Skip to main content

We don’t need another Hiroo

As linhas cantadas pelo vozeirão de Tina Turner na trilha sonora de Mad Max são inesquecíveis:

Out of the ruins
Out from the wreckage
Can’t make the same mistake this time 
(…)
We don’t need another hero
(…)

Parecem ter sido escritas sob medida para o Brasil de hoje, um país saindo dos escombros da era PT e sem margem para cometer qualquer erro (que dirá os mesmos erros de antes). Enfim, não precisamos de outro herói. Não queremos um salvador-da-pátria, e sim um estado sério, eficiente e barato.

All we want is life beyond the Thunderdome.  

No filme, o Thunderdome era uma arena que sediava lutas armadas. Assim como na canção: sim, queremos viver além do Thunderdome. Queremos um Brasil sem “nós-contra-eles”, sem lutas sociais por pura ideologia, sem maniqueísmos - enfim, um país pacífico sob o império da lei para todos.

**

Também não precisamos de um novo Hiroo.

Hiroo Onoda foi o último (ou um dos últimos, segundo algumas fontes) soldado japonês a se render na Segunda Guerra Mundial, aceitando a derrota cerca de 30 anos depois do término do conflito.

Hiroo ficou emboscado em uma ilha filipina e não depôs suas armas mesmo depois de ter notícias de que a guerra havia terminado e que o exército japonês havia se rendido. Hiroo não aceitava entregar-se, julgava necessário cumprir as ordens recebidas de seu superior até ser propriamente dispensado deste dever.

Por anos, viveu isolado, alimentando-se primordialmente de frutas. Ocasionalmente recorria a técnicas de guerrilha para conter a polícia local. Durante sua resistência, matou alguns filipinos.

Quando Hiroo finalmente rendeu-se, foi recebido com honrarias no Japão. Mas, decepcionado com a modernização do país, imigrou para – que dúvida...  – o Brasil.

**

As ocupações de escolas em curso no Brasil são exatamente o Hiroo de que o país não precisa. São peões que tentam demarcar território numa guerra perdida. A esquerda perdeu nas urnas em 2016 de forma acachapante, saiu derrotada, humilhada e, possivelmente, moribunda.

Mas a massa de manobra, os “estudantes”, são o Mad Max moderno. Abarrotados e buscando fazer justiça por conta própria, tal qual o personagem. E, assim como Hiroo, matando inocentes durante o processo se for necessário.

Os ocupantes têm como principal bandeira o protesto ao “golpe” de Temer, às eventuais mudanças no ensino médio e à PEC 241. Mas, como amplamente veiculado em vídeos na internet, nem sabem articular de forma minimamente decente o que reza a PEC 241. Apenas cumprem as ordens de “professores” e facções políticas, seus "superiores" – igualzinho a Hiroo, que fazia questão de obedecer ao seu comandante, embora não houvesse mais qualquer propósito em fazê-lo...

Hiroo, ao menos, tinha motivo: seguia cegamente a cadeia militar de comando. Mad Max teve sua família assassinada pelos bandidos. Já os ocupantes, felizes matriculados em um sistema de educação pública deficitário em número de vagas, não têm motivo aceitável para protestar com a desproporção observada. No processo de ocupação, ainda impedem os outros jovens de seguirem adiante com suas vidas letivas, entendendo que seu “direito” é superior ao de outrem. Diferentemente de Hiroo, não terão honras em sua rendição – no máximo uma candidatura pelo PSOL daqui a alguns anos.

We don’t need another hero. Lula já nos mostrou que heróis não funcionam. We don’t need another Hiroo. Precisamos de ordem e progresso.


Comments

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de curt…

Grapiche

A determinação do prefeito de São Paulo, João Dória, em estabelecer uma sensação de ordem é louvável. A política “no broken window” de Rudolph Giuliani foi uma das alavancas para a transformação de NY em uma cidade segura. No caso de São Paulo, o primeiro alvo foi repintar os muros pichados e grafitados em locais onde tal prática não estava autorizada. Nada mau, certo?
Errado. Começa o mimimi. “Grafite é arte”, “pichação é uma maneira democrática de o povo se manifestar”, e por aí vai. Sério mesmo que a ordem pública (condição necessária mas não suficiente para progresso) tem que se sujeitar a essa discussão? Parece que sim, infelizmente.
O brasileiro paga muito caro por obras públicas, que acabam custando o triplo do que deveriam e demorando o quíntuplo do prazo estimado. E o povo reclama disso, com razão, vai às ruas protestar, grita, faz abaixo assinado. Qual é, então, o sentido de um sujeito pichar uma obra pública? Está ferindo o patrimônio público tal qual o político que desvia di…