Skip to main content

Muito além do jardim


O clássico filme “Muito além do jardim” foi um dos pontos altos da carreira do célebre ator Peter Sellers. A película retrata a trajetória de Chauncey, um fictício jardineiro analfabeto que, por uma sequência fortuita de eventos, acaba se tornando um presidenciável messiânico em uma América abatida por sério revés econômico.

**

Em maio de 2017, o governo Temer entrou em crise após o jornalista Lauro Jardim publicar que o presidente havia sido gravado por Joesley Batista e que, no áudio, Temer dava aval para a compra do silêncio de Eduardo Cunha. O episódio teve diversos desmembramentos bem conhecidos, mas uma pergunta-chave passou ao largo da imprensa: como o jornalista teve acesso a material sigiloso que só foi disponibilizado ao público alguns dias depois?

O aúdio revela uma conversa obscura e reprovável, permeada com temas absolutamente não-republicanos e prevaricação do presidente. Mas, de forma alguma, mostra Temer dando aval a eventual compra de silêncio. Ou seja, se o jornalista ouviu o áudio antes de publicar a matéria – algo muito grave e que segue sem explicação –  a manchete foi tendenciosa e distorceu a realidade. Se ele apenas soube da existência da gravação e publicou a manchete fazendo ilações sobre o conteúdo do áudio, houve irresponsabilidade. De uma forma ou de outra, prestou um baita desserviço ao Brasil, ressuscitando a polarização política (apesar de Temer ter sido eleito pelo “13” nas urnas) e colocando uma pá de cal na tão necessária reforma da previdência que então ganhava corpo.

Mas isso aqui é Brasil e a memória é curta. Seguiremos sem saber qual é a resposta à “pergunta de um milhão de reais”. (Aproveitando o ensejo do bordão: Huck presidenciável é piada... com tantos sábados de conteúdo idiótico, nossos neurônios devem ter cozinhado no caldeirão)

**

Novembro de 2017. Lauro Jardim mais uma vez lança um post bombástico: Henrique Meirelles teria recebido R$ 180 milhões como conselheiro da J&F por reuniões “fake”. Trata-se de um factóide: a J&F é uma empresa privada, Meirelles idealizou a constituição e a estratégia do Banco Original (do grupo J&F) e foi remunerado por isso. Pode-se achar muito ou pouco dinheiro, exagerado ou justo, mas o fato é que – se Meirelles declarou o valor ao fisco e recolheu seus impostos – ninguém tem nada a ver com isso além dos acionistas da J&F. O valor não deveria causar espanto num país onde alguns acham que salário mensal de R$ 31 mil é trabalho escravo.

(Claro que os inúmeros "malfeitos" do grupo JBS são de interesse de todos e merecem ser expostos e punidos. Mas a remuneração de um executivo ou conselheiro por sua atuação dentro de parâmetros éticos e republicanos é outra história. Em contrapartida, no caso de atuação ilícita, não importa se a remuneração foi de R$ 180 milhões, R$ 180 mil ou 180 salsichas – a lei deveria ser igual para todos e tem que haver punição.)

O jornalismo brasileiro precisa evoluir muito. Tanto em sua capacidade investigativa como no seu compromisso com informar de maneira completa e isenta uma sociedade com pouca instrução. Basta assistir aos filmes “Spotlight” e “Truth” para concluir que nos Estados Unidos – por exemplo – “o buraco é mais embaixo”. Ou melhor: o furo de reportagem é muito mais embaixo.

Spotlight” mostra um grupo de repórteres desmascarando a prática de pedofilia por padres católicos,  após exaustivas pesquisas em anuários, autos processuais e outros documentos (detalhe: não havia internet, era trabalho “raiz”). Detalhe crucial: o grupo construiu a tese e a validou com padres e vítimas antes de publicar qualquer material.

Truth” narra a história de Dan Rather, respeitado jornalista e apresentador da CBS News, cuja equipe se lançou numa matéria sobre a carreira militar de George W Bush. Apesar de mostrar uma pesquisa proprietária relevante com acesso a diversos ex-colegas e ex-superiores de Bush, a edição final da matéria deixou de fora um elo importante para a robustez da tese de que Bush não foi um militar exemplar (muito pelo contrário). Por conta desta lacuna, a imprensa em geral caiu de pau sobre Rather que, ultimamente, deixou a CBS. O filme revela uma autorregulação consuetudinária dos agentes de imprensa em prol da verdade ao público americano.

**

Num país como o Brasil, com população de baixa escolaridade, enquanto não houver um jornalismo com qualidade muito além dos jardins, a massa seguirá acreditando em presidenciáveis messiânicos e analfabetos.

Comments

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de cur…

Não perturbe

A maioria dos quartos de hotel tem aquele penduricalho na maçaneta da porta: de um lado “não perturbe”, do outro “por favor, arrume”.
Os lares brasileiros precisam, com urgência, colocar o sinal “não perturbe” em suas portas. Os teatros, cinemas e museus idem. A “arte” perturbadora é um vírus como o ebola: vem dos “macaquinhos”, pula para o homem e causa estragos.
Nos últimos anos, agendas como ideologia de gênero e minorias LGBT têm ocupado um espaço desproporcional na mídia. Os “artistas” abraçam estas causas, espertamente usando-as como ferramenta de marketing e pegando carona naquilo que está dando Ibope. O resultado tem sido uma arte excessivamente politizada que, ultimamente, mutacionou para uma “arte” cujo único objetivo é ser perturbadora.
Nada errado com arte perturbadora: Picasso, Paganini, Machado de Assis não são exatamente uma dose de lexotan, mas indiscutivelmente são artistas atemporais. Também não há nada errado com a arte que acalma os sentidos, como Monet e Simon and Ga…