Skip to main content

Alerjia

Quem dera sofrêssemos de alergia. Alergia a políticos corruptos, discursos populistas, candidaturas messiânicas. Se fosse assim, o Rio de Janeiro teria alguma esperança de – aos poucos – limpar a imundície que toma conta do poder público fluminense.

Nesse caso, poderíamos espalhar uma epidemia alérgica pelo Brasil todo, ajudando a extirpar as figuras podres que dominam a política em outros estados e cidades. Dessa forma, o país teria alguma chance de dar certo.

Mas os eleitorados fluminense e brasileiro padecem de outro mal: alerjia. É uma doença gravíssima que atrai o indivíduo para aquilo que lhe é nocivo –  é como no dito popular “mulher de malandro gosta de apanhar”. O paciente alérjico tem espamos involuntários de repúdio à sua condição, achando aquilo tudo “um nojo”, mas isso logo passa.

**

A podridão da Alerj e da cena política do Rio de Janeiro não se instalou na calada da noite. Não houve golpe de estado ou luta armada. Todos os parlamentares que lá estão entraram pela porta da frente e à luz do dia, afinal foram escolhidos pelo voto direto... e muitos deles foram agraciados com diversos mandatos ao longo das últimas décadas.

Alguém poderia protestar: – Isso é culpa da nossa jabuticaba eleitoral, pois apenas 5 dos 70 deputados da Alerj foram eleitos com votos próprios em 2010, por exemplo. Sem tirar o mérito da crítica, há que se lembrar que, dentre esses cinco, figurava a nobre deputada (agoral federal) Clarissa Garotinho. Aiiii, doeu...

Um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete. Seria a Alemanha nos atropelando? Não, é Cidinha Campos que está no seu sétimo mandato consecutivo, dois como federal e cinco na Alerj.

Cabralzinho era considerado um baita governador, foi reeleito no 1º turno com 66% dos votos (e sem a jabuticaba), às vésperas de suas falcatruas começarem a ser desnudadas. E, quem diria, fez seu sucessor. Tanto se fala de legado por aqui, eis portanto o legado de Cabral: um pezão na nossa bunda.

Ou seja: não adianta o eleitor do Rio de Janeiro se enojar de Picciani e companhia, pois a gangue está lá pelo poder que emana do povo. E que povo teimoso, igual a mulher de malandro. Elege e reelege, gosta mesmo de apanhar. Alerjia braba essa nossa.

Somos uns porcalhões votando. E depois temos nojo da nossa própria excrescência.

**

Que bom que teremos eleições em 2018. Munidos de nossa revolta, vamos expulsar a gangue que destruiu nosso estado e colocar gente nova ali. #SÓQUENÃO... Alguém quer apostar que Clarissa e Cidinha serão reeleitas? Ou que ao menos 25% da Alerj renovará o mandato? Atchim!!!!

E, quem sabe, tudo isso será coroado com Romário no governo. Pode isso, Arnaldo?

Tomara que Bernardinho “peça tempo” para organizar essa bagunça. Do jeito que está, o Rio de Janeiro segue em "viagem ao fundo do mar" e precisa de um comandante para sacar um "jornada nas estrelas".

Comments

Popular posts from this blog

O candidato antifrágil

O autor Nassim Taleb cunhou o termo antifrágil para descrever mecanismos ou sistemas que se tornam mais robustos quando expostos a intempéries. Normalmente, encontra-se a antifragilidade em populações, ao passo que o indivíduo é – em geral – frágil.
Restringindo a análise ao campo político e aos últimos 6 meses, Jair Bolsonaro talvez seja um dos poucos indivíduos antifrágeis já observados. Quanto mais é agredido – seja por adversários ou pelos “jornalistas” – mais cresce nas pesquisas.
Há 6 meses, todos os analistas políticos diziam que Bolsonaro não estaria no 2º turno. Ponderavam que sem partido forte, sem aliados, sem coligação e sem tempo de TV, seria apenas um modismo. Erraram: hoje a questão é quem estará no 2º turno com ele. Ou, mesmo, se haverá um 2º turno.
Ninguém pode afirmar que entende a dinâmica que está acontecendo, mas este artigo tenta formular uma hipótese.
**
Jair Bolsonaro estabeleceu-se como a alternativa anti-establishment. Não importa se já está em seu sétimo mandato …

Fogo vermelho

“Um povo que não conhece a sua história está condenado a repeti-la” (Edmund Burke)
O museu mais visitado do Brasil é o Museu do Amanhã no Rio de Janeiro. Trata-se de um prédio com arquitetura arrojada – embora de gosto discutível – e sem acervo algum.
Apesar do conteúdo praticamente inexistente, hordas de jovens “culturamente engajados” visitam o “museu” para tirar uma boa dose de selfies e postá-las nas redes sociais. São quase um milhão e meio de visitantes por ano, contra cerca de 500 mil do MASP, para desgosto de Cândido Portinari e Anita Malfatti.
Com esse retrospecto, não era de se esperar que a juventude brasileira capturasse a magnitude da tragédia que foi o incêndio do Museu Nacional e a destruição de muitas de suas preciosas peças e coleções. Ainda assim, mesmo munindo-se das piores expectativas, não houve como não se surpreender pela baixeza com que autoridades e populares se comportaram.
**
Diante do luto de historiadores, museólogos e brasileiros em geral, viu-se um lamentável…

Primeiros erros?

“Se um dia eu pudesse ver, meu passado inteiro... Eu faria parar de chover, nos primeiros erros” (Capital Inicial e Kiko Zambianchi)
Mal o novo governo tomou posse e a imprensa já abriu suas baterias. Jornalistas paus-mandados ou a serviço de uma desbotada ideologia, ou simplesmente canalhas, perderam o tênue compromisso com a verdade que ainda tinham. Pululam nos veículos de mídia matérias tendenciosas, levianas e vergonhosas.
É incrível a quantidade de “balanços” ou “retrospectivas” dos 10 (dez!) primeiros dias (dias!) de governo. Pergunta: levam em conta o fim-de-semana como dia útil?
Manchetes como “General Mourão terá 65 assessores” encabeçam, na verdade, um relato sobre o corte de aproximadamente 50% no número de assessores que o vice-presidente já empreendeu logo de início e que resultou em 65 assessores ao final. Almejava um corte maior, mas a lei não permitiu. Contudo, o jornalista quer criar a falsa impressão de gastança para o leitor desavisado. Há centenas de “furos” de r…