Skip to main content

Grapiche

A determinação do prefeito de São Paulo, João Dória, em estabelecer uma sensação de ordem é louvável. A política “no broken window” de Rudolph Giuliani foi uma das alavancas para a transformação de NY em uma cidade segura. No caso de São Paulo, o primeiro alvo foi repintar os muros pichados e grafitados em locais onde tal prática não estava autorizada. Nada mau, certo?

Errado. Começa o mimimi. “Grafite é arte”, “pichação é uma maneira democrática de o povo se manifestar”, e por aí vai. Sério mesmo que a ordem pública (condição necessária mas não suficiente para progresso) tem que se sujeitar a essa discussão? Parece que sim, infelizmente.

O brasileiro paga muito caro por obras públicas, que acabam custando o triplo do que deveriam e demorando o quíntuplo do prazo estimado. E o povo reclama disso, com razão, vai às ruas protestar, grita, faz abaixo assinado. Qual é, então, o sentido de um sujeito pichar uma obra pública? Está ferindo o patrimônio público tal qual o político que desvia dinheiro. Qual o sentido deste vandalismo ser defendido pelos mesmos que reclamam do déficit de infraestrutura e da corrupção? Veja o leitor que mesmo obras mais recentes, como a ponte estaiada em São Paulo, a duplicação do Joá no Rio de Janeiro já se encontram pichadas, vandalizadas. Reclamar da corrupção em obras públicas e defender o piche ou grafite é a mais grosseira incongruência (ou seria relativização de virtudes?).

O debate sobre se grafite e piche são diferentes é um apêndice dantesco da polêmica em questão. Pura cortina de fumaça. A questão envolve julgamento individual, análogo a considerar Miró, Mondrian ou Pollock como arte (ou não). Ou, descendo o nível, discutir se a peça “Macaquinhos” é uma obra-prima ou um lixo. Maria pode gostar de Van Gogh mas achar Rothko um engodo. José pode pensar justamente o contrário. E outros podem apreciar ambos os artistas. O fato é que o trabalho de Van Gogh, Rothke, Miró, Mondrian e Pollock está exposto em museus, locais apropriados para tal e cuja visitação é voluntária, vai quem quiser. Mesmo “Macaquinhos”, sendo apresentado no teatro, está em seu habitat natural e legalizado, vai assistir quem desejar. Aqueles que consideram grafite como arte deveriam apreciar o fato de que há lugares apropriados para exposição, como é o caso em qualquer esfera artística. Se arte é livre e deve ser expressada em qualquer lugar, segue que encenar “Macaquinhos” numa escola infantil é absolutamente apropriado.

Neste Brasil onde tanto se discutem as minorias, há formas de expressão que alguns consideram arte e que não têm o mesmo “acolhimento” do grafite. Pornografia é arte? Há quem pense que sim e esta opinião deve ser respeitada (o oposto seria reacionário, certo?). Pelo mesmo raciocínio do grafite – qual seja, arte não tem lugar nem hora – seria absolutamente normal e republicano um diretor filmar uma cena pornográfica num convento ou num parquinho infantil.

Tatuagem é outro exemplo – por que os menores de idade não podem se tatuar sem autorização dos pais? Estamos tolhindo a liberdade artística? Se tatuagem é arte e arte não deve ter limites, uma tatuadora pode expressar seu talento na pele de seu filho de 8 anos? Claro que não. É necessário consentimento, que só pode ser dado quando o indivíduo tiver certa maturidade. É o mesmo que o grafite – há que se ter consentimento do poder público para grafitar um muro, senão é bagunça, anarquia. Nem é preciso ir muito longe e falar de pornografia ou tatuagem para provar este ponto: que tal um cineasta premiado fechar a Avenida Paulista um dia inteiro – sem autorização da prefeitura – para filmar cenas de seu novo filme? É arte, gente! Virem-se para ir e vir!

Em relação ao piche ou grafite em propriedade privada, não há nem o que se discutir. Os defensores desta barbaridade gostariam de acordar e ver que seu lindo carro cor prata, que já está vendido e será entregue na semana seguinte, foi grafitado com flores e pássaros durante a noite? Então por que é legítimo depredar o patrimônio imobiliário de outrém?

Ordem primeiro, e tomara que a moda pegue pelo Brasil. Progresso, depois.


Comments

  1. É isso mesmo Mariano! Tem que botar ordem!!! Torço para que ele siga firme com as ações e que não seja apenas Marketing de curto prazo!
    Pena que o RJ não tem um Dória...

    ReplyDelete
  2. É isso mesmo Mariano! Tem que botar ordem!!! Torço para que ele siga firme com as ações e que não seja apenas Marketing de curto prazo!
    Pena que o RJ não tem um Dória...

    ReplyDelete

Post a Comment

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de curt…