Skip to main content

Vaia que é tua, Brasil!!


Os Jogos Olímpicos do Rio estão rolando a todo vapor. Claro, houve problemas de organização, de logística e de abastecimento, já esperados e também observados em outras edições dos Jogos.

Canos entupidos na vila e piscina com água verde vão dar pano para manga, mas é tudo coisa pouca perto da festa do esporte e da confraternização dos povos. E o Brasil parece o lugar ideal para confraternizar, com sua gente alegre e hospitaleira.

Há, no entanto, uma importante ressalva. O brasileiro não sabe usar corretamente o instrumento da vaia. Assim como ainda não aprendemos a usar o voto, falta-nos o entendimento do que representa a vaia e de como ela deve ser aplicada.

Por exemplo: vaiar Michel Temer na abertura dos jogos é uma burrice inenarrável, qualquer que seja sua orientação política ou partidária. Trata-se de um momento solene, onde Temer representava o país-sede dos Jogos, e não uma corrente partidária. Vaiá-lo perante os olhos do mundo inteiro é lavar roupa suja em público. Pior: é vaiar a si próprio como anfitrião dos Jogos.

De todas as reclamações dos atletas, comitês e espectadores estrangeiros, a mais procedente é o mau uso da vaia pelo público brasileiro durante as competições. Cabe-nos refletir sobre o assunto, fazer uma autocrítica e tentar subir alguns degraus no ranking da educação.

O ato de vaiar uma pessoa expressa um repúdio ao fato de ela estar ali. Ou seja, quando entra em quadra um atleta argentino ou uma equipe prestes a enfrentar o Brasil, a vaia significa que a torcida brasileira não entende que aquela presença é apropriada ou merecida.

Traduzindo: um atleta que treinou durante anos, logrando o direito de competir no mais alto nível de sua modalidade e representar seu país, é vaiado só porque nasceu em determinado lugar ou porque vai disputar com o Brasil? Isso é diferente de vaiar alguém pelo fato de ele ser branco, negro, pardo, índio ou amarelo?

Público e mídia brasileiros, com razão, adoram histórias de atletas que abdicaram de tudo pelo esporte. Ocorre que a maioria dos atletas olímpicos está aqui porque abriu mão de muito para treinar e chegar aonde chegou. Claro que alguns países têm mais estrutura que outros, mas vaiar o atleta – qualquer que seja – é desqualificar seu merecimento de lá estar competindo.

Se o público vaia, a mensagem é que não quer o atleta ali. Ou seja, preferia que o Brasil vencesse por WO. Então, porque o espectador que vaia paga o ingresso ou assiste na televisão? Se ele vaia, ele não quer ver o espetáculo, pois sem a presença do adversário não há jogo, não há emoção, não há celebração do esporte e não há festa.

Da mesma forma, vaiar um ponto do adversário denota um sentimento de que ele não deveria se esforçar para derrotar o Brasil. Ou, em outras palavras, que o público preferia que o adversário entregasse o jogo ou fizesse corpo mole, maculando o espetáculo. Em resumo, ao vaiar um adversário ou um argentino, o espectador brasileiro está vaiando os Jogos Olímpicos por tabela.

A vaia cabe (e muito) quando há uma atitude antiesportiva, uma falta violenta, um gesto desrespeitoso perante torcida, oponente ou juiz. Fora isso, o que vale é torcer mais alto e vibrar mais intensamente, sabendo ganhar e perder, aprendendo a ser mais educado e ensinando ao mundo como fazer festa.

Ainda dá tempo de virar esse jogo.



Comments

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de curt…

Grapiche

A determinação do prefeito de São Paulo, João Dória, em estabelecer uma sensação de ordem é louvável. A política “no broken window” de Rudolph Giuliani foi uma das alavancas para a transformação de NY em uma cidade segura. No caso de São Paulo, o primeiro alvo foi repintar os muros pichados e grafitados em locais onde tal prática não estava autorizada. Nada mau, certo?
Errado. Começa o mimimi. “Grafite é arte”, “pichação é uma maneira democrática de o povo se manifestar”, e por aí vai. Sério mesmo que a ordem pública (condição necessária mas não suficiente para progresso) tem que se sujeitar a essa discussão? Parece que sim, infelizmente.
O brasileiro paga muito caro por obras públicas, que acabam custando o triplo do que deveriam e demorando o quíntuplo do prazo estimado. E o povo reclama disso, com razão, vai às ruas protestar, grita, faz abaixo assinado. Qual é, então, o sentido de um sujeito pichar uma obra pública? Está ferindo o patrimônio público tal qual o político que desvia di…