Skip to main content

MinCana que eu gosto!

Artistas reclamando sem parar sobre o fim (efêmero) do MinC, que novidade... Nossos artistas adoram reclamar, mas não percebem que quem reclama muito perde a coerência em algum momento.

Reclamaram da meia entrada mas pedem maior disseminação da cultura.

Reclamaram dos sistemas de compartilhamento de arquivos mas querem que a cultura chegue aos mais pobres.

Reclamaram da censura no regime militar mas se apressam em censurar biografias não-autorizadas.

Reclamaram do fim do MinC mas não comemoraram seu retorno.

Os artistas adoram aparecer defendendo os “fracos e oprimidos” com discursos fatigados de esquerda. E não é só aqui no Brasil: Sean Penn e Danny Glover servem de exemplos patéticos em outras terras. Assim como Chico, Caetano e outros tupiniquins, dizem-se defensores da democracia mas enaltecem Chávez e Castro.

O caso de Cuba, um hit no meio artístico, é risível. Como alguém que se proclama democrata faz apologia de um regime que ocupa o poder há quase 60 anos sem nunca ter recebido um voto sequer? Licença poética tem limite.

Caetano, há muitos anos, cantou sobre os “ridículos tiranos da América Católica”. Hoje, Caetano sobe no palanque para eles. Somos uns boçais.

***

O chororô sobre o fim do MinC foi uma questão territorial, mascarada por um pretenso altruísmo de espalhar a cultura que – na verdade – inexiste na agenda dos artistas. Os artistas perderiam espaço com mudança de status da pasta e teriam que competir com outras frentes de lobby na defesa de seus interesses. Simples assim: foi uma motivação econômica.

Duvida? Então pergunte-se o porquê destes artistas cobrarem cachês tão elevados para shows de réveillon. Não se trata de uma festa popular e, portanto, uma ótima oportunidade de difundir cultura para todas as classes sociais? Atacam biografias não-autorizadas para não esvaziar o interesse (e o lucro) de suas eventuais auto-biografias ou biografias autorizadas. São lindos os burgueses.

O fato é que esses artistas chorões enriqueceram como nunca na era PT, mesmo com sua produção artística caindo. Tomem-se, por exemplo, Chico e Caetano, que – entre 2003 e 2016 – produziram menos material de estúdio (isto é, novas canções) do que entre 1994 e 2002. E, a julgar pelo resultado das vendas de CDs, o escasso material inédito contou com menor aprovação do público. Mas e daí? Lançaram inúmeros CDs ao vivo e coletâneas, reciclaram a cultura e tiveram bons lucros com isso. Logo eles, os bastiões da intelectualidade artística reaproveitando material.

Não há nada errado em os artistas ganharem dinheiro. Chico, Caetano, Gil, Piovani, Kéfera, qualquer um. O material artístico é um produto, cujo sucesso dependerá de sua qualidade, mas também de fatores como sorte e quantidade de capital investido em marketing. Uma vez entendida esta dinâmica, desconstrói-se a noção de que o artista famoso é – automaticamente – um intelectual. 

O que há de errado é artistas consagrados – aqueles que não precisam do suporte do dinheiro público – serem os maiores beneficiários da Lei Rouanet, independente de haver ou não corrupção no processo. Trata-se da subversão da “cultura para todos” alardeada por Chico, Caetano e Gil. É o mesmo que o BNDES emprestar dinheiro (como de fato o faz) para Usiminas, Oi, e outras empresas grandes que têm acesso ao mercado de capitais, preterindo assim o pequeno empresário, aquele que realmente gera emprego e renda. O monopólio do capital subsidiado é idêntico ao monopólio da cultura incentivada: requentamos empresas falidas e artistas monotônicos. E ainda queremos ganhar Palma de Ouro quando, em realidade, merecemos palmadas.

"Cultura para todos, conquanto que eu seja o mensageiro". "Democracia na Venezuela desde que o Chavismo se mantenha no poder". "Impeachment é golpe! Fora Temer, impeachment nele". São estes os nosso intelectuais?

Os protestos de Chico, Caetano, Gil, Frejat, Fernanda Montenegro e afins sobre o fim do MinC constituem um magnum opus de hipocrisia e advocacia em causa própria. Nunca se vê esta turma pleiteando recursos para as escolas de música nas favelas, ou oficinas de teatro gratuitas, ou mesmo fazendo shows de graça. Sugestão: podem rodar Venezuela, Cuba e Coréia do Norte, pagando do próprio bolso e fazendo espetáculos gratuitos. Exerçam seus podres poderes em outras bandas, o Brasil já cansou de vinho tinto.

Com os ânimos exaltados de hoje, herança maldita do PT, se cada paisano e cada capataz der ouvidos ao discurso cansado e falido dos artistas, infelizmente faremos jorrar sangue demais. 



Comments

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de curt…

Grapiche

A determinação do prefeito de São Paulo, João Dória, em estabelecer uma sensação de ordem é louvável. A política “no broken window” de Rudolph Giuliani foi uma das alavancas para a transformação de NY em uma cidade segura. No caso de São Paulo, o primeiro alvo foi repintar os muros pichados e grafitados em locais onde tal prática não estava autorizada. Nada mau, certo?
Errado. Começa o mimimi. “Grafite é arte”, “pichação é uma maneira democrática de o povo se manifestar”, e por aí vai. Sério mesmo que a ordem pública (condição necessária mas não suficiente para progresso) tem que se sujeitar a essa discussão? Parece que sim, infelizmente.
O brasileiro paga muito caro por obras públicas, que acabam custando o triplo do que deveriam e demorando o quíntuplo do prazo estimado. E o povo reclama disso, com razão, vai às ruas protestar, grita, faz abaixo assinado. Qual é, então, o sentido de um sujeito pichar uma obra pública? Está ferindo o patrimônio público tal qual o político que desvia di…