Skip to main content

Sonho grande – Carta aberta a Michel Temer


Excelentíssimo senhor Temer,

Junto a outros milhões de brasileiros cansados de assistir à deterioração do Estado brasileiro, enchi-me de esperança com a vitória do impeachment na Câmara dos Deputados. Nós brasileiros depositamos nossa esperança em seu vindouro governo, que terá a hercúlea tarefa de reparar tantos males causados por treze anos de lulopetismo.

Tento não perder o ânimo quando leio sobre seus possíveis homens de confiança e eventuais ministros. Trata-se de um momento muito delicado: retrocedemos algumas décadas sob a batuta petista e urge recuperar o terreno perdido. Neste momento, um ministério de indicações políticas trará um custo gigantesco para o Brasil e nos colocará de vez numa espiral viciosa que destruirá mais algumas décadas.

Ao contrário, o momento é de descrença na classe política: este foi o grande legado do PT, infelizmente. De forma a conquistarmos a mínima credibilidade necessário para que o país tenha fôlego para implementar as reformas necessárias, é preciso empossar um ministério de “craques”. Por isso, escrevo-lhe com o intuito de compartilhar meu “sonho grande”.

A começar pela pasta do Planejamento, não podemos prescindir de um minucioso controle de despesas e de maior eficiência dos gastos públicos. Felizmente, o Brasil conta com o mais bem-sucedido time de gestores especializados em racionalização de custos, o vitorioso time da 3G. Marcel Telles é um ótimo nome para o Planejamento, pois coordenaria com mão firme o uso virtuoso dos recursos públicos bem como instalaria sistemas de meritocracia em diversas esferas governamentais – ou seja, tudo o que ele já fez no setor privado com estrondoso êxito em repetidas ocasiões.

No Ministério da Fazenda, Armínio Fraga é obviamente um excelente nome. Mas ele já traz consigo uma certa bagagem pelo fato de já ter ocupado a presidência do Banco Central e de ter “participado” da campanha eleitoral de 2014. Há outros da mesma estirpe que entregariam a mesma excelência de gestão e resultados. Andre Jakurski, por exemplo, é um ótimo nome: gestor brilhante, com formação de primeira linha e capaz de pensar no curto, médio e longo prazos.

Para o Banco Central, há apenas um nome: Luis Stuhlberger, o “mestre Yoda” dos gestores financeiros, uma lenda viva. Quer operar contra o Banco Central? Faça-o por sua conta e risco, pois do outro lado estará um dos melhores gestores do mundo. Certamente, conquistaríamos uma credibilidade valiosa na condução da política monetária.

Na pasta da Educação, prefiro me abster de propor qualquer nome. Sugiro que, para esta nomeação, consulte-se o empresário brasileiro que mais investiu em educação ao longo destes anos: Jorge Paulo Lemann. Ele não só idealizou diversos programas de sucesso, como também insiste em se manter na fronteira da excelência no campo educacional, empregando para tal os melhores profissionais do mundo.

Nas pastas da Indústria e Comércio, Agricultura, Cultura e tantas outras é imperativo que sejam escolhidos empresários dos respectivos setores. Os empreendedores sabem melhor que ninguém quais são os gargalos do seu respectivo setor, quais são as armadilhas, qual a destinação ótima dos recursos públicos. Não temos tempo para testar tecnocratas ou programas de nomes mirabolantes – precisamos de eficência em toda a cadeia produtiva. Felizmente, o Brasil é repleto de empresários de sucesso, que sobreviveram a diversos pacotes econômicos, à hiperinflação, ao calote da dívida externa, ao confisco da poupança e que seguem produzindo resultados apesar do ambiente hostil a negócios que se instalou no país. Precisamos deles no comando.

Com estes craques em campo, teríamos a credibilidade necessária para adotar uma política supply-side que nos livre de remendos fiscais como CPMF e outras aberrações. Poderíamos, já no curto prazo, ter mais eficiência, reduzir custos, baixar impostos e juros. Qualquer outra agenda numa economia que tributa 40% do PIB (além de outros 10%, 20%, 30% do PIB em serviços que o Estado não presta adequadamente e que o cidadão tem que contratar) será fadada a “bater no muro”. Precisamos cortar impostos, com a contrapartida de aumentar a eficiência do Estado, de modo que a economia cresça. E, com isso, gere mais arrecadação: só que, desta vez, pelos motivos certos.

Por que pessoas tão bem-sucedidas aceitariam o risco de trabalhar no governo? Porque o senhor lhes dará autonomia para fazer o que deve ser feito. Porque o Brasil precisa deles para retomar o rumo correto. Porque estas pessoas também desejam um país melhor para seus filhos e netos. Porque o empresariado  brasileiro é generoso e atenderá o chamamento de reconstrução.

O senhor e sua equipe política saberão conduzir com maestria  a agenda em Brasília, o que não será trivial sob a raivosa oposição petista. No entanto, o senhor detém o cacife político necessário para aglutinar o parlamento e instalar as reformas urgentes. Poderemos finalmente tirar do papel as reformas da previdência, política e constitucional. Precisamos de arcabouços que nos dêem a flexibilidade necessária para termos competitividade no século XXI, e já partimos com duas décadas de atraso.

Vamos suar a camisa e recuperar o “tempo perdido”, afinal de contas “nosso suor sagrado é bem mais belo que este sangue amargo” petista.

Boa sorte ao Brasil.



Comments

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de curt…

Grapiche

A determinação do prefeito de São Paulo, João Dória, em estabelecer uma sensação de ordem é louvável. A política “no broken window” de Rudolph Giuliani foi uma das alavancas para a transformação de NY em uma cidade segura. No caso de São Paulo, o primeiro alvo foi repintar os muros pichados e grafitados em locais onde tal prática não estava autorizada. Nada mau, certo?
Errado. Começa o mimimi. “Grafite é arte”, “pichação é uma maneira democrática de o povo se manifestar”, e por aí vai. Sério mesmo que a ordem pública (condição necessária mas não suficiente para progresso) tem que se sujeitar a essa discussão? Parece que sim, infelizmente.
O brasileiro paga muito caro por obras públicas, que acabam custando o triplo do que deveriam e demorando o quíntuplo do prazo estimado. E o povo reclama disso, com razão, vai às ruas protestar, grita, faz abaixo assinado. Qual é, então, o sentido de um sujeito pichar uma obra pública? Está ferindo o patrimônio público tal qual o político que desvia di…