Skip to main content

Santa incompetência

Os liberais advogam, há muito, que o estado deve se preocupar com educação, saúde e segurança; e que todo o resto deve ser privatizado. Em geral, quando isso é bem feito, funciona lindamente: o estado torna-se menor e, com menos impostos, consegue prestar serviços melhores. Concomitantemente, a iniciativa privada imprime bom funcionamento em outros serviços, tais como aeroportos, zoológicos, etc.

Mas nosso prefeito-pastor Crivella e seus apóstolos lograram o incrível feito de piorar certos serviços públicos após privatizá-los: um milagre!

Crivella e seu séquito licitaram a operação de certas ilhas de estacionamente em alguns pontos da cidade. Estes locais eram antes atendidos pelos vaga-certas (ou flanelinhas, como alguns chamam), cuja função era apenas coletar R$ 2 do motorista e anotar a placa do carro e o horário de chegada num tíquete.

Não há dúvida de que o vaga-certa é um sistema arcaico, um emprego de mão-de-obra keynesiano que gera valor zero ou negativo para a sociedade. Um parquímetro dos anos 60 funcionaria melhor. Ou, sonhando mais alto, por que não utilizar uma máquina com terminal de cartão de crédito e conectada a aplicativo de celular que permitiria ao usuário adicionar mais tempo de uso da vaga quando desejasse?

A boa-nova é que Crivella – ao licitar as áreas – conseguiu ocupar mais gente! Que bênção maravilhosa: menos gente desempregada, mais lares com providência, mais riqueza na cidade... Uma dádiva!

Mas não é bem assim que termina a parábola, infelizmente. Algumas empresas agraciadas com a concessão empregam cinco ou seis boletadores onde antes havia um ou dois flanelinhas. O pecado desse novo sistema é um estacionamento que custa múltiplas vezes mais para o usuário. Exemplo: uma família que antes passava três horas Parque dos Patins na Lagoa pagando R$ 2 de estacionamento, agora tem que desembolsar R$ 6 por hora, totalizando dízimo de R$ 18. Traduzindo: a família é onerada com seu quinhão do salário de uma mão-de-obra inútil, o que encarece o custo de lazer, diminui o tráfego de pessoas no parque e causa queda nas vendas de águas, sucos, sanduíches e picolés nos quiosques, diminuindo a renda de todo o ecossistema.

Menos mau seria se ao menos o novo estacionamento funcionasse bem. Mas o sistema idiótico de usar tecnologia matusalênica e cobrar por tempo de permanência significa o seguinte: quando chove e todo mundo corre para seus carros, a fila de cobrança na saída fica engargalada. Será que nenhum dos apóstolos teve essa visão divina ao conceder a licitação?  Precisa-se de um profeta na prefeitura.

E quando houver uma emergência médica e portanto a necessidade de um carro sair às pressas? Será que a fila se abrirá como o Mar Vermelho? É bom os cariocas portarem seus cajados mágicos em seus carros.

Com certeza, João Dória fará melhor.

A licitação desastrada das áreas de estacionamento é apenas um capítulo do evangelho segundo Marcelo. Uma danação para a cidade e para os cariocas que precisarão de uma paciência de Jó para aguentar esse infeliz por mais três anos. Deus nos acuda... 


Comments

Popular posts from this blog

O candidato antifrágil

O autor Nassim Taleb cunhou o termo antifrágil para descrever mecanismos ou sistemas que se tornam mais robustos quando expostos a intempéries. Normalmente, encontra-se a antifragilidade em populações, ao passo que o indivíduo é – em geral – frágil.
Restringindo a análise ao campo político e aos últimos 6 meses, Jair Bolsonaro talvez seja um dos poucos indivíduos antifrágeis já observados. Quanto mais é agredido – seja por adversários ou pelos “jornalistas” – mais cresce nas pesquisas.
Há 6 meses, todos os analistas políticos diziam que Bolsonaro não estaria no 2º turno. Ponderavam que sem partido forte, sem aliados, sem coligação e sem tempo de TV, seria apenas um modismo. Erraram: hoje a questão é quem estará no 2º turno com ele. Ou, mesmo, se haverá um 2º turno.
Ninguém pode afirmar que entende a dinâmica que está acontecendo, mas este artigo tenta formular uma hipótese.
**
Jair Bolsonaro estabeleceu-se como a alternativa anti-establishment. Não importa se já está em seu sétimo mandato …

Fogo vermelho

“Um povo que não conhece a sua história está condenado a repeti-la” (Edmund Burke)
O museu mais visitado do Brasil é o Museu do Amanhã no Rio de Janeiro. Trata-se de um prédio com arquitetura arrojada – embora de gosto discutível – e sem acervo algum.
Apesar do conteúdo praticamente inexistente, hordas de jovens “culturamente engajados” visitam o “museu” para tirar uma boa dose de selfies e postá-las nas redes sociais. São quase um milhão e meio de visitantes por ano, contra cerca de 500 mil do MASP, para desgosto de Cândido Portinari e Anita Malfatti.
Com esse retrospecto, não era de se esperar que a juventude brasileira capturasse a magnitude da tragédia que foi o incêndio do Museu Nacional e a destruição de muitas de suas preciosas peças e coleções. Ainda assim, mesmo munindo-se das piores expectativas, não houve como não se surpreender pela baixeza com que autoridades e populares se comportaram.
**
Diante do luto de historiadores, museólogos e brasileiros em geral, viu-se um lamentável…

Primeiros erros?

“Se um dia eu pudesse ver, meu passado inteiro... Eu faria parar de chover, nos primeiros erros” (Capital Inicial e Kiko Zambianchi)
Mal o novo governo tomou posse e a imprensa já abriu suas baterias. Jornalistas paus-mandados ou a serviço de uma desbotada ideologia, ou simplesmente canalhas, perderam o tênue compromisso com a verdade que ainda tinham. Pululam nos veículos de mídia matérias tendenciosas, levianas e vergonhosas.
É incrível a quantidade de “balanços” ou “retrospectivas” dos 10 (dez!) primeiros dias (dias!) de governo. Pergunta: levam em conta o fim-de-semana como dia útil?
Manchetes como “General Mourão terá 65 assessores” encabeçam, na verdade, um relato sobre o corte de aproximadamente 50% no número de assessores que o vice-presidente já empreendeu logo de início e que resultou em 65 assessores ao final. Almejava um corte maior, mas a lei não permitiu. Contudo, o jornalista quer criar a falsa impressão de gastança para o leitor desavisado. Há centenas de “furos” de r…