Skip to main content

Alô, Chico


Esta semana, o compositor Chico Buarque foi interpelado por “populares” que foram-lhe questionar seu teimoso apoio irrestrito ao PT. Um dos rapazes bradou que “o PT é bandido” – um erro, pois mesmo o PT não pode ser generalizado. Chico retrucou com “o PSDB é bandido”, faltando-lhe qualquer centelha da habilidade com as palavras que desfila em suas composições. Chico também generalizou, tornou o embate maniqueísta e ratificou o racha do país promovido pela gestão petista. Chico, não é porque um partido parece-lhe bandido que você deve emprestar sua imagem para apoiar outro. Chico, se não tem nada a dizer, cale-se pois o Brasil já enjoou de vinho tinto.

Chico devia estar à toa na vida e não viu a banda passar nestes treze anos de governo do PT. Foi assim: havia um partido onde a honestidade morava, dizendo resolver as questões do Brasil. Finalmente, ele chegou ao poder e, com a rapidez de uma estrela cadente, começaram a brotar escândalos de corrupção. Mas pela sua lei (e às custas de enorme programas de transferência de renda) a gente era obrigado a ser feliz. Enquanto isso, a pátria mãe era subtraída em transações muito mais tenebrosas do que aquelas desbotadas de tempos onde você, Chico, pregava liberdade. Ou seja, Chico, a banda não cantou coisas de amor. Acostume-se a ser cobrado por seu posicionamento, Chico, pois nossos filhos não erram mais cegos pelo continente. Tudo tem limite, a sociedade está enojada e vigilante: cansou de ser a Geni de quem o governo (este ou qualquer outro, Chico) se serve quando quer.

Felizmente, a banda já está terminando seu desfile. Mas, Chico, já é possível dizer como será o final: não haverá emprego para vagabundo, a economia quedará paralisada e não serão erguidas novas construções. Mas abundarão proparoxítonas: o país seguirá trôpego, com líderes ilegítimos, envolvidos em agendas ilícitas... apesar de a propaganda oficial pintar um país tão lindo de se admirar. Chico, você realmente quer fazer parte desse ato final? É melhor ficar à toa na vida.

Todo artista fora-de-série é idealista por natureza. Visualiza onde quer chegar antes de realizar. Por isso, as doutrinas utópicas de esquerda têm tanto eco no meio artístico. Mas o artista é também um crítico – para atingir seu ápice, precisa avaliar seus erros, melhorar sua execução e ser honesto consigo mesmo. Por isso, Chico, que a sociedade cobra de você um mínimo de autocrítica. Você acha mesmo que foi uma boa ideia defender o Chavismo? Você tem ido visitar a Venezuela? Leve papel higiênico na mala quando lá for. Ou tem feito shows em Cuba para celebrar a liberdade de expressão que lá existe? Claro que não.
  
O artista aprende e evolui, assim enriquece sua obra. Então, Chico, vai aqui um aprendizado para você: não existe melhoria social sem criação de riqueza. E riqueza se cria com estado pequeno e eficiente e com condições propícias para a atividade empresarial. Não adianta defender maioridade penal, regimes populistas, ou faz-de-contas que já destruíram outros quintais. Chico, persistindo esta sua postura, você maculará de vez sua figura, tornar-se-á uma lamentável caricatura de suas canções, uma página infeliz da nossa história.

Faça como o comandante do zepelim e mude de ideia. Ou então, Paris é logo ali.

Comments

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de curt…

Grapiche

A determinação do prefeito de São Paulo, João Dória, em estabelecer uma sensação de ordem é louvável. A política “no broken window” de Rudolph Giuliani foi uma das alavancas para a transformação de NY em uma cidade segura. No caso de São Paulo, o primeiro alvo foi repintar os muros pichados e grafitados em locais onde tal prática não estava autorizada. Nada mau, certo?
Errado. Começa o mimimi. “Grafite é arte”, “pichação é uma maneira democrática de o povo se manifestar”, e por aí vai. Sério mesmo que a ordem pública (condição necessária mas não suficiente para progresso) tem que se sujeitar a essa discussão? Parece que sim, infelizmente.
O brasileiro paga muito caro por obras públicas, que acabam custando o triplo do que deveriam e demorando o quíntuplo do prazo estimado. E o povo reclama disso, com razão, vai às ruas protestar, grita, faz abaixo assinado. Qual é, então, o sentido de um sujeito pichar uma obra pública? Está ferindo o patrimônio público tal qual o político que desvia di…