Skip to main content

Contos marroquinos


(Sempre prefiro escrever na terceira pessoa, mas desta vez não tem muito jeito...)

Numa certa noite de semana no Rio de Janeiro, fui ao cinema com minha esposa. Quando voltávamos para casa, eu dirigia seu carro e fui parado numa blitz da lei seca. Soprei e fui liberado, mas para minha surpresa, o funcionário da blitz me comunicou que o veículo seria apreendido. O carro era novo, com impostos pagos, emplacado, então por que seria apreendido?

Carros novos são isentos de vistoria anual nos dois primeiros exercícios. Minha esposa sabia disso, mas não sabia que ela tinha que comparecer ao posto do Detran para tirar o papel. É o serviço de nome irônico “poupa-tempo”. Ora, se não precisa de vistoria, não basta pagar o imposto?

Bem, desconhecimento da lei não é desculpa para que ela não seja aplicada e multa era devida. O ponto aqui é a burrice embutida na lei. Ter o veículo apreendido com todos os impostos quites pelo simples fato de não ter o papel é quase análogo ao sujeito ser autuado no meio da rua pelo fato de não portar consigo sua declaração anual de imposto de renda. A multa já bastava.

Pior do que a idiotice da lei, é a consequência. Enquanto discutíamos com o funcionário da blitz, um outro veículo recebeu sinal para parar, mas resolveu acelerar e partiu. Diversas vozes cantaram a placa, todas erradas, exceto a última. Singelamente, perguntei ao funcionário “supondo que tenham acertado a placa, o que acontecerá com este motorista?”. “Ele está frito”, respondeu. Pedi para que qualificasse melhor, ao que ele informou que teria que pagar uma multa de cerca de R$ 500. Detalhe: poderia pagar pela internet. Fritura barata essa...

Compare-se com o calvário que a minha esposa teve que enfrentar simplesmente por não ter o papel. Primeiro, comparecer à sede do Detran no centro do Rio para tirar um nada-consta do veículo. Depois, pagar uma multa de valor similar à do motorista fujão. De posse da multa paga (em dinheiro, para agilizar), dirigir-se até Campo Grande – onde ficava o depósito de veículos assinalado no boleto do reboque – para retirar o seu carro. O transporte até lá custa uma bela grana e um tempo em que deixa de produzir. Ao chegar lá, descobre que tem que pagar duas diárias (também em dinheiro), pois o funcionário esperto registrou o reboque como ocorrendo às 23:55h (embora tenha acontecido bem depois da meia-noite). Deu sorte de o carro estar lá, pois um outro cidadão desesperado descobrira que seu veículo havia sido erroneamente deslocado para a Fazenda Botafogo, embora seu canhoto do reboque indicasse Campo Grande.

Resumo da opereta: um dia de trabalho perdido de um cidadão por conta de um papel, um gasto muito superior aos R$ 500 do outro motorista, e a certeza de que a lei é burra pois contribui para afundar cada vez mais a produtividade do país e favorece o infrator.

Para tranquilizar os leitores, informo que na blitz fica um funcionário filmando toda a ação, para “garantir a segurança” do motorista parado. Ah, sim, agora fiquei tranquilo.

Alguns meses depois, viajamos ao Marrocos. Um dos passeios que fizemos (aliás, recomendadíssimo) foi pegar um tour de Marrakech até o deserto do Saara, uma viagem de três dias e mais de 1000 quilômetros. Num dos vários “checkpoints” da estrada, o soldado pediu o documento do carro e nosso motorista entregou. Começou uma discussão em árabe, mas eu pude ver no documento que havia uma data marcando dois dias antes. Imaginei que a licença havia expirado e pensei com meus botões: “acabou a viagem, o carro será apreendido, vamos ter que arrumar um transporte de volta a Marrakech, etc”.

Nada disso. O motorista informou que na parada seguinte iria resolver um problema do carro e sugeriu que nós almoçássemos enquanto isso. Paramos, pedimos o almoço e em vinte minutos ele estava de volta com novos documento e adesivo do para-brisas. Sem agendamento, sem fila, sem apreensão. Duvido que tenha pago propina, pois os países árabes normalmente têm leis severas quanto a isso. Talvez tenha pago uma multa, mas o sistema não feriu a produtividade e nem estragou as minhas férias.

Mas aqui, temos a vantagem de ter o cinegrafista nos protegendo. Ainda bem.

**

Outra observação da viagem ao Marrocos foi a qualidade do asfalto. As pistas são longe de serem autobahns, na verdade são estreitas e de mão dupla na maior parte. Porém, andamos mais de 1000 quilômetros sem um buraco sequer.

Por que será que lá usam um asfalto de qualidade, com todas as camadas estruturais necessárias? Talvez pelo fato de ser uma monarquia, que não precisa recapear o asfalto a cada quatro anos com intenções eleitoreiras.

**

Não é só este pequeno capítulo da nossa lei que é burro. Há diversas peças que empurram para baixo a produtividade do Brasil. Por exemplo, a saída do regime do imposto de renda simples causa uma descontinuidade negativa no lucro da empresa, de tal forma que é melhor não crescer, ou abrir um novo CNPJ. O imposto de aproximadamente 50% sobre o material escolar é uma vergonha para uma pátria que se diz educadora. E por aí vai.

Não vamos mesmo a lugar nenhum.


Comments

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de curt…

Grapiche

A determinação do prefeito de São Paulo, João Dória, em estabelecer uma sensação de ordem é louvável. A política “no broken window” de Rudolph Giuliani foi uma das alavancas para a transformação de NY em uma cidade segura. No caso de São Paulo, o primeiro alvo foi repintar os muros pichados e grafitados em locais onde tal prática não estava autorizada. Nada mau, certo?
Errado. Começa o mimimi. “Grafite é arte”, “pichação é uma maneira democrática de o povo se manifestar”, e por aí vai. Sério mesmo que a ordem pública (condição necessária mas não suficiente para progresso) tem que se sujeitar a essa discussão? Parece que sim, infelizmente.
O brasileiro paga muito caro por obras públicas, que acabam custando o triplo do que deveriam e demorando o quíntuplo do prazo estimado. E o povo reclama disso, com razão, vai às ruas protestar, grita, faz abaixo assinado. Qual é, então, o sentido de um sujeito pichar uma obra pública? Está ferindo o patrimônio público tal qual o político que desvia di…