de rodagem. Tapar o sol com a peneira não é condizente com maioridade.
As cidades europeias têm obras públicas que servem a população há mais de 450 anos. No Rio de Janeiro, o asfalto é trocado a cada dois anos. Os Jogos Panamericanos que sediamos não deixaram um legado sequer, idem a Copa do Mundo. Estamos engatinhando no que tange planejamento de longo prazo.
Carlos Lacerda construiu o Túnel Rebouças e o Aterro do Flamengo. A sociedade carioca à época julgava os projetos desnecessários. Mostra que somos curto-prazistas tal como crianças pequenas com medo da injeção.
No “Rio 40 graus”, temos transporte coletivo sem ar condicionado. Temos ainda fios de eletricidade voando pelas nossas cabeças. Temos uma expansão desordenada das comunidades. Temos plano urbanístico sem nexo algum, que permite popular uma mesma rua com prédios altos, baixos, gordos, magros, das mais variadas cores. Caos e carnaval.
Também não atingimos maioridade política. O Rio de Janeiro, tido como cidade de vanguarda intelectual, ajudou a reeleger um governador com imensa votação em primeiro turno para, pouco tempo depois, acampar em frente à sua residência pedindo seu afastamento. E, num zigue-zague de humor infantil, logo em seguida reelegeu um sucessor untado por ele.
O Rio de Janeiro, tido como tão politizado, foi fator decisivo para reeleger a atual presidente. O carioca, tal qual uma criança na pré-escola, acreditou em conto de fadas – endossou o “progressismo” do PT e, agora, apenas cinco meses depois, revolta-se com a dura realidade: juros ascendentes, conta de luz exorbitante, escândalos de corrupção e outros “malfeitos”. A criança contrariada dará sua resposta na manifestação de 15 de Março, do alto dos seus 450 anos.
O Rio de Janeiro e o Brasil jamais atingirão a maioridade enquanto não houver apreço pela vida. Aqui, mata-se por qualquer coisa. Aqui, mata-se rápido e mata-se devagar. O assaltante  impune e o político que desvia verbas da educação. O motorista irresponsável e o saneamento público precário. A interrupção da esperança num tiro e a desesperança ininterrupta. O pobre e o rico.
Nossos 450 anos serão comemorados com língua-de-sogra e guaraná.

(Publicado originalmente em http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/cultura/rio-450-maioridade/)

Comments

Popular posts from this blog

O candidato antifrágil

O autor Nassim Taleb cunhou o termo antifrágil para descrever mecanismos ou sistemas que se tornam mais robustos quando expostos a intempéries. Normalmente, encontra-se a antifragilidade em populações, ao passo que o indivíduo é – em geral – frágil.
Restringindo a análise ao campo político e aos últimos 6 meses, Jair Bolsonaro talvez seja um dos poucos indivíduos antifrágeis já observados. Quanto mais é agredido – seja por adversários ou pelos “jornalistas” – mais cresce nas pesquisas.
Há 6 meses, todos os analistas políticos diziam que Bolsonaro não estaria no 2º turno. Ponderavam que sem partido forte, sem aliados, sem coligação e sem tempo de TV, seria apenas um modismo. Erraram: hoje a questão é quem estará no 2º turno com ele. Ou, mesmo, se haverá um 2º turno.
Ninguém pode afirmar que entende a dinâmica que está acontecendo, mas este artigo tenta formular uma hipótese.
**
Jair Bolsonaro estabeleceu-se como a alternativa anti-establishment. Não importa se já está em seu sétimo mandato …

Fogo vermelho

“Um povo que não conhece a sua história está condenado a repeti-la” (Edmund Burke)
O museu mais visitado do Brasil é o Museu do Amanhã no Rio de Janeiro. Trata-se de um prédio com arquitetura arrojada – embora de gosto discutível – e sem acervo algum.
Apesar do conteúdo praticamente inexistente, hordas de jovens “culturamente engajados” visitam o “museu” para tirar uma boa dose de selfies e postá-las nas redes sociais. São quase um milhão e meio de visitantes por ano, contra cerca de 500 mil do MASP, para desgosto de Cândido Portinari e Anita Malfatti.
Com esse retrospecto, não era de se esperar que a juventude brasileira capturasse a magnitude da tragédia que foi o incêndio do Museu Nacional e a destruição de muitas de suas preciosas peças e coleções. Ainda assim, mesmo munindo-se das piores expectativas, não houve como não se surpreender pela baixeza com que autoridades e populares se comportaram.
**
Diante do luto de historiadores, museólogos e brasileiros em geral, viu-se um lamentável…

PSOL ou não sou?

Em seu seu mais recente livro, Skin In The Game, o autor Nassim Taleb declara imoral a atitude de se ter uma postura na vida privada distinta daquela que se preconiza na vida pública. Nas palavras de Taleb “It is immoral to claim virtue without fully living with its direct consequences”. E, em outro trecho: “If your private life conflicts with your intellectual opinion, it cancels your intellectual ideas, not your private life”.
Dito de forma mais simples e com exemplos mundanos, que confiança o leitor teria em um vendedor da Apple Store que só usasse produtos Samsung na sua vida privada? Ou de comprar uma BMW aconselhado por um vendedor que dirigisse uma Mercedes?
É difícil discordar de que seriam situações esdrúxulas e que explicitariam total falta de comprometimento do agente com seu discurso público.
**
Munido de situações onde há desalinhamentos patentes, Taleb abre as baterias contra figuras como Hillary Clinton e outras. É uma pena que ele não conheça o PSOL...
O que dizer de um par…