Skip to main content

Vaia que é tua, Brasil!!


Os Jogos Olímpicos do Rio estão rolando a todo vapor. Claro, houve problemas de organização, de logística e de abastecimento, já esperados e também observados em outras edições dos Jogos.

Canos entupidos na vila e piscina com água verde vão dar pano para manga, mas é tudo coisa pouca perto da festa do esporte e da confraternização dos povos. E o Brasil parece o lugar ideal para confraternizar, com sua gente alegre e hospitaleira.

Há, no entanto, uma importante ressalva. O brasileiro não sabe usar corretamente o instrumento da vaia. Assim como ainda não aprendemos a usar o voto, falta-nos o entendimento do que representa a vaia e de como ela deve ser aplicada.

Por exemplo: vaiar Michel Temer na abertura dos jogos é uma burrice inenarrável, qualquer que seja sua orientação política ou partidária. Trata-se de um momento solene, onde Temer representava o país-sede dos Jogos, e não uma corrente partidária. Vaiá-lo perante os olhos do mundo inteiro é lavar roupa suja em público. Pior: é vaiar a si próprio como anfitrião dos Jogos.

De todas as reclamações dos atletas, comitês e espectadores estrangeiros, a mais procedente é o mau uso da vaia pelo público brasileiro durante as competições. Cabe-nos refletir sobre o assunto, fazer uma autocrítica e tentar subir alguns degraus no ranking da educação.

O ato de vaiar uma pessoa expressa um repúdio ao fato de ela estar ali. Ou seja, quando entra em quadra um atleta argentino ou uma equipe prestes a enfrentar o Brasil, a vaia significa que a torcida brasileira não entende que aquela presença é apropriada ou merecida.

Traduzindo: um atleta que treinou durante anos, logrando o direito de competir no mais alto nível de sua modalidade e representar seu país, é vaiado só porque nasceu em determinado lugar ou porque vai disputar com o Brasil? Isso é diferente de vaiar alguém pelo fato de ele ser branco, negro, pardo, índio ou amarelo?

Público e mídia brasileiros, com razão, adoram histórias de atletas que abdicaram de tudo pelo esporte. Ocorre que a maioria dos atletas olímpicos está aqui porque abriu mão de muito para treinar e chegar aonde chegou. Claro que alguns países têm mais estrutura que outros, mas vaiar o atleta – qualquer que seja – é desqualificar seu merecimento de lá estar competindo.

Se o público vaia, a mensagem é que não quer o atleta ali. Ou seja, preferia que o Brasil vencesse por WO. Então, porque o espectador que vaia paga o ingresso ou assiste na televisão? Se ele vaia, ele não quer ver o espetáculo, pois sem a presença do adversário não há jogo, não há emoção, não há celebração do esporte e não há festa.

Da mesma forma, vaiar um ponto do adversário denota um sentimento de que ele não deveria se esforçar para derrotar o Brasil. Ou, em outras palavras, que o público preferia que o adversário entregasse o jogo ou fizesse corpo mole, maculando o espetáculo. Em resumo, ao vaiar um adversário ou um argentino, o espectador brasileiro está vaiando os Jogos Olímpicos por tabela.

A vaia cabe (e muito) quando há uma atitude antiesportiva, uma falta violenta, um gesto desrespeitoso perante torcida, oponente ou juiz. Fora isso, o que vale é torcer mais alto e vibrar mais intensamente, sabendo ganhar e perder, aprendendo a ser mais educado e ensinando ao mundo como fazer festa.

Ainda dá tempo de virar esse jogo.



Comments

Popular posts from this blog

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de cur…

O candidato antifrágil

O autor Nassim Taleb cunhou o termo antifrágil para descrever mecanismos ou sistemas que se tornam mais robustos quando expostos a intempéries. Normalmente, encontra-se a antifragilidade em populações, ao passo que o indivíduo é – em geral – frágil.
Restringindo a análise ao campo político e aos últimos 6 meses, Jair Bolsonaro talvez seja um dos poucos indivíduos antifrágeis já observados. Quanto mais é agredido – seja por adversários ou pelos “jornalistas” – mais cresce nas pesquisas.
Há 6 meses, todos os analistas políticos diziam que Bolsonaro não estaria no 2º turno. Ponderavam que sem partido forte, sem aliados, sem coligação e sem tempo de TV, seria apenas um modismo. Erraram: hoje a questão é quem estará no 2º turno com ele. Ou, mesmo, se haverá um 2º turno.
Ninguém pode afirmar que entende a dinâmica que está acontecendo, mas este artigo tenta formular uma hipótese.
**
Jair Bolsonaro estabeleceu-se como a alternativa anti-establishment. Não importa se já está em seu sétimo mandato …

Fogo vermelho

“Um povo que não conhece a sua história está condenado a repeti-la” (Edmund Burke)
O museu mais visitado do Brasil é o Museu do Amanhã no Rio de Janeiro. Trata-se de um prédio com arquitetura arrojada – embora de gosto discutível – e sem acervo algum.
Apesar do conteúdo praticamente inexistente, hordas de jovens “culturamente engajados” visitam o “museu” para tirar uma boa dose de selfies e postá-las nas redes sociais. São quase um milhão e meio de visitantes por ano, contra cerca de 500 mil do MASP, para desgosto de Cândido Portinari e Anita Malfatti.
Com esse retrospecto, não era de se esperar que a juventude brasileira capturasse a magnitude da tragédia que foi o incêndio do Museu Nacional e a destruição de muitas de suas preciosas peças e coleções. Ainda assim, mesmo munindo-se das piores expectativas, não houve como não se surpreender pela baixeza com que autoridades e populares se comportaram.
**
Diante do luto de historiadores, museólogos e brasileiros em geral, viu-se um lamentável…