Skip to main content

Achtung Baby

O professor de História entra na sala de aula, portando consigo uma cópia de Mein Kampf, atraindo olhares obtusos dos alunos.

— Bom dia, turma. Hoje nossa aula será dedicada a estudar a jornada e o legado de um grande líder do século XX. Eu gostaria de começar no longínquo ano de...

— Nazista! Nazista! Eu me recuso a ficar aqui ouvindo você falar desse monstro, interrompe uma aluna.

— Calma, pondera o professor. Eu ia apenas dizendo que ele começou a moldar sua liderança por acreditar que podia unir seu povo num governo solidário. Ocorre que...

— Solidário, professor?! – brada outro aluno. Ele criou massas de manobra, verdadeiros escravos. A solidariedade não existia. Era um socialismo de fachada onde os “amigos do rei” tinham tudo do bom e do melhor enquanto o povo passava fome.

— Veja – retruca o professor. Ele se interessou pela política em parte por encontrar exatamente um cenário de devastação econômica, com alto desemprego e nações militarmente mais fortes se beneficiando financeiramente de acordos que...

— Isso é falácia, professor. Não há desculpa para expiar um genocida deste calão.

— Isso mesmo, faz coro outro aluno. Ainda por cima, perseguiu milhões de pessoas por racismo, intolerância religiosa e homofobia. Matou outros tantos simplesmente para criar a tal solidariedade, uma pureza fabricada. Um nojo!

— Acabou com a liberdade de imprensa e de religião, oprimiu seu povo, impediu manifestações. Professor, aqueles filmes com todo mundo ouvindo seus discursos inflamados é pura propaganda. Era uma felicidade de fachada.

 — Turma, vocês talvez sejam jovens demais para perceber que ele era um visionário, um líder que queria o melhor para seu povo. Um homem cândido por dentro, tanto que...

— Cândido? O senhor só pode estar nos zoando. O cara exterminou milhões de pessoas. Fuzilou oponentes, homossexuais, jornalistas, escritores, gente trabalhadora e de bem. Quantas famílias foram desfeitas? A única esperança para os perseguidos era abandonar seus lares na tentativa de fugir com vida e buscar um recomeço em terras estrangeiras.

— Isso mesmo, professor. Concordo com o que meu colega disse e acrescento que este monstro se apropriou de bens de civis inocentes, tomando para si terras, casas, dinheiro, obras de arte, jóias, e tudo mais. Tornou-se um homem riquíssimo sob a fachada do socialismo fraterno.

— Pessoal, vocês não vêem o quanto o legado deste líder será benéfico para seu povo no futuro? – indaga o professor, já cansado do debate.

— Professor, o senhor está louco. O mundo globalizou-se e, apesar das ondas nacionalistas mais recentes, não há mais volta. Qualquer nação que se fechar pro mundo, será destruída economicamente. O quê de bom esse sujeito deixou, meu Deus?

— Galera, vamos ocupar esse barraco aqui, grita um outro lá do fundo. Temos que expulsar esses professores reacionários desta escola! Ocupação já!

Instalou-se uma gritaria na sala por alguns minutos, até que finalmente o professor conseguiu acalmar os ânimos e concluir sua aula.

— Prezados alunos, vim aqui hoje para falar sobre Fidel Castro.

Os queixos começaram a cair...

— Pelo que percebi, vocês conhecem bastante da história deste homem, pois tudo o que vocês disseram foi bastante pertinente à trajetória dele e latente em sua doutrina.

Olhares perplexos... O professor seguiu:

— Porém, uma diferença entre Hitler e Castro é que Castro jamais obteve um voto sequer. Mesmo assim, esteve no poder por quase 60 anos.

Nem um pio... E, enfim, a conclusão do mestre:

— Certa vez, Castro disse que a História se encarregaria de absolvê-lo. Vocês, nobres alunos, o julgaram aqui hoje, condenando-o a um lugar na História ao lado de Hitler. Parabéns e até a próxima semana.


(Nota do autor: Não sei se é possível relativizar assassinos. É claro que a maldade de Hitler teve alcance muito maior. De antemão, peço desculpas aos que se sentirem ofendidos pela analogia - e não comparação - explorada no texto)

Comments

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de curt…

Grapiche

A determinação do prefeito de São Paulo, João Dória, em estabelecer uma sensação de ordem é louvável. A política “no broken window” de Rudolph Giuliani foi uma das alavancas para a transformação de NY em uma cidade segura. No caso de São Paulo, o primeiro alvo foi repintar os muros pichados e grafitados em locais onde tal prática não estava autorizada. Nada mau, certo?
Errado. Começa o mimimi. “Grafite é arte”, “pichação é uma maneira democrática de o povo se manifestar”, e por aí vai. Sério mesmo que a ordem pública (condição necessária mas não suficiente para progresso) tem que se sujeitar a essa discussão? Parece que sim, infelizmente.
O brasileiro paga muito caro por obras públicas, que acabam custando o triplo do que deveriam e demorando o quíntuplo do prazo estimado. E o povo reclama disso, com razão, vai às ruas protestar, grita, faz abaixo assinado. Qual é, então, o sentido de um sujeito pichar uma obra pública? Está ferindo o patrimônio público tal qual o político que desvia di…