Skip to main content

Frágil, extremamente frágil

O que torna um sistema robusto? Como aumentar esta robustez ao longo do tempo?

O livro “Antifragile” de Nassim Taleb fecha o ciclo iniciado na sua primeira publicação “Fooled by Randomness” e seguido por “Black Swam”. Nestas obras, Taleb aborda os temas de eventos aleatórios, fenômenos não-lineares, (im)previsibilidade, dentre outros, e ajuda a responder as perguntas acima.

No volume final – “Antifragile” – Taleb mostra como pequenos choques são importantes para aumentar a robustez de qualquer sistema ou organização. É o que cunha de “antifrágil”, ou seja, algo que se torna mais resistente com o tempo. Um dos exemplos citados por Taleb, óbvio e inquestionável, é a observação da natureza – o indivíduo é frágil, mas o sistema é antifrágil: quando surge um novo vírus ou bactéria, a população exposta ao novo agente pode sofrer baixas significativas (indivíduos) mas, ao final, o sistema sobrevivente torna-se mais robusto, pois cria defesas a estes agentes.

Se não houvesse choques esporádicos, o sistema apresentaria variabilidade zero (ou seja, uma percepção de ausência de risco), mas estaria exposto a vários riscos (vírus e bactérias, mantendo o exemplo). Nesta configuração, a população tem um risco maior de ser dizimada a qualquer momento, uma vez que não acumulou defesas ao longo do tempo. Se houver a ocorrência simultânea de dois fatores de risco (exemplo: duas epidemias severas e concomitantes, um cisne negro), a chance de o sistema sobreviver é menor do que se cada epidemia acontecesse em momento diferente, embora este segundo cenário acarrete maior variabilidade de curto prazo.

Dessa forma, o passado não pode ser usado para prever o futuro, especialmente em situações onde a incidência de choques no passado foi baixa ou nula.

**

Taleb aplica este conceito para analisar diversos domínios – finanças, política, literatura e outros tantos. Em um determinado momento do livro, a leitura remete a diversos aspectos observados no Brasil, que contribuem para que nosso país seja extremamente frágil em variadas esferas, seja pela ausência de choques de curto prazo ou pela mania que temos de achar que o passado tem poder preditivo.

Tome-se, por exemplo, o funcionalismo público. A crise de vários estados afeta a expectativa de remuneração futura dos funcionários, causando protestos, revolta, polêmica. Trata-se de um sistema onde não houve choques ao longo de várias décadas, pois o funcionário tinha uma renda “garantida”, com correção anual “conhecida” e percebia risco nulo em sua remuneração. Quando o dinheiro acaba e há que se repensar o custo do funcionalismo, os indivíduos não têm defesas.

O remédio para isso é a remuneração variável, baseada em performance. Um funcionalismo mais eficiente pode ajudar a reduzir o tamanho do estado a longo prazo, bem como premiar os bons servidores com um bônus de desempenho. Num mundo onde é possível avaliar livros, filmes, restaurantes, corridas de táxi e até encontros amorosos com simples toques na tela do celular, é perfeitamente factível que o estado implemente um sistema onde o usuário avalie o servidor. Os servidores bem avaliados receberão mais ao final de um bom ano, e menos ao final de um ano de pior desempenho. Choque. Variabilidade. Resistência. Antifragilidade.

O mesmo raciocínio vale para a aposentadoria. O sistema brasileiro – “pay as you go”, ou “unfunded” – com benefício definido equivale a um trem-bala andando em direção ao muro. Uma hora vai bater. O mutuário do INSS, por sua vez, nunca percebeu risco ou variabilidade – ou seja, não está preparado para uma surpresa negativa. A maneira de corrigir o problema é criar um sistema “funded”, onde cada mutuário tem uma conta segregada, podendo escolher investir em renda fixa, ações, ou combinações, sendo que ao se aposentar, viverá da anuidade que o volume poupado (com rendimentos) lhe proporcionar. A variabilidade da carteira será visível no extrato mensal, criando uma correta percepção de risco e disciplinando o indivíduo a poupar adequadamente. O sistema torna-se antifrágil.

A certa altura, Taleb menciona que guerras e conflitos de pequena escala são benéficos e até desejáveis. O ponto é polêmico, mas a ideia é que ajudam a “passar a limpo” certas questões de tempos em tempos. O cenário oposto – um período de paz prolongado – pode trazer a ilusão da ausência de risco, sendo que as questões geopolíticas, sociais, raciais, religiosas se acumulariam e poderiam levar a uma guerra de grandes proporções. Um cisne negro.

Em tempo: os veteranos de guerra constituem um grande poder moderador na sociedade, uma vigilância às práticas do estado. Pense um pouco: o sujeito que foi para o front defender seu país, deixando para trás sua família e viu seus amigos morrerem tem uma tolerância muito baixa a eventuais práticas não-republicanas dos seus governantes. Os atentados esporádicos praticados por ex-combatentes geram percepção de risco à classe política e, portanto, robustez e possivelmente antifragilidade na organização do governo a longo prazo.

No Brasil, carecemos de veteranos de guerra e de sua força moderadora... Com o agravante de nossa capital federal estar distante das nossas metrópoles, o que causa uma ilusão de “risco zero” à classe política. Ninguém tem medo e nunca houve problema no passado. Cria-se espaço para o deboche que vemos todos os dias nos jornais.

**

O estado paternalista é frágil. A Coréia do Norte tem aparente estabilidade política e social, mas trata-se de um barril de pólvora, pois a sociedade não foi exposta a choques, muito menos os governantes. Um dia, explode.

A Venezuela é outro exemplo, esta já está explodindo. A Romênia de Ceaucescu explodiu, sendo o ditador e sua família executados poucos dias após ele fazer um discurso para milhares de pessoas em praça pública. A União Soviética bateu no muro quando o crescimento artificial exauriu-se. Há diversos exemplos na História.

O Brasil encontra-se em posição frágil em diversas questões econômicas, sociais e políticas: leis trabalhistas, seguridade social, jurisprudências – a lista é longa.  Tudo isso é fruto de um estado demasiadamente paternalista e protecionista, que pretende ser “tudo para todos”. Não funciona. Precisamos de choques, de risco, de variabilidade. Não é para sermos um “país de todos”, não funciona.

Do jeito que está, podemos até pedir música: “Frágil, extremamente frágil... Prá você, eu e todo mundo que tá junto”.


Comments

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de curt…

Grapiche

A determinação do prefeito de São Paulo, João Dória, em estabelecer uma sensação de ordem é louvável. A política “no broken window” de Rudolph Giuliani foi uma das alavancas para a transformação de NY em uma cidade segura. No caso de São Paulo, o primeiro alvo foi repintar os muros pichados e grafitados em locais onde tal prática não estava autorizada. Nada mau, certo?
Errado. Começa o mimimi. “Grafite é arte”, “pichação é uma maneira democrática de o povo se manifestar”, e por aí vai. Sério mesmo que a ordem pública (condição necessária mas não suficiente para progresso) tem que se sujeitar a essa discussão? Parece que sim, infelizmente.
O brasileiro paga muito caro por obras públicas, que acabam custando o triplo do que deveriam e demorando o quíntuplo do prazo estimado. E o povo reclama disso, com razão, vai às ruas protestar, grita, faz abaixo assinado. Qual é, então, o sentido de um sujeito pichar uma obra pública? Está ferindo o patrimônio público tal qual o político que desvia di…