Skip to main content

Os 33

“Os 33” é um filme que mostra a história dos 33 mineiros que ficaram soterrados depois do desabamento de uma mina de cobre no Chile. O acidente ocorreu em 2010 e, graças a um trabalho coordenado e eficiente de autoridades e técnicos, todos os 33 trabalhadores foram resgatados com vida após incríveis 69 dias aprisionados a 700 metros de profundidade. Esta operação de salvamento, merecidamente, é motivo de orgulho nacional no país.

No Brasil, também temos nossos “33” – os trinta e três bárbaros que recentemente promoveram e filmaram o estupro coletivo de uma jovem de 16 anos. Não há palavras para descrever esta monstruosidade. Ela é a antítese do resgate chileno, pois soterra a sociedade ordeira sob o medo e a desesperança.

Estupro é crime hediondo. Filmá-lo é requinte de crueldade.  Estupro coletivo com 33 homens, no entanto, ganha status de tortura.

Os parlamentares e artistas de esquerda que – com razão – se enojam quando Bolsonaro enaltece um ex-torturador, têm suas mãos manchadas de sangue. São os mesmos defensores dos direitos humanos que esperneiam contra a redução da maioridade penal, criando espaço para que a barbárie-mirim tenha salvo-conduto. Ou seja, de uma maneira tortuosa defendem bandidos e torturadores.

Segurança é uma aspiração básica do ser humano, como já postulou Maslow. Violar o estado de segurança significa afrontar um direito elementar da população e um dever primo do governo. Molon, Jean Wyllys, Chico e outros pseudo-intelectuais são lenientes com os marginais que estupram um direito básico das pessoas de bem. E ainda se proclamam "defensores dos direitos humanos". É lamentável.

(Parênteses: Resta absolutamente inaceitável que Marcelo Freixo integre a comissão de direitos humanos da Alerj, pois ele faz parte da trupe que defende as “vítimas da sociedade”).

Décadas de legislação frouxa e penas brandas, principalmente para “menores”, aliadas ao desastre econômico do país, nos levam a uma situação de segurança urbana caótica. Força militar em São Luís, estupro coletivo no Rio... Onde vamos chegar?

Não é possível combater bárbaros com pombos da paz. É imperativo que a sociedade se aglutine para reclamar o dever básico do Estado de prover segurança e ordem. Para isso é necessário um arcabouço legal poderoso, com redução da maioridade penal, tolerância zero a pequenos delitos e uma discussão sobre pena de morte para crimes hediondos – sem ideologias partidárias e sem tabus. Não há espaço para discurso “paz e amor” enquanto vidas e famílias são destruídas. Se a CPMF é necessária transitoriamente para atravessarmos o vale, talvez a pena de morte para certos crimes também seja?

Esses estupradores são piores do que os torturadores militares. Não cumpriam ordens, agiam por total livre arbítrio. Sabiam exatamente o que faziam e se gabaram disso nas redes sociais. Se a sociedade sacrifica animais domésticos com distúrbios mentais – sabendo que os coitados não têm consciência do perigo que representam – por que preservar torturadores selvagens que mutilam vidas enquanto gozam de suas faculdades mentais? Bárbaros desta estirpe têm que ser eliminados do convívio social logo na primeira demonstração do que são capazes – não importa a idade. Cabe ao Legislativo, em conjunto com a sociedade, discutir a melhor maneira de fazê-lo. Mas temos que fazê-lo o quanto antes, ou então todos teremos as mãos manchadas de sangue inocente.


Tomara que a jovem e sua família encontrem abrigo no Chile ou em algum outro país sério, onde poderão viver uma vida digna e segura, e onde a sensação de civilidade lhes permita enterrar o passado a 700 metros de profundidade.



Comments

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de curt…

Grapiche

A determinação do prefeito de São Paulo, João Dória, em estabelecer uma sensação de ordem é louvável. A política “no broken window” de Rudolph Giuliani foi uma das alavancas para a transformação de NY em uma cidade segura. No caso de São Paulo, o primeiro alvo foi repintar os muros pichados e grafitados em locais onde tal prática não estava autorizada. Nada mau, certo?
Errado. Começa o mimimi. “Grafite é arte”, “pichação é uma maneira democrática de o povo se manifestar”, e por aí vai. Sério mesmo que a ordem pública (condição necessária mas não suficiente para progresso) tem que se sujeitar a essa discussão? Parece que sim, infelizmente.
O brasileiro paga muito caro por obras públicas, que acabam custando o triplo do que deveriam e demorando o quíntuplo do prazo estimado. E o povo reclama disso, com razão, vai às ruas protestar, grita, faz abaixo assinado. Qual é, então, o sentido de um sujeito pichar uma obra pública? Está ferindo o patrimônio público tal qual o político que desvia di…