Skip to main content

We don’t need another Hiroo

As linhas cantadas pelo vozeirão de Tina Turner na trilha sonora de Mad Max são inesquecíveis:

Out of the ruins
Out from the wreckage
Can’t make the same mistake this time 
(…)
We don’t need another hero
(…)

Parecem ter sido escritas sob medida para o Brasil de hoje, um país saindo dos escombros da era PT e sem margem para cometer qualquer erro (que dirá os mesmos erros de antes). Enfim, não precisamos de outro herói. Não queremos um salvador-da-pátria, e sim um estado sério, eficiente e barato.

All we want is life beyond the Thunderdome.  

No filme, o Thunderdome era uma arena que sediava lutas armadas. Assim como na canção: sim, queremos viver além do Thunderdome. Queremos um Brasil sem “nós-contra-eles”, sem lutas sociais por pura ideologia, sem maniqueísmos - enfim, um país pacífico sob o império da lei para todos.

**

Também não precisamos de um novo Hiroo.

Hiroo Onoda foi o último (ou um dos últimos, segundo algumas fontes) soldado japonês a se render na Segunda Guerra Mundial, aceitando a derrota cerca de 30 anos depois do término do conflito.

Hiroo ficou emboscado em uma ilha filipina e não depôs suas armas mesmo depois de ter notícias de que a guerra havia terminado e que o exército japonês havia se rendido. Hiroo não aceitava entregar-se, julgava necessário cumprir as ordens recebidas de seu superior até ser propriamente dispensado deste dever.

Por anos, viveu isolado, alimentando-se primordialmente de frutas. Ocasionalmente recorria a técnicas de guerrilha para conter a polícia local. Durante sua resistência, matou alguns filipinos.

Quando Hiroo finalmente rendeu-se, foi recebido com honrarias no Japão. Mas, decepcionado com a modernização do país, imigrou para – que dúvida...  – o Brasil.

**

As ocupações de escolas em curso no Brasil são exatamente o Hiroo de que o país não precisa. São peões que tentam demarcar território numa guerra perdida. A esquerda perdeu nas urnas em 2016 de forma acachapante, saiu derrotada, humilhada e, possivelmente, moribunda.

Mas a massa de manobra, os “estudantes”, são o Mad Max moderno. Abarrotados e buscando fazer justiça por conta própria, tal qual o personagem. E, assim como Hiroo, matando inocentes durante o processo se for necessário.

Os ocupantes têm como principal bandeira o protesto ao “golpe” de Temer, às eventuais mudanças no ensino médio e à PEC 241. Mas, como amplamente veiculado em vídeos na internet, nem sabem articular de forma minimamente decente o que reza a PEC 241. Apenas cumprem as ordens de “professores” e facções políticas, seus "superiores" – igualzinho a Hiroo, que fazia questão de obedecer ao seu comandante, embora não houvesse mais qualquer propósito em fazê-lo...

Hiroo, ao menos, tinha motivo: seguia cegamente a cadeia militar de comando. Mad Max teve sua família assassinada pelos bandidos. Já os ocupantes, felizes matriculados em um sistema de educação pública deficitário em número de vagas, não têm motivo aceitável para protestar com a desproporção observada. No processo de ocupação, ainda impedem os outros jovens de seguirem adiante com suas vidas letivas, entendendo que seu “direito” é superior ao de outrem. Diferentemente de Hiroo, não terão honras em sua rendição – no máximo uma candidatura pelo PSOL daqui a alguns anos.

We don’t need another hero. Lula já nos mostrou que heróis não funcionam. We don’t need another Hiroo. Precisamos de ordem e progresso.


Comments

Popular posts from this blog

O candidato antifrágil

O autor Nassim Taleb cunhou o termo antifrágil para descrever mecanismos ou sistemas que se tornam mais robustos quando expostos a intempéries. Normalmente, encontra-se a antifragilidade em populações, ao passo que o indivíduo é – em geral – frágil.
Restringindo a análise ao campo político e aos últimos 6 meses, Jair Bolsonaro talvez seja um dos poucos indivíduos antifrágeis já observados. Quanto mais é agredido – seja por adversários ou pelos “jornalistas” – mais cresce nas pesquisas.
Há 6 meses, todos os analistas políticos diziam que Bolsonaro não estaria no 2º turno. Ponderavam que sem partido forte, sem aliados, sem coligação e sem tempo de TV, seria apenas um modismo. Erraram: hoje a questão é quem estará no 2º turno com ele. Ou, mesmo, se haverá um 2º turno.
Ninguém pode afirmar que entende a dinâmica que está acontecendo, mas este artigo tenta formular uma hipótese.
**
Jair Bolsonaro estabeleceu-se como a alternativa anti-establishment. Não importa se já está em seu sétimo mandato …

Fogo vermelho

“Um povo que não conhece a sua história está condenado a repeti-la” (Edmund Burke)
O museu mais visitado do Brasil é o Museu do Amanhã no Rio de Janeiro. Trata-se de um prédio com arquitetura arrojada – embora de gosto discutível – e sem acervo algum.
Apesar do conteúdo praticamente inexistente, hordas de jovens “culturamente engajados” visitam o “museu” para tirar uma boa dose de selfies e postá-las nas redes sociais. São quase um milhão e meio de visitantes por ano, contra cerca de 500 mil do MASP, para desgosto de Cândido Portinari e Anita Malfatti.
Com esse retrospecto, não era de se esperar que a juventude brasileira capturasse a magnitude da tragédia que foi o incêndio do Museu Nacional e a destruição de muitas de suas preciosas peças e coleções. Ainda assim, mesmo munindo-se das piores expectativas, não houve como não se surpreender pela baixeza com que autoridades e populares se comportaram.
**
Diante do luto de historiadores, museólogos e brasileiros em geral, viu-se um lamentável…

Primeiros erros?

“Se um dia eu pudesse ver, meu passado inteiro... Eu faria parar de chover, nos primeiros erros” (Capital Inicial e Kiko Zambianchi)
Mal o novo governo tomou posse e a imprensa já abriu suas baterias. Jornalistas paus-mandados ou a serviço de uma desbotada ideologia, ou simplesmente canalhas, perderam o tênue compromisso com a verdade que ainda tinham. Pululam nos veículos de mídia matérias tendenciosas, levianas e vergonhosas.
É incrível a quantidade de “balanços” ou “retrospectivas” dos 10 (dez!) primeiros dias (dias!) de governo. Pergunta: levam em conta o fim-de-semana como dia útil?
Manchetes como “General Mourão terá 65 assessores” encabeçam, na verdade, um relato sobre o corte de aproximadamente 50% no número de assessores que o vice-presidente já empreendeu logo de início e que resultou em 65 assessores ao final. Almejava um corte maior, mas a lei não permitiu. Contudo, o jornalista quer criar a falsa impressão de gastança para o leitor desavisado. Há centenas de “furos” de r…