Skip to main content

PSOL ou não sou?


Em seu seu mais recente livro, Skin In The Game, o autor Nassim Taleb declara imoral a atitude de se ter uma postura na vida privada distinta daquela que se preconiza na vida pública. Nas palavras de Taleb “It is immoral to claim virtue without fully living with its direct consequences”. E, em outro trecho: “If your private life conflicts with your intellectual opinion, it cancels your intellectual ideas, not your private life”.

Dito de forma mais simples e com exemplos mundanos, que confiança o leitor teria em um vendedor da Apple Store que só usasse produtos Samsung na sua vida privada? Ou de comprar uma BMW aconselhado por um vendedor que dirigisse uma Mercedes?

É difícil discordar de que seriam situações esdrúxulas e que explicitariam total falta de comprometimento do agente com seu discurso público.

**

Munido de situações onde há desalinhamentos patentes, Taleb abre as baterias contra figuras como Hillary Clinton e outras. É uma pena que ele não conheça o PSOL...

O que dizer de um partido que tem musiquinha querendo “o fim da polícia militar” e cujo principal puxador de votos utiliza, há anos, uma escolta da PM para ir e vir? Se houvesse alinhamento entre discurso público e atos privados, o nobre deputado teria a autenticidade para dispensar o auxílio da PM. Ou, alternativamente, enalteceria o valor da PM em público. Mas, ao contrário, usam-se dois pesos e duas medidas.

Outro parlamentar do PSOL circulou nas redes sociais um cálculo risível sobre o valor “justo” da Eletrobrás, apontando que o governo Temer tem a intenção de entregar a empresa por uma fração do que ela “vale”.



Será que o nobre deputado, advogado de formação, realmente acredita num valuation que desconsidera o valor das dívidas da companhia? Isso sem falar na barbaridade de somar os investimentos feitos ao longo do tempo independente de depreciação, obsolescência ou retorno futuro esperado, etc. Quer dizer, uma fábrica de TVs preto-e-brancas vale o que foi investido nela ao longo do tempo, mesmo que o retorno futuro seja negativo? Muito curiosa esta metodologia... Se o distinto parlamentar sabe que o cálculo é viesado (deveria saber, como advogado que é) e mesmo assim dá publicidade a ele, trata-se de atitude reprovável. Mas, para verificar esta hipótese, basta indagar a ele quantas ações da Eletrobrás ele possui – se ele realmente entende que o valor justo da companhia é de aproximadamente 20 vezes a atual cotação na bolsa, deveria estar fortemente investido nas ações da empresa (a não ser que seja um zero à esquerda).

O PSOL é um partido cool, certo? Liberação das drogas, fim da PM, ideologia de gênero. Ok – é uma linha legítima. No entanto, quantos de seus filiados com filhos de 8 anos teriam postura cool se a criança desejasse mudar de sexo? Difícil, não é mesmo? Mas há um projeto de lei do PSOL que visa autorizar a cirurgia de mudança de sexo (pelo SUS!) se o menor obtiver autorização judicial, a despeito do que pensem os pais.

A Câmara Municipal do Rio de Janeiro recentemente aprovou um projeto de lei do PSOL que cria um banco de fomento municipal. Trata-se de uma ideia estapafúrdia, pois cria-se mais um obstáculo para o funding (se é que ele existe) chegar ao empreendedor. Mais burocracia, mais despesas e mais possibilidade de corrupção. Mas a pergunta-chave é: quantos psolistas estão na fila para comprar títulos desse banco ou abrir suas contas de poupança?

O PSOL considera o ministro Gilmar Mendes um anjo ou a encarnação do diabo? Depende. Quando Gilmar vota favoravelmente aos interesses de Lula, é um santo. Mas quando absolve Aécio Neves é o capeta. O PSOL é a favor ou contra a condenação de políticos corruptos? Ou será que a resposta depende da legenda à qual o sujeito é filiado?

E, finalmente: o PSOL é contra a manutenção do sistema prisional, por entender que o criminoso tem que ser reintegrado à sociedade. Por que então cobram tanto a prisão dos assassinos de Marielle? Nesse exato momento, eles seguem integrados à sociedade como defendido genericamente pelo PSOL.

**

O símbolo do PSOL é um sol com uma carinha sorridente desenhada. Se a população seguir conferindo votos a um partido que, na verdade, tem duas caras, corremos o risco de o sol virar trevas e de o sorriso virar carranca.


Comments

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de cur…

Não perturbe

A maioria dos quartos de hotel tem aquele penduricalho na maçaneta da porta: de um lado “não perturbe”, do outro “por favor, arrume”.
Os lares brasileiros precisam, com urgência, colocar o sinal “não perturbe” em suas portas. Os teatros, cinemas e museus idem. A “arte” perturbadora é um vírus como o ebola: vem dos “macaquinhos”, pula para o homem e causa estragos.
Nos últimos anos, agendas como ideologia de gênero e minorias LGBT têm ocupado um espaço desproporcional na mídia. Os “artistas” abraçam estas causas, espertamente usando-as como ferramenta de marketing e pegando carona naquilo que está dando Ibope. O resultado tem sido uma arte excessivamente politizada que, ultimamente, mutacionou para uma “arte” cujo único objetivo é ser perturbadora.
Nada errado com arte perturbadora: Picasso, Paganini, Machado de Assis não são exatamente uma dose de lexotan, mas indiscutivelmente são artistas atemporais. Também não há nada errado com a arte que acalma os sentidos, como Monet e Simon and Ga…