Skip to main content

Jason vive

(Este artigo foi escrito à época das demonstrações "pró-Dilma" ocorridas em 13 de março de 2015, também uma "sexta-feira 13". Na ocasião, não foi publicado. Aproveito o ensejo desta "sexta-feira 13" para postar o texto. Uma pena que as manifestações "pró-decência" tenham perdido força no ínterim e que Jason Inácio ensaie mais uma ressurreição.)


Sexta-feira 13 recheada de manifestações pró-Dilma: a bandeira reciclada e cansada do PT combina muito bem com a data. Afinal, “Sexta-feira 13” é, também, a série de filmes mais contrangedora que já foi produzida. Não só pelas infindáveis sequências, mas também pelas maneiras inverossímeis e fantasiosas pelas quais Jason ressuscita. Parece o PT.

Durante a campanha eleitoral de 2014, o PT culpou a “crise internacional” pela piora da economia. Seria aquela crise já distante de 2008-09, da qual os Estados Unidos saíram fortalecidos e com economia hoje pujante? A tal “crise” é como o Jason que nunca morre: quando as coisas vão mal, a “crise” está sempre lá, vivinha, servindo bem ao discurso do PT, que não tem competência para produzir um filme melhor para os brasileiros.

Nos atos pró-Dilma da sexta-feira 13, pediu-se reforma política. Segundo o enredo da atual sequência 38 (ou seria 39, tal qual o número de ministérios?), a corrupção só pode ser eliminada se houver reforma política. Ou seja, só existe corrupção pois o meio é permissivo. Os mensaleiros e petroleiros não cometeriam “malfeitos” se o sistema político fosse adequado. Alguém lembra do primeiro filme Sexta-feira 13 e do porquê de Jason ter virado um assassino? As 38, 39, 40 continuações sangrentas da saga ocorreram porque o coitadinho não estava inserido num contexto adequado.

O Jason do filme usa uma máscara furadinha ridícula e carrega um facão ensanguentado. Só falta o boné do MST para integrar o exército do Stédile. Seria do alto escalão.

O eleitor do PT tapa o sol com a peneira. Podia usar a máscara do Jason e seus furinhos. Acredita em salvador da pátria, em fada-dos-dentes, em coelhinho da Páscoa, todos eles disfarces de Jason. Não quis enxergar que estava sendo conduzido a um estelionato eleitoral em 2014. Afinal, Dilma prometeu que não subiria juros, que a inflação estava sob controle e que o Brasil ia crescer.

O políticos lulopetistas também usam máscara – escondem-se em qualquer desculpa conveniente, dizem que impeachment é golpismo (não era no Fora Collor), aliam-se com quem interessa ao plano de poder. Dilma iludiu a população com essa máscara nas eleições de 2014, mas em poucos meses ela já caiu. É então que o PT exibe suas armas – as ameaças, o facão ensanguentado. E busca uma nova maneira inventiva de ressuscitar.

O partido tão fiel aos seus ideais – “vamos calotar a dívida externa”, “vamos acabar com o lucro dos bancos”, e outros brados retumbantes – mostrou-se um Jason imortal nestes cruéis 12 anos de governo. A cada escândalo ou “malfeito” ressurge como “partido da ética”, “partido que investiga”, ”partido progressista” – é o “nunca antes na história”. Funcionou em todas as sequências do filme nos últimos 12, quase 13 (número maldito) anos.


Nos patéticos filmes de Jason, a mocinha sempre tem a brilhante ideia de tomar um banho tranquilo à noite em uma casa abandonada, apesar de vários amigos já terem sido vitimados pelo assassino impiedoso nas imediações. O eleitor brasileiro foi a mocinha do filme que passou em 2014. E, se persistir alheio ao banho de sangue que os Jasonpetistas estão promovendo nas nossas empresas estatais, na nossa infraestrutura e na nossa credibilidade, a série de filmes pode finalmente acabar: não sobrará nada! No ritmo atual, pode acabar antes de 2018.


Comments

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de curt…

Grapiche

A determinação do prefeito de São Paulo, João Dória, em estabelecer uma sensação de ordem é louvável. A política “no broken window” de Rudolph Giuliani foi uma das alavancas para a transformação de NY em uma cidade segura. No caso de São Paulo, o primeiro alvo foi repintar os muros pichados e grafitados em locais onde tal prática não estava autorizada. Nada mau, certo?
Errado. Começa o mimimi. “Grafite é arte”, “pichação é uma maneira democrática de o povo se manifestar”, e por aí vai. Sério mesmo que a ordem pública (condição necessária mas não suficiente para progresso) tem que se sujeitar a essa discussão? Parece que sim, infelizmente.
O brasileiro paga muito caro por obras públicas, que acabam custando o triplo do que deveriam e demorando o quíntuplo do prazo estimado. E o povo reclama disso, com razão, vai às ruas protestar, grita, faz abaixo assinado. Qual é, então, o sentido de um sujeito pichar uma obra pública? Está ferindo o patrimônio público tal qual o político que desvia di…