Skip to main content

O Pavilhão do Atraso

(Inspirado na brilhante ideia do meu amigo Andre Zaru)

O Museu do Amanhã foi recentemente inaugurado no Rio de Janeiro. Apropriado, não? País do futuro, Museu do Amanhã. É um futuro que nunca chegou e, do jeito que vai, nunca chegará. Se o museu fizer jus ao nome, o acervo será riquíssimo: inflação, desemprego, insegurança social, impostos. Tudo isso faz parte do nosso avenir.

Mas, para crianças e jovens, é importante estudar a História, para que entendam como pudemos chegar a este ponto. Portanto, parte do espaço no entorno do Museu do Amanhã poderia ser usado para abrigar o “Pavilhão do Atraso”, museu dedicado a ajudar as novas gerações a entender o porquê de o Brasil ser tão pobre socialmente, institucionalmente, tecnologicamente e, cada vez mais, economicamente.

Para acessar o Pavilhão do Atraso, o visitante teria que comprar seu ingresso na hora, pois não haveria venda pela internet. Ele entraria numa fila para pegar uma senha que lhe desse acesso à bilheteria. O pagamento seria somente em dinheiro, sendo que não seria garantido troco para notas acima de R$ 20. Cidadãos cariocas teriam direito a desconto na entrada, mediante a apresentação de cinco diferentes comprovantes de residência e últimos três carnês do IPTU (no caso de residir na cidade há menos tempo, seria necessário dirigir-se à Prefeitura para validar o desconto). Obviamente que os caixas vão conferir todas as cédulas e moedas para evitar falsificações, afinal todo mundo quer levar vantagem em tudo, não é mesmo?

Ao adentrar o Pavilhão do Atraso, o visitante estaria no Grande Hall dos Impostos, imponente sala recheada com bustos das siglas dos nossos noventa e tantos impostos, contribuições e taxas. Tudo em granito escuro, representando a transparência que o cidadão tem sobre o uso destes recursos. O observador atento notaria espaços vazios no Grande Hall, pois nossos legisladores certamente criarão novos impostos (para financiar a agenda progressista) e estes teriam seus bustos prontamente adicionados à coleção.

Em seguida, haveria uma sala intitulada “Cartórios: das Capitanias aos tempos atuais”, expondo a evolução desta tecnologia luso-brasileira. O acervo contaria com painéis mostrando a evolução dos selos cartorários ao longo dos séculos, dentre outros ítens de memorabilia.

Outras salas de destaque seriam a imponente “Caos na saúde pública: Peste bubônica, dengue, zika”, a surpreendente “Engarrafamentos e alagamentos urbanos através dos tempos – um registro multimídia” e a importante “Profissões tipicamente brasileiras: frentista, ascensorista, cobrador de ônibus, flanelinha e outras relíquias”. Sem esquecer de “Nossas conquistas trabalhistas”, com inestimáveis rascunhos e manuscritos que contribuíram para a gloriosa CLT. Em todas as salas, o visitante seria brindado com o que há de melhor na tecnologia nacional de improdutividade, culminando com “A grande sala dos carimbos”.

Contudo, a principal atração do Pavilhão do Atraso seria sua ala interativa, onde adultos e crianças poderiam colocar em prática diversos conceitos explorados na parte expositiva da visita. Haveria longas filas para cada sala (e não seria possível reservar horários com antecedência), mas com certeza a espera valeria a pena. Uma observação importante: para obter acesso à ala interativa, seria necessário conservar o canhoto do ingresso e depois carimbá-lo com a data de uso, serviço este disponível no guichê próximo aos banheiros. Isso evitaria que os espertos burlassem o sistema e reutilizassem ingressos. Tudo muito pensado e dimensionado.

A primeira atração interativa seria o “Fiorama”, uma cidade em miniatura onde todo o cabeamento elétrico é aéreo, reminiscência do século XIX. Os visitantes teriam as tarefas de substituir transformadores queimados, podar árvores que possam causar rompimento dos cabos e restaurar postes mal conservados com risco de cair. Será necessário um número elevado de participantes para que a cidade funcione bem, mas poucos times conseguirão concluir a atividade sem quedas de energia. Um realismo incrível.

Depois, haveria o concorridíssimo “Correio de Curitiba”. Nesta atividade, os participantes simulariam uma unidade postal onde chegam várias importações. O objetivo de cada equipe é demorar o maior tempo possível para liberar os pacotes e maximizar a taxação, com pontuação extra para extravio de mercadorias e taxação indevida.

Uma etapa importante seria a “Terra brasilis”, onde os visitantes aprenderiam sobre extrativismo, esta nossa brilhante atividade-mãe. Haveria um rio artificial para a prática do garimpo de pepitas de ouro, uma mini mina de minério de ferro para exploração, e uma mini fazenda para a colheita de café, cacau e outros produtos. Afinal, somos um país rico, nossa terra nos dá tudo.

O ápice da visita seria a “Viagem ao centro da lama”, onde diversos participantes competiriam por uma vaga no Congresso Nacional, numa emocionante simulação eleitoral. Cada candidato escolhe sua estratégia: filiar-se a uma legenda-de-um-nome-só para ser eleito de carona, aliciar diretores de estatais para financiar sua campanha prometendo favores se eleito, candidatar-se por estados onde nunca esteve, dentre outras. Estratégia e adrenalina puras.

E, para desanuviar o sistema nervoso, o tour seria encerrado no salão “Ela disse, Ele disse”. Neste suntuoso espaço multimídia, através de monitores CRT de última geração, os visitantes poderiam apreciar diversos discursos, entrevistas e declarações das autoridades brasileiras através dos tempos. Haveria muito material antigo, mas os tempos atuais estariam bem representados com “estocar vento”, “atrás da criança sempre tem um ser, que é um cachorro”, "a mosquita" e, claro, várias versões do “não sei de nada”.

Ao final do passeio, haveria uma área com redes e coqueiros para aqueles que desejem descansar, além de telões mostrando jogos de futebol. Tudo ao som de sambas-enredo e marchinhas de carnaval e com um pãozinho de cortesia para acompanhar. 

Será que este projeto qualifica para a Lei Rouanet?



Comments

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de curt…

Grapiche

A determinação do prefeito de São Paulo, João Dória, em estabelecer uma sensação de ordem é louvável. A política “no broken window” de Rudolph Giuliani foi uma das alavancas para a transformação de NY em uma cidade segura. No caso de São Paulo, o primeiro alvo foi repintar os muros pichados e grafitados em locais onde tal prática não estava autorizada. Nada mau, certo?
Errado. Começa o mimimi. “Grafite é arte”, “pichação é uma maneira democrática de o povo se manifestar”, e por aí vai. Sério mesmo que a ordem pública (condição necessária mas não suficiente para progresso) tem que se sujeitar a essa discussão? Parece que sim, infelizmente.
O brasileiro paga muito caro por obras públicas, que acabam custando o triplo do que deveriam e demorando o quíntuplo do prazo estimado. E o povo reclama disso, com razão, vai às ruas protestar, grita, faz abaixo assinado. Qual é, então, o sentido de um sujeito pichar uma obra pública? Está ferindo o patrimônio público tal qual o político que desvia di…