Skip to main content

Sunôb demográfico

Atenção: a Companhia Municipal de Iluminação abrirá 50 vagas para acendedores de postes. Não é necessária experiência prévia. Os candidatos devem comparecer à sede da empresa. Esta notícia certamente pertenceria ao século XVIII ou XIX, correto? Não necessariamente...

Há poucas semanas, a Câmara Municipal do Rio de Janeiro votou pela proibição da função dupla do motorista de ônibus. Ou seja, se o prefeito sancionar o texto, será necessária a presença de um cobrador em cada coletivo.

O leitor pode pensar “isso é bom porque gera emprego”. No entanto, quem cai na tentação de tecer este raciocínio não percebe que o custo do cobrador é pago por toda a sociedade. A passagem de ônibus fica mais cara e isso afeta o custo do vale-transporte pago pela empresas, que por seu turno repassam o encargo para o preço de seus produtos. Portanto, quando o cidadão compra um chocolate ou um xampu, está pagando um preço onerado pelo o custo do cobrador de ônibus.

“Mas o município pode subsidiar a passagem”... Bem, neste caso, todos nós pagamos com impostos maiores. Não tem jeito, assim como não há almoço de graça, não há cobrador de ônibus de graça.

**

O Brasil teima em manter vivas certas profissões que são absolutamente anacrônicas: cobradores de pedágio, ascensoristas, trocadores de ônibus, frentistas e outras. Num mundo que caminha para self-driving cars, nós precisamos de elevadores com motorista!

Em diversos lugares do mundo, o pedágio é automatizado por fotografia (no Brasil, somente as multas gozam de tal eficiência), os elevadores são inteligentes, e os frentistas são opcionais. Nas metrópoles do primeiro mundo, os motoristas de ônibus exercem também a função de cobrador e, pasmem, funciona bem!

O parquímetro foi patenteado nos EUA na década de 1930 – desde então, evoluiu barbaramente. Em muitas cidades americanas, os parquímetros atualmente em funcionamento permitem pagamento com cartão de crédito ou celular e ainda alertam por SMS quando o tempo está próximo de expirar, permitindo que o usuário adicione mais créditos remotamente. No Brasil, muitas cidades “discordam” deste avanço tecnológico e preferem utilizar guardadores de veículos munidos de tíquetes de papel.

Quem defende o flanelinha, o frentista e o cobrador de ônibus pela ótica da “preservação do emprego” pratica populismo em seu mais puro estado. O trabalhador que exerce uma função sem qualquer valor para a sociedade impinge a todos um custo, seja por repasse a preços e/ou por impostos mais altos. Seria preferível o estado pagar um bom seguro-desemprego do que criar leis que protejam cargos inúteis. Não há diferença alguma entre o poder concedente exigir que os ônibus tenham cobradores e o estado construir e operar fábricas de TVs preto-e-branca para diminuir o desemprego.

(Parênteses: O argumento de que o cobrador aumenta a segurança do ônibus é absolutamente estapafúrdio. Ou seja, se houvesse dois cobradores a segurança seria ainda maior? Queremos resolver o problema do mau motorista colocando alguém para contar dinheiro? Por analogia, então, o ascensorista torna o elevador sem manutenção mais seguro.)

**

O livre-mercado sacramentou o fim dos acendedores de postes, pois a luz elétrica mostrou-se mais eficaz – em uma economia liberal, as profissões obsoletas vão sendo esvaziadas, algumas até a extinção. O contingente economicamente ativo migra para novas funções que produzam mais riqueza para a sociedade, buscando com isso rendimentos maiores para si. É a mão invisível – eis uma ideia do século XVIII que deveríamos preservar...

No Brasil ocorre o oposto: a insistência em manter funções obsoletas por força de lei faz com que o país  tenha um bônus demográfico ao contrário: um sunôb demográfico . Estamos ocupando população economicamente ativa em cargos que destróem riqueza para a sociedade. O sujeito que tem emprego de ascensorista é um custo para todos – como já discutido – e não tem qualquer incentivo de curto prazo para procurar outro emprego em uma função que agregue valor. Assim como o cobrador. Assim como o frentista. Assim como o sindicalista. Assim como o suplente de parlamentar.... a lista é longa.

É a mão visível do estado empurrando a economia para trás.

**

Imagine o leitor que um prefeito decida duplicar a quantidade de vias expressas de uma cidade. Para tanto, as vias que antes eram divididas em duas pistas são repintadas e passam as ter quatro pistas. Um aumento de 100% na disponibilidade de vias expressas. Depois, concluindo que a pistas resultantes ficaram estreitas demais, a prefeitura repinta o asfalto retornando para a configuração original de duas pistas, uma queda de 50%. Ainda assim, liquidamente, a prefeitura aumentou 50% a quilometragem de vias expressas (100% menos 50%), certo?

Se o raciocício acima parece esdrúxulo (ou cômico), note-se que ele é análogo a tentar crescer o PIB empregando frentistas, ascensoristas, cobradores e atendentes de pedágio. Estamos só pintando e repintando, sem sair do lugar.

Keynes deve estar bastante orgulhoso do Brasil.

(Com agradecimentos ao meu colega Henrique)

Comments

Popular posts from this blog

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de cur…

O candidato antifrágil

O autor Nassim Taleb cunhou o termo antifrágil para descrever mecanismos ou sistemas que se tornam mais robustos quando expostos a intempéries. Normalmente, encontra-se a antifragilidade em populações, ao passo que o indivíduo é – em geral – frágil.
Restringindo a análise ao campo político e aos últimos 6 meses, Jair Bolsonaro talvez seja um dos poucos indivíduos antifrágeis já observados. Quanto mais é agredido – seja por adversários ou pelos “jornalistas” – mais cresce nas pesquisas.
Há 6 meses, todos os analistas políticos diziam que Bolsonaro não estaria no 2º turno. Ponderavam que sem partido forte, sem aliados, sem coligação e sem tempo de TV, seria apenas um modismo. Erraram: hoje a questão é quem estará no 2º turno com ele. Ou, mesmo, se haverá um 2º turno.
Ninguém pode afirmar que entende a dinâmica que está acontecendo, mas este artigo tenta formular uma hipótese.
**
Jair Bolsonaro estabeleceu-se como a alternativa anti-establishment. Não importa se já está em seu sétimo mandato …

Fogo vermelho

“Um povo que não conhece a sua história está condenado a repeti-la” (Edmund Burke)
O museu mais visitado do Brasil é o Museu do Amanhã no Rio de Janeiro. Trata-se de um prédio com arquitetura arrojada – embora de gosto discutível – e sem acervo algum.
Apesar do conteúdo praticamente inexistente, hordas de jovens “culturamente engajados” visitam o “museu” para tirar uma boa dose de selfies e postá-las nas redes sociais. São quase um milhão e meio de visitantes por ano, contra cerca de 500 mil do MASP, para desgosto de Cândido Portinari e Anita Malfatti.
Com esse retrospecto, não era de se esperar que a juventude brasileira capturasse a magnitude da tragédia que foi o incêndio do Museu Nacional e a destruição de muitas de suas preciosas peças e coleções. Ainda assim, mesmo munindo-se das piores expectativas, não houve como não se surpreender pela baixeza com que autoridades e populares se comportaram.
**
Diante do luto de historiadores, museólogos e brasileiros em geral, viu-se um lamentável…