Skip to main content

Alô, Chico


Esta semana, o compositor Chico Buarque foi interpelado por “populares” que foram-lhe questionar seu teimoso apoio irrestrito ao PT. Um dos rapazes bradou que “o PT é bandido” – um erro, pois mesmo o PT não pode ser generalizado. Chico retrucou com “o PSDB é bandido”, faltando-lhe qualquer centelha da habilidade com as palavras que desfila em suas composições. Chico também generalizou, tornou o embate maniqueísta e ratificou o racha do país promovido pela gestão petista. Chico, não é porque um partido parece-lhe bandido que você deve emprestar sua imagem para apoiar outro. Chico, se não tem nada a dizer, cale-se pois o Brasil já enjoou de vinho tinto.

Chico devia estar à toa na vida e não viu a banda passar nestes treze anos de governo do PT. Foi assim: havia um partido onde a honestidade morava, dizendo resolver as questões do Brasil. Finalmente, ele chegou ao poder e, com a rapidez de uma estrela cadente, começaram a brotar escândalos de corrupção. Mas pela sua lei (e às custas de enorme programas de transferência de renda) a gente era obrigado a ser feliz. Enquanto isso, a pátria mãe era subtraída em transações muito mais tenebrosas do que aquelas desbotadas de tempos onde você, Chico, pregava liberdade. Ou seja, Chico, a banda não cantou coisas de amor. Acostume-se a ser cobrado por seu posicionamento, Chico, pois nossos filhos não erram mais cegos pelo continente. Tudo tem limite, a sociedade está enojada e vigilante: cansou de ser a Geni de quem o governo (este ou qualquer outro, Chico) se serve quando quer.

Felizmente, a banda já está terminando seu desfile. Mas, Chico, já é possível dizer como será o final: não haverá emprego para vagabundo, a economia quedará paralisada e não serão erguidas novas construções. Mas abundarão proparoxítonas: o país seguirá trôpego, com líderes ilegítimos, envolvidos em agendas ilícitas... apesar de a propaganda oficial pintar um país tão lindo de se admirar. Chico, você realmente quer fazer parte desse ato final? É melhor ficar à toa na vida.

Todo artista fora-de-série é idealista por natureza. Visualiza onde quer chegar antes de realizar. Por isso, as doutrinas utópicas de esquerda têm tanto eco no meio artístico. Mas o artista é também um crítico – para atingir seu ápice, precisa avaliar seus erros, melhorar sua execução e ser honesto consigo mesmo. Por isso, Chico, que a sociedade cobra de você um mínimo de autocrítica. Você acha mesmo que foi uma boa ideia defender o Chavismo? Você tem ido visitar a Venezuela? Leve papel higiênico na mala quando lá for. Ou tem feito shows em Cuba para celebrar a liberdade de expressão que lá existe? Claro que não.
  
O artista aprende e evolui, assim enriquece sua obra. Então, Chico, vai aqui um aprendizado para você: não existe melhoria social sem criação de riqueza. E riqueza se cria com estado pequeno e eficiente e com condições propícias para a atividade empresarial. Não adianta defender maioridade penal, regimes populistas, ou faz-de-contas que já destruíram outros quintais. Chico, persistindo esta sua postura, você maculará de vez sua figura, tornar-se-á uma lamentável caricatura de suas canções, uma página infeliz da nossa história.

Faça como o comandante do zepelim e mude de ideia. Ou então, Paris é logo ali.

Comments

Popular posts from this blog

O candidato antifrágil

O autor Nassim Taleb cunhou o termo antifrágil para descrever mecanismos ou sistemas que se tornam mais robustos quando expostos a intempéries. Normalmente, encontra-se a antifragilidade em populações, ao passo que o indivíduo é – em geral – frágil.
Restringindo a análise ao campo político e aos últimos 6 meses, Jair Bolsonaro talvez seja um dos poucos indivíduos antifrágeis já observados. Quanto mais é agredido – seja por adversários ou pelos “jornalistas” – mais cresce nas pesquisas.
Há 6 meses, todos os analistas políticos diziam que Bolsonaro não estaria no 2º turno. Ponderavam que sem partido forte, sem aliados, sem coligação e sem tempo de TV, seria apenas um modismo. Erraram: hoje a questão é quem estará no 2º turno com ele. Ou, mesmo, se haverá um 2º turno.
Ninguém pode afirmar que entende a dinâmica que está acontecendo, mas este artigo tenta formular uma hipótese.
**
Jair Bolsonaro estabeleceu-se como a alternativa anti-establishment. Não importa se já está em seu sétimo mandato …

Fogo vermelho

“Um povo que não conhece a sua história está condenado a repeti-la” (Edmund Burke)
O museu mais visitado do Brasil é o Museu do Amanhã no Rio de Janeiro. Trata-se de um prédio com arquitetura arrojada – embora de gosto discutível – e sem acervo algum.
Apesar do conteúdo praticamente inexistente, hordas de jovens “culturamente engajados” visitam o “museu” para tirar uma boa dose de selfies e postá-las nas redes sociais. São quase um milhão e meio de visitantes por ano, contra cerca de 500 mil do MASP, para desgosto de Cândido Portinari e Anita Malfatti.
Com esse retrospecto, não era de se esperar que a juventude brasileira capturasse a magnitude da tragédia que foi o incêndio do Museu Nacional e a destruição de muitas de suas preciosas peças e coleções. Ainda assim, mesmo munindo-se das piores expectativas, não houve como não se surpreender pela baixeza com que autoridades e populares se comportaram.
**
Diante do luto de historiadores, museólogos e brasileiros em geral, viu-se um lamentável…

Primeiros erros?

“Se um dia eu pudesse ver, meu passado inteiro... Eu faria parar de chover, nos primeiros erros” (Capital Inicial e Kiko Zambianchi)
Mal o novo governo tomou posse e a imprensa já abriu suas baterias. Jornalistas paus-mandados ou a serviço de uma desbotada ideologia, ou simplesmente canalhas, perderam o tênue compromisso com a verdade que ainda tinham. Pululam nos veículos de mídia matérias tendenciosas, levianas e vergonhosas.
É incrível a quantidade de “balanços” ou “retrospectivas” dos 10 (dez!) primeiros dias (dias!) de governo. Pergunta: levam em conta o fim-de-semana como dia útil?
Manchetes como “General Mourão terá 65 assessores” encabeçam, na verdade, um relato sobre o corte de aproximadamente 50% no número de assessores que o vice-presidente já empreendeu logo de início e que resultou em 65 assessores ao final. Almejava um corte maior, mas a lei não permitiu. Contudo, o jornalista quer criar a falsa impressão de gastança para o leitor desavisado. Há centenas de “furos” de r…