Skip to main content

O Pavilhão do Atraso

(Inspirado na brilhante ideia do meu amigo Andre Zaru)

O Museu do Amanhã foi recentemente inaugurado no Rio de Janeiro. Apropriado, não? País do futuro, Museu do Amanhã. É um futuro que nunca chegou e, do jeito que vai, nunca chegará. Se o museu fizer jus ao nome, o acervo será riquíssimo: inflação, desemprego, insegurança social, impostos. Tudo isso faz parte do nosso avenir.

Mas, para crianças e jovens, é importante estudar a História, para que entendam como pudemos chegar a este ponto. Portanto, parte do espaço no entorno do Museu do Amanhã poderia ser usado para abrigar o “Pavilhão do Atraso”, museu dedicado a ajudar as novas gerações a entender o porquê de o Brasil ser tão pobre socialmente, institucionalmente, tecnologicamente e, cada vez mais, economicamente.

Para acessar o Pavilhão do Atraso, o visitante teria que comprar seu ingresso na hora, pois não haveria venda pela internet. Ele entraria numa fila para pegar uma senha que lhe desse acesso à bilheteria. O pagamento seria somente em dinheiro, sendo que não seria garantido troco para notas acima de R$ 20. Cidadãos cariocas teriam direito a desconto na entrada, mediante a apresentação de cinco diferentes comprovantes de residência e últimos três carnês do IPTU (no caso de residir na cidade há menos tempo, seria necessário dirigir-se à Prefeitura para validar o desconto). Obviamente que os caixas vão conferir todas as cédulas e moedas para evitar falsificações, afinal todo mundo quer levar vantagem em tudo, não é mesmo?

Ao adentrar o Pavilhão do Atraso, o visitante estaria no Grande Hall dos Impostos, imponente sala recheada com bustos das siglas dos nossos noventa e tantos impostos, contribuições e taxas. Tudo em granito escuro, representando a transparência que o cidadão tem sobre o uso destes recursos. O observador atento notaria espaços vazios no Grande Hall, pois nossos legisladores certamente criarão novos impostos (para financiar a agenda progressista) e estes teriam seus bustos prontamente adicionados à coleção.

Em seguida, haveria uma sala intitulada “Cartórios: das Capitanias aos tempos atuais”, expondo a evolução desta tecnologia luso-brasileira. O acervo contaria com painéis mostrando a evolução dos selos cartorários ao longo dos séculos, dentre outros ítens de memorabilia.

Outras salas de destaque seriam a imponente “Caos na saúde pública: Peste bubônica, dengue, zika”, a surpreendente “Engarrafamentos e alagamentos urbanos através dos tempos – um registro multimídia” e a importante “Profissões tipicamente brasileiras: frentista, ascensorista, cobrador de ônibus, flanelinha e outras relíquias”. Sem esquecer de “Nossas conquistas trabalhistas”, com inestimáveis rascunhos e manuscritos que contribuíram para a gloriosa CLT. Em todas as salas, o visitante seria brindado com o que há de melhor na tecnologia nacional de improdutividade, culminando com “A grande sala dos carimbos”.

Contudo, a principal atração do Pavilhão do Atraso seria sua ala interativa, onde adultos e crianças poderiam colocar em prática diversos conceitos explorados na parte expositiva da visita. Haveria longas filas para cada sala (e não seria possível reservar horários com antecedência), mas com certeza a espera valeria a pena. Uma observação importante: para obter acesso à ala interativa, seria necessário conservar o canhoto do ingresso e depois carimbá-lo com a data de uso, serviço este disponível no guichê próximo aos banheiros. Isso evitaria que os espertos burlassem o sistema e reutilizassem ingressos. Tudo muito pensado e dimensionado.

A primeira atração interativa seria o “Fiorama”, uma cidade em miniatura onde todo o cabeamento elétrico é aéreo, reminiscência do século XIX. Os visitantes teriam as tarefas de substituir transformadores queimados, podar árvores que possam causar rompimento dos cabos e restaurar postes mal conservados com risco de cair. Será necessário um número elevado de participantes para que a cidade funcione bem, mas poucos times conseguirão concluir a atividade sem quedas de energia. Um realismo incrível.

Depois, haveria o concorridíssimo “Correio de Curitiba”. Nesta atividade, os participantes simulariam uma unidade postal onde chegam várias importações. O objetivo de cada equipe é demorar o maior tempo possível para liberar os pacotes e maximizar a taxação, com pontuação extra para extravio de mercadorias e taxação indevida.

Uma etapa importante seria a “Terra brasilis”, onde os visitantes aprenderiam sobre extrativismo, esta nossa brilhante atividade-mãe. Haveria um rio artificial para a prática do garimpo de pepitas de ouro, uma mini mina de minério de ferro para exploração, e uma mini fazenda para a colheita de café, cacau e outros produtos. Afinal, somos um país rico, nossa terra nos dá tudo.

O ápice da visita seria a “Viagem ao centro da lama”, onde diversos participantes competiriam por uma vaga no Congresso Nacional, numa emocionante simulação eleitoral. Cada candidato escolhe sua estratégia: filiar-se a uma legenda-de-um-nome-só para ser eleito de carona, aliciar diretores de estatais para financiar sua campanha prometendo favores se eleito, candidatar-se por estados onde nunca esteve, dentre outras. Estratégia e adrenalina puras.

E, para desanuviar o sistema nervoso, o tour seria encerrado no salão “Ela disse, Ele disse”. Neste suntuoso espaço multimídia, através de monitores CRT de última geração, os visitantes poderiam apreciar diversos discursos, entrevistas e declarações das autoridades brasileiras através dos tempos. Haveria muito material antigo, mas os tempos atuais estariam bem representados com “estocar vento”, “atrás da criança sempre tem um ser, que é um cachorro”, "a mosquita" e, claro, várias versões do “não sei de nada”.

Ao final do passeio, haveria uma área com redes e coqueiros para aqueles que desejem descansar, além de telões mostrando jogos de futebol. Tudo ao som de sambas-enredo e marchinhas de carnaval e com um pãozinho de cortesia para acompanhar. 

Será que este projeto qualifica para a Lei Rouanet?



Comments

Popular posts from this blog

O candidato antifrágil

O autor Nassim Taleb cunhou o termo antifrágil para descrever mecanismos ou sistemas que se tornam mais robustos quando expostos a intempéries. Normalmente, encontra-se a antifragilidade em populações, ao passo que o indivíduo é – em geral – frágil.
Restringindo a análise ao campo político e aos últimos 6 meses, Jair Bolsonaro talvez seja um dos poucos indivíduos antifrágeis já observados. Quanto mais é agredido – seja por adversários ou pelos “jornalistas” – mais cresce nas pesquisas.
Há 6 meses, todos os analistas políticos diziam que Bolsonaro não estaria no 2º turno. Ponderavam que sem partido forte, sem aliados, sem coligação e sem tempo de TV, seria apenas um modismo. Erraram: hoje a questão é quem estará no 2º turno com ele. Ou, mesmo, se haverá um 2º turno.
Ninguém pode afirmar que entende a dinâmica que está acontecendo, mas este artigo tenta formular uma hipótese.
**
Jair Bolsonaro estabeleceu-se como a alternativa anti-establishment. Não importa se já está em seu sétimo mandato …

Fogo vermelho

“Um povo que não conhece a sua história está condenado a repeti-la” (Edmund Burke)
O museu mais visitado do Brasil é o Museu do Amanhã no Rio de Janeiro. Trata-se de um prédio com arquitetura arrojada – embora de gosto discutível – e sem acervo algum.
Apesar do conteúdo praticamente inexistente, hordas de jovens “culturamente engajados” visitam o “museu” para tirar uma boa dose de selfies e postá-las nas redes sociais. São quase um milhão e meio de visitantes por ano, contra cerca de 500 mil do MASP, para desgosto de Cândido Portinari e Anita Malfatti.
Com esse retrospecto, não era de se esperar que a juventude brasileira capturasse a magnitude da tragédia que foi o incêndio do Museu Nacional e a destruição de muitas de suas preciosas peças e coleções. Ainda assim, mesmo munindo-se das piores expectativas, não houve como não se surpreender pela baixeza com que autoridades e populares se comportaram.
**
Diante do luto de historiadores, museólogos e brasileiros em geral, viu-se um lamentável…

PSOL ou não sou?

Em seu seu mais recente livro, Skin In The Game, o autor Nassim Taleb declara imoral a atitude de se ter uma postura na vida privada distinta daquela que se preconiza na vida pública. Nas palavras de Taleb “It is immoral to claim virtue without fully living with its direct consequences”. E, em outro trecho: “If your private life conflicts with your intellectual opinion, it cancels your intellectual ideas, not your private life”.
Dito de forma mais simples e com exemplos mundanos, que confiança o leitor teria em um vendedor da Apple Store que só usasse produtos Samsung na sua vida privada? Ou de comprar uma BMW aconselhado por um vendedor que dirigisse uma Mercedes?
É difícil discordar de que seriam situações esdrúxulas e que explicitariam total falta de comprometimento do agente com seu discurso público.
**
Munido de situações onde há desalinhamentos patentes, Taleb abre as baterias contra figuras como Hillary Clinton e outras. É uma pena que ele não conheça o PSOL...
O que dizer de um par…