Skip to main content

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).

Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?

Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.



Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aquele que gasta mais do que arrecada vai bater no muro alguma hora. Mas nossos atores e cantores não se furtam a sustentar que a reforma da previdência é maligna. Os backing vocals desta cansada interpretação ficam a cargo de Chico Alencar, Molon e afins, cuja cara de pau é merecedora de Oscar: “Não mexam nos meus direitos”, costuma dizer o cartaz que carregam para o Congresso. Nobres deputados, é justamente nos vossos direitos (leia-se: regalias) que temos que mexer!

Mas, certamente, o pior desempenho desta trupe foi em História. Não entenderam nada. “O Capital” virou jornal velho 10 anos após sua publicação, pois a Revolução Industrial melhorou a vida das famílias. Os ídolos da esquerda – Chávez, Guevara, Fidel, Pol Pot, Lênin, Mao Tsé-Tung –  foram, na verdade, impiedosos assassinos contrários a qualquer forma de democracia. Berlim foi reunificada pela falência do modelo socialista, que – com trocadilho, e como previra a criança de seis anos – bateu no muro.

Nossos pensadores também não aprenderam quem foram Mussolini, Hitler e outros tantos. Não conseguem ver que as ideias que hoje defendem deixariam Il Duce orgulhoso e – pior – saem por aí bradando “fascista!” a qualquer um que se oponha à pauta dos partidos de esquerda. Devem ter perdido a aula onde o professor explanou que o Nazismo era uma filosofia socialista que denunciava o individualismo e o materialismo, enaltecendo o estado como grande protagonista. Partido Nacional Socialista, National Sozialist, Nazi. Captaram agora? So-ci-a-lis-ta.

Será que estavam à toa na vida este tempo todo?

Há muito já passou da hora de mídia e público entenderem que não basta tocar bem um instrumento, compor uma boa canção, subir num palco ou interpretar um traficante em série da Netflix para se qualificar como intelectual. Parafraseando Dilma Rousseff – que não canta, não compõe e não atua, mas já pegou em armas clandestinamente e, portanto, é intelectual qualificada – é “estarrecedor” que se aceite que qualquer artista possa ter uma opinião valiosa sobre qualquer assunto concernente à sociedade. Ressalva: fazendo justiça a Dilma, ninguém profere discursos tão memoráveis quanto os seus – é, de fato, uma artista.

Ser cantor não qualifica o sujeito a opinar sobre maioridade penal com mais propriedade que um engenheiro, um marceneiro ou um veterinário. Não é mesmo, Chico? Ser atriz não dá à cidadã a virtude da clarividência sobre relações trabalhistas ou tributação. A pessoa que se empenha no estudo de técnicas de interpretação ou impostação vocal certamente não se especializa em cálculo atuarial (dica para os intelectuais: aqui, fala-se de previdência, ok?).

Portanto, intelectuais: se não têm nada de útil a dizer, calem-se. O povo de bem do Brasil já cansou de vinho tinto. 



Comments

Popular posts from this blog

O candidato antifrágil

O autor Nassim Taleb cunhou o termo antifrágil para descrever mecanismos ou sistemas que se tornam mais robustos quando expostos a intempéries. Normalmente, encontra-se a antifragilidade em populações, ao passo que o indivíduo é – em geral – frágil.
Restringindo a análise ao campo político e aos últimos 6 meses, Jair Bolsonaro talvez seja um dos poucos indivíduos antifrágeis já observados. Quanto mais é agredido – seja por adversários ou pelos “jornalistas” – mais cresce nas pesquisas.
Há 6 meses, todos os analistas políticos diziam que Bolsonaro não estaria no 2º turno. Ponderavam que sem partido forte, sem aliados, sem coligação e sem tempo de TV, seria apenas um modismo. Erraram: hoje a questão é quem estará no 2º turno com ele. Ou, mesmo, se haverá um 2º turno.
Ninguém pode afirmar que entende a dinâmica que está acontecendo, mas este artigo tenta formular uma hipótese.
**
Jair Bolsonaro estabeleceu-se como a alternativa anti-establishment. Não importa se já está em seu sétimo mandato …

Fogo vermelho

“Um povo que não conhece a sua história está condenado a repeti-la” (Edmund Burke)
O museu mais visitado do Brasil é o Museu do Amanhã no Rio de Janeiro. Trata-se de um prédio com arquitetura arrojada – embora de gosto discutível – e sem acervo algum.
Apesar do conteúdo praticamente inexistente, hordas de jovens “culturamente engajados” visitam o “museu” para tirar uma boa dose de selfies e postá-las nas redes sociais. São quase um milhão e meio de visitantes por ano, contra cerca de 500 mil do MASP, para desgosto de Cândido Portinari e Anita Malfatti.
Com esse retrospecto, não era de se esperar que a juventude brasileira capturasse a magnitude da tragédia que foi o incêndio do Museu Nacional e a destruição de muitas de suas preciosas peças e coleções. Ainda assim, mesmo munindo-se das piores expectativas, não houve como não se surpreender pela baixeza com que autoridades e populares se comportaram.
**
Diante do luto de historiadores, museólogos e brasileiros em geral, viu-se um lamentável…

PSOL ou não sou?

Em seu seu mais recente livro, Skin In The Game, o autor Nassim Taleb declara imoral a atitude de se ter uma postura na vida privada distinta daquela que se preconiza na vida pública. Nas palavras de Taleb “It is immoral to claim virtue without fully living with its direct consequences”. E, em outro trecho: “If your private life conflicts with your intellectual opinion, it cancels your intellectual ideas, not your private life”.
Dito de forma mais simples e com exemplos mundanos, que confiança o leitor teria em um vendedor da Apple Store que só usasse produtos Samsung na sua vida privada? Ou de comprar uma BMW aconselhado por um vendedor que dirigisse uma Mercedes?
É difícil discordar de que seriam situações esdrúxulas e que explicitariam total falta de comprometimento do agente com seu discurso público.
**
Munido de situações onde há desalinhamentos patentes, Taleb abre as baterias contra figuras como Hillary Clinton e outras. É uma pena que ele não conheça o PSOL...
O que dizer de um par…