Skip to main content

Rock In Hell


Passado um mês do início do Rock In Rio 2015, vale uma reflexão sobre esta última edição.

O show do Queen, um dos mais rápidos a ter ingressos esgotados, mostrou que os dinossauros estão vivos. Não é necessário – nas próximas edições – que a organização repita os convites a Metallica, Slipknot, Iron Maiden, Katy Perry e outras figurinhas fáceis por aqui. O Queen mostrou que a música pode vencer o marketing, assim como Bruce Springsteen o fez na edição anterior. Então, quem sabe, possamos ver mais rock e menos Ibope no palco mundo.

Esta edição reacende um antigo debate que acompanha o festival desde a edição de 1991 – a condição de supporting act imposta aos artistas brasileiros. Qual é o sentido de Lulu Santos, nosso maior hitmaker, ter apenas uma hora de show? Não é tempo suficiente nem para a metade das canções que o público sabe de cor. Ou relegar o Angra – referência mundial em heavy metal melódico – ao palco sunset e escalar as irrelevantes Gojira ou Royal Blood para o palco mundo? Se o guitarrista brasileiro Kiko Loureiro vier com o grupo americano Megadeth em 2017, pode dar um nó na cabeça dos organizadores...

No quesito logística, parece que ninguém pensou em nada. Fazer fila para pagar comida/bebida e depois entrar em outra fila para pegar o pedido? Fala sério! Custava instalar quiosques onde o visitante pudesse comprar créditos com seu cartão bancário e depois utilizar para qualquer consumo? Isso facilitaria sobremaneira a logística do atendimento, minimizando as filas. Mas aí não seria Rock In Rio, pois brasileiro adora uma fila, adora uma ineficiência – deve ser por isso.

Fechar as ruas nas imediações? Isso é um acinte, fere o direito de ir e vir dos cidadãos. Pergunta: A cidade-sede do Superbowl fecha as ruas? E o local da final da Champion’s League? E por aí vai. Por que o privilégio do Rock in Rio?

Seria o famoso “criar dificuldade para vender facilidade”? Neste caso, a facilidade era o ônibus “primeira classe”, que não passava de uma lata-velha nem mesmo equipada com banheiro. Por que não exigir do festival a disponibilização de retroárea para estacionamento de dez mil carros e espera de dois mil táxis? Não cabe? Então que o número de ingressos fosse reduzido para compatibilizar escalas de público e de infraestrutura.

E, em se tratando de um evento para mais de 500 mil pessoas, não é razoável exigir que a organização instale banheiros de verdade com ligação na rede de esgoto? Isso se houver rede de esgoto ali no coração da “cidade olímpica...

Mas, sem dúvida, a grande decepção do evento foi a omissão dos artistas brasileiros diante da cleptocracia que assola o Brasil. Onde estão os politizados artistas que, em 1985, subiram ao palco pedindo eleições diretas? Ou aqueles que em várias oportunidades aproveitaram sua exposição para apoiar rasgadamente o PT? Apagou-se a chama política?

Festivais de rock têm em sua gênese as ideias de congregar e protestar, vide Woodstock e a guerra do Vietnã. Neste Rock In Rio, o protesto máximo que se viu foi Roger usando uma camisa que dizia o óbvio (“não sabemos escolher presidente”) e João Barone abrindo a execução de “Que país é esse?” com o brado de que “o Brasil pode dar certo”. Pode mesmo? Com essa turma que está aí? Com esse tipo de conformismo? Com essas oportunidades perdidas de expor a roubalheira que vigora no país diante de milhares de expectadores?

Dinho Ouro Preto, na edição de 2013, fez um discurso direcionado à classe política pelo seu tétrico “conjunto da obra”. Foi de improviso e pouco eloquente, mas emendou colocando um nariz de palhaço e anunciando a canção “Saquear Brasília” – marcou presença e deu o recado. A julgar pelo silêncio dos artistas este ano, conclui-se que a situação do país melhorou bastante nestes dois anos ou que faltou escalar Fábio Júnior no line-up.


A continuar o governo do PT, a edição de 2017 será Rock In Hell... “Se a república começasse agora, se o Brasil fosse nosso outra vez...”

Comments

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de curt…

Grapiche

A determinação do prefeito de São Paulo, João Dória, em estabelecer uma sensação de ordem é louvável. A política “no broken window” de Rudolph Giuliani foi uma das alavancas para a transformação de NY em uma cidade segura. No caso de São Paulo, o primeiro alvo foi repintar os muros pichados e grafitados em locais onde tal prática não estava autorizada. Nada mau, certo?
Errado. Começa o mimimi. “Grafite é arte”, “pichação é uma maneira democrática de o povo se manifestar”, e por aí vai. Sério mesmo que a ordem pública (condição necessária mas não suficiente para progresso) tem que se sujeitar a essa discussão? Parece que sim, infelizmente.
O brasileiro paga muito caro por obras públicas, que acabam custando o triplo do que deveriam e demorando o quíntuplo do prazo estimado. E o povo reclama disso, com razão, vai às ruas protestar, grita, faz abaixo assinado. Qual é, então, o sentido de um sujeito pichar uma obra pública? Está ferindo o patrimônio público tal qual o político que desvia di…