Skip to main content

Santa incompetência

Os liberais advogam, há muito, que o estado deve se preocupar com educação, saúde e segurança; e que todo o resto deve ser privatizado. Em geral, quando isso é bem feito, funciona lindamente: o estado torna-se menor e, com menos impostos, consegue prestar serviços melhores. Concomitantemente, a iniciativa privada imprime bom funcionamento em outros serviços, tais como aeroportos, zoológicos, etc.

Mas nosso prefeito-pastor Crivella e seus apóstolos lograram o incrível feito de piorar certos serviços públicos após privatizá-los: um milagre!

Crivella e seu séquito licitaram a operação de certas ilhas de estacionamente em alguns pontos da cidade. Estes locais eram antes atendidos pelos vaga-certas (ou flanelinhas, como alguns chamam), cuja função era apenas coletar R$ 2 do motorista e anotar a placa do carro e o horário de chegada num tíquete.

Não há dúvida de que o vaga-certa é um sistema arcaico, um emprego de mão-de-obra keynesiano que gera valor zero ou negativo para a sociedade. Um parquímetro dos anos 60 funcionaria melhor. Ou, sonhando mais alto, por que não utilizar uma máquina com terminal de cartão de crédito e conectada a aplicativo de celular que permitiria ao usuário adicionar mais tempo de uso da vaga quando desejasse?

A boa-nova é que Crivella – ao licitar as áreas – conseguiu ocupar mais gente! Que bênção maravilhosa: menos gente desempregada, mais lares com providência, mais riqueza na cidade... Uma dádiva!

Mas não é bem assim que termina a parábola, infelizmente. Algumas empresas agraciadas com a concessão empregam cinco ou seis boletadores onde antes havia um ou dois flanelinhas. O pecado desse novo sistema é um estacionamento que custa múltiplas vezes mais para o usuário. Exemplo: uma família que antes passava três horas Parque dos Patins na Lagoa pagando R$ 2 de estacionamento, agora tem que desembolsar R$ 6 por hora, totalizando dízimo de R$ 18. Traduzindo: a família é onerada com seu quinhão do salário de uma mão-de-obra inútil, o que encarece o custo de lazer, diminui o tráfego de pessoas no parque e causa queda nas vendas de águas, sucos, sanduíches e picolés nos quiosques, diminuindo a renda de todo o ecossistema.

Menos mau seria se ao menos o novo estacionamento funcionasse bem. Mas o sistema idiótico de usar tecnologia matusalênica e cobrar por tempo de permanência significa o seguinte: quando chove e todo mundo corre para seus carros, a fila de cobrança na saída fica engargalada. Será que nenhum dos apóstolos teve essa visão divina ao conceder a licitação?  Precisa-se de um profeta na prefeitura.

E quando houver uma emergência médica e portanto a necessidade de um carro sair às pressas? Será que a fila se abrirá como o Mar Vermelho? É bom os cariocas portarem seus cajados mágicos em seus carros.

Com certeza, João Dória fará melhor.

A licitação desastrada das áreas de estacionamento é apenas um capítulo do evangelho segundo Marcelo. Uma danação para a cidade e para os cariocas que precisarão de uma paciência de Jó para aguentar esse infeliz por mais três anos. Deus nos acuda... 


Comments

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de cur…

Não perturbe

A maioria dos quartos de hotel tem aquele penduricalho na maçaneta da porta: de um lado “não perturbe”, do outro “por favor, arrume”.
Os lares brasileiros precisam, com urgência, colocar o sinal “não perturbe” em suas portas. Os teatros, cinemas e museus idem. A “arte” perturbadora é um vírus como o ebola: vem dos “macaquinhos”, pula para o homem e causa estragos.
Nos últimos anos, agendas como ideologia de gênero e minorias LGBT têm ocupado um espaço desproporcional na mídia. Os “artistas” abraçam estas causas, espertamente usando-as como ferramenta de marketing e pegando carona naquilo que está dando Ibope. O resultado tem sido uma arte excessivamente politizada que, ultimamente, mutacionou para uma “arte” cujo único objetivo é ser perturbadora.
Nada errado com arte perturbadora: Picasso, Paganini, Machado de Assis não são exatamente uma dose de lexotan, mas indiscutivelmente são artistas atemporais. Também não há nada errado com a arte que acalma os sentidos, como Monet e Simon and Ga…