Skip to main content

É social!

No meio de uma séria recessão, onde a solução para o problema fiscal do país passa necessariamente por voltar a crescer o PIB, o governo enfia mais um imposto goela abaixo da classe média. O FGTS para empregados domésticos é um aborto da natureza, só mesmo uma administração irresponsável como a do PT poderia implementar uma barbaridade tamanha. E no pior momento possível.

O empregado doméstico, como o nome diz, trabalha num domicílio. O domicílio é sustentado por trabalhadores, a maioria deles assalariados de classe média. Toda vez que o governo aumenta encargos trabalhistas, achata a renda discricionária dos domicílios que empregam cozinheiras, faxineiras, jardineiros, babás e outros profissionais. No limite, a renda familiar torna-se insuficiente e o funcionário tem que ser demitido ou ficar na informalidade se quiser manter o emprego. (Isso sem falar no aumento da conta de luz, aquela que a presidente garantiu que não ia subir... pelo jeito ela não conseguiu estocar vento suficiente...)

O ponto não é se o empregado deveria fazer jus ao FGTS ou não. Mas sim o fato de que as empresas (ou boa parte delas) conseguem repassar para o preço de seus produtos e serviços os aumentos de custos oriundos das barbeiragens do governo. Um domicílio, no entanto, não tem esta capacidade. Não é possível para um assalariado pedir ao seu chefe um aumento de salário de forma a absorver o incremento de custo.

As empresas gozam de diversas flexibilidades que um domicílio não tem, como por exemplo acessar empréstimos a taxas camaradas (com trocadilho) no BNDES. Portanto, querer equiparar trabalhadores domésticos aos de empresas é mais uma idiotice populista que trará efeitos colaterais danosos à nossa combalida economia.

Fazer justiça social com (mais) dinheiro dos outros é falácia. O e-social vai gerar desemprego, informalidade e mais recessão. O ódio do PT à classe média vai estourar na mão dos trabalhadores domésticos.

Para coroar a empreitada, o governo exigiu o cadastro on-line dos empregados numa plataforma que simplesmente não funciona, escancarando sua incompetência 360 graus. No país recordista de homens-hora anuais necessários paraquitar as obrigações fiscais, eis que o governo entende que nossa “liderança” não é suficiente e faz força para se distanciar do segundo colocado em ineficiência, a poderosa Bolívia. O número de horas que as famílias já gastaram – sem lograr sucesso – para registrar seus funcionários no e-social é o retrato da nossa eterna aceitação da ineficiência. Somos o país das filas, carimbos, repartições, certidões, etc.

Como já dizia Raul Seixas, “Plunct-Plact-Zum não vai a lugar nenhum”. Não vamos mesmo.


Comments

Popular posts from this blog

O candidato antifrágil

O autor Nassim Taleb cunhou o termo antifrágil para descrever mecanismos ou sistemas que se tornam mais robustos quando expostos a intempéries. Normalmente, encontra-se a antifragilidade em populações, ao passo que o indivíduo é – em geral – frágil.
Restringindo a análise ao campo político e aos últimos 6 meses, Jair Bolsonaro talvez seja um dos poucos indivíduos antifrágeis já observados. Quanto mais é agredido – seja por adversários ou pelos “jornalistas” – mais cresce nas pesquisas.
Há 6 meses, todos os analistas políticos diziam que Bolsonaro não estaria no 2º turno. Ponderavam que sem partido forte, sem aliados, sem coligação e sem tempo de TV, seria apenas um modismo. Erraram: hoje a questão é quem estará no 2º turno com ele. Ou, mesmo, se haverá um 2º turno.
Ninguém pode afirmar que entende a dinâmica que está acontecendo, mas este artigo tenta formular uma hipótese.
**
Jair Bolsonaro estabeleceu-se como a alternativa anti-establishment. Não importa se já está em seu sétimo mandato …

Fogo vermelho

“Um povo que não conhece a sua história está condenado a repeti-la” (Edmund Burke)
O museu mais visitado do Brasil é o Museu do Amanhã no Rio de Janeiro. Trata-se de um prédio com arquitetura arrojada – embora de gosto discutível – e sem acervo algum.
Apesar do conteúdo praticamente inexistente, hordas de jovens “culturamente engajados” visitam o “museu” para tirar uma boa dose de selfies e postá-las nas redes sociais. São quase um milhão e meio de visitantes por ano, contra cerca de 500 mil do MASP, para desgosto de Cândido Portinari e Anita Malfatti.
Com esse retrospecto, não era de se esperar que a juventude brasileira capturasse a magnitude da tragédia que foi o incêndio do Museu Nacional e a destruição de muitas de suas preciosas peças e coleções. Ainda assim, mesmo munindo-se das piores expectativas, não houve como não se surpreender pela baixeza com que autoridades e populares se comportaram.
**
Diante do luto de historiadores, museólogos e brasileiros em geral, viu-se um lamentável…

PSOL ou não sou?

Em seu seu mais recente livro, Skin In The Game, o autor Nassim Taleb declara imoral a atitude de se ter uma postura na vida privada distinta daquela que se preconiza na vida pública. Nas palavras de Taleb “It is immoral to claim virtue without fully living with its direct consequences”. E, em outro trecho: “If your private life conflicts with your intellectual opinion, it cancels your intellectual ideas, not your private life”.
Dito de forma mais simples e com exemplos mundanos, que confiança o leitor teria em um vendedor da Apple Store que só usasse produtos Samsung na sua vida privada? Ou de comprar uma BMW aconselhado por um vendedor que dirigisse uma Mercedes?
É difícil discordar de que seriam situações esdrúxulas e que explicitariam total falta de comprometimento do agente com seu discurso público.
**
Munido de situações onde há desalinhamentos patentes, Taleb abre as baterias contra figuras como Hillary Clinton e outras. É uma pena que ele não conheça o PSOL...
O que dizer de um par…