Skip to main content

Infinita Ráiuei



O talentoso compositor Humberto Gessinger devia estar inspirado pelas autobans quando compôs os versos da canção Infinita Highway: “Cento e dez, cento e vinte, cento e sessenta, só prá ver até quando o motor aguenta”. Se estivesse pensando numa estrada brasileira, os versos seriam algo do tipo “Oitenta, cento e dez, radar, máxima de cinquenta, quebra-molas, passando a trinta senão arrebenta, de novo cento e dez, opa – agora é só noventa, só pra ver quanta multa a gente aguenta”.

**

Nossa BR-040, por exemplo, é uma estrada cheia de contradições, assim como a letra do hit dos Engenheiros do Hawaii. O trecho Rio-Juiz de Fora não chega a ser uma autoban, mas é uma boa highway de pista dupla e acostamento, onde predomina velocidade máxima de 110 km/h que parece adequada. Depois de Juiz de Fora, vira uma ráiuei tupiniquim da pior qualidade e com todos os opcionais...

... Tem-se uma miríade de quebra-molas, radares no meio do nada, placas antigas e postos policiais desguarnecidos. E, o pior de tudo, algo como dez diferentes limites de velocidade... isso porque as autoridades ainda atêm-se somente aos múltiplos de dez.

**

As estradas brasileiras são horrorosas, tipicamente muito piores que a BR-040. O programa de concessões privadas iniciado há cerca de 20 anos não deu jeito, pois foi extremamente mal-concebido (leia-se: amador). Basicamente, os contratos exigiam que o concessionário cumprisse um cronograma mínimo de investimentos e não impunham marcos de melhoria tangíveis, tais como instalação de cercas divisórias ou de olhos-de-gato. Ou seja, criou-se espaço para as pinturas de faixa mais caras do mundo. Usando o exemplo da BR-040: depois de Juiz de Fora em direção a BH, não há qualquer anteparo fazendo a divisão central da pista. Ou seja, há risco de batida frontal a uma velocidade relativa superior a 200 km/h.

Para piorar, o Brasil tem cinco ou dez vezes o número necessário de municípios, e com eleições a cada quatro anos. Ou seja, centenas de candidatos de minúsculas localidades prometem quebra-molas – invenção brasileira – para “aumentar a segurança da população”. Pronto, tascam quebra-molas a torto e a direito. Além disso, existe a sanha arrecadadora das três esferas executivas, então tome radar de tudo o que é tipo e com limites de velocidade variando o máximo possível ao longo da via.

Resultado: viagens infindáveis e com infinita insegurança.

O motorista conhecedor das artimanhas arrecadatórias brasileiras prestará atenção desproporcional ao Waze e aos avisos de “radar reportado à frente”. Com infinitos limites de velocidade distintos, os olhos do condutor ficarão demasiado tempo desviados para a telinha do aplicativo. O corolário óbvio é que a concentração no trajeto e nos demais veículos será subtraída. “Você me faz correr demais os riscos dessa highway”.

Os quebra-molas são ainda mais temerários. Os desenvolvedores do Waze certamente não conhecem esta revolucionária tecnologia brasuca e, com isso, o aplicativo não avisa quando haverá um deles pelo caminho. Se para um veículo leve o quebra-molas já é um baita perigo, para um caminhão carregado pode ser mortal.

“Você me faz correr demais os riscos dessa highway”... Quem sabe, na verdade, Humberto Guessinger estivesse mesmo pensando numa estrada brasileira?

**

É vastamente documentado o erro cognitivo do ser humano de se julgar acima da média em determinadas atividades. A habilidade de conduzir um veículo é um dos quesitos onde este efeito é mais pervasivo e mais pronunciado. Com tantos redutores de velocidade pelo caminho, o motorista da infinita BR tentará, munido de autoconfiança exagerada, compensar o tempo de viagem conduzindo acima da velocidade permitida naqueles trechos onde não há radar ou quebra-molas. “Você me faz correr atrás do horizonte desta highway”. Perigo. Acidente. Mortes.

“Mas eu tinha medo, medo dessa estrada”. É para ter medo mesmo. O risco é de todos, dos que conduzem a 80, a 100 ou a 160 km/h. Enquanto o poder público exagera ao retirar liberdades individuais impondo um toque de recolher apelidado de “lei seca”, deixa tudo correr solto nos avanços de sinal nas cidades e na parafernália que torna nossas estradas mortais. (*)

“E a sombra do sorriso que eu deixei, numa das curvas da highway.” Infelizmente, mais e mais histórias terminam – literalmente – assim. Triste ráiuei.


**

(*) A lei seca é um assunto para um texto futuro. Mas o argumento de que proibir qualquer consumo de álcool ao motorista diminui de maneira desejável o número de acidentes por embriaguez é absolutamente falacioso. Se proibíssemos a venda de carros a particulares, teríamos ainda menos acidentes. Se proibíssemos a circulação e venda de bebidas alcóolicas, idem. Se houvesse de fato um toque de recolher às 20h, não só os acidentes cairiam a quase zero, mas também os assaltos, os estupros, etc. Essas medidas seriam também "desejáveis"? E como ficam as liberdades individuais? 

Comments

Popular posts from this blog

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de cur…

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Não perturbe

A maioria dos quartos de hotel tem aquele penduricalho na maçaneta da porta: de um lado “não perturbe”, do outro “por favor, arrume”.
Os lares brasileiros precisam, com urgência, colocar o sinal “não perturbe” em suas portas. Os teatros, cinemas e museus idem. A “arte” perturbadora é um vírus como o ebola: vem dos “macaquinhos”, pula para o homem e causa estragos.
Nos últimos anos, agendas como ideologia de gênero e minorias LGBT têm ocupado um espaço desproporcional na mídia. Os “artistas” abraçam estas causas, espertamente usando-as como ferramenta de marketing e pegando carona naquilo que está dando Ibope. O resultado tem sido uma arte excessivamente politizada que, ultimamente, mutacionou para uma “arte” cujo único objetivo é ser perturbadora.
Nada errado com arte perturbadora: Picasso, Paganini, Machado de Assis não são exatamente uma dose de lexotan, mas indiscutivelmente são artistas atemporais. Também não há nada errado com a arte que acalma os sentidos, como Monet e Simon and Ga…