Skip to main content

Alerjia

Quem dera sofrêssemos de alergia. Alergia a políticos corruptos, discursos populistas, candidaturas messiânicas. Se fosse assim, o Rio de Janeiro teria alguma esperança de – aos poucos – limpar a imundície que toma conta do poder público fluminense.

Nesse caso, poderíamos espalhar uma epidemia alérgica pelo Brasil todo, ajudando a extirpar as figuras podres que dominam a política em outros estados e cidades. Dessa forma, o país teria alguma chance de dar certo.

Mas os eleitorados fluminense e brasileiro padecem de outro mal: alerjia. É uma doença gravíssima que atrai o indivíduo para aquilo que lhe é nocivo –  é como no dito popular “mulher de malandro gosta de apanhar”. O paciente alérjico tem espamos involuntários de repúdio à sua condição, achando aquilo tudo “um nojo”, mas isso logo passa.

**

A podridão da Alerj e da cena política do Rio de Janeiro não se instalou na calada da noite. Não houve golpe de estado ou luta armada. Todos os parlamentares que lá estão entraram pela porta da frente e à luz do dia, afinal foram escolhidos pelo voto direto... e muitos deles foram agraciados com diversos mandatos ao longo das últimas décadas.

Alguém poderia protestar: – Isso é culpa da nossa jabuticaba eleitoral, pois apenas 5 dos 70 deputados da Alerj foram eleitos com votos próprios em 2010, por exemplo. Sem tirar o mérito da crítica, há que se lembrar que, dentre esses cinco, figurava a nobre deputada (agoral federal) Clarissa Garotinho. Aiiii, doeu...

Um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete. Seria a Alemanha nos atropelando? Não, é Cidinha Campos que está no seu sétimo mandato consecutivo, dois como federal e cinco na Alerj.

Cabralzinho era considerado um baita governador, foi reeleito no 1º turno com 66% dos votos (e sem a jabuticaba), às vésperas de suas falcatruas começarem a ser desnudadas. E, quem diria, fez seu sucessor. Tanto se fala de legado por aqui, eis portanto o legado de Cabral: um pezão na nossa bunda.

Ou seja: não adianta o eleitor do Rio de Janeiro se enojar de Picciani e companhia, pois a gangue está lá pelo poder que emana do povo. E que povo teimoso, igual a mulher de malandro. Elege e reelege, gosta mesmo de apanhar. Alerjia braba essa nossa.

Somos uns porcalhões votando. E depois temos nojo da nossa própria excrescência.

**

Que bom que teremos eleições em 2018. Munidos de nossa revolta, vamos expulsar a gangue que destruiu nosso estado e colocar gente nova ali. #SÓQUENÃO... Alguém quer apostar que Clarissa e Cidinha serão reeleitas? Ou que ao menos 25% da Alerj renovará o mandato? Atchim!!!!

E, quem sabe, tudo isso será coroado com Romário no governo. Pode isso, Arnaldo?

Tomara que Bernardinho “peça tempo” para organizar essa bagunça. Do jeito que está, o Rio de Janeiro segue em "viagem ao fundo do mar" e precisa de um comandante para sacar um "jornada nas estrelas".

Comments

Popular posts from this blog

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de cur…

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Não perturbe

A maioria dos quartos de hotel tem aquele penduricalho na maçaneta da porta: de um lado “não perturbe”, do outro “por favor, arrume”.
Os lares brasileiros precisam, com urgência, colocar o sinal “não perturbe” em suas portas. Os teatros, cinemas e museus idem. A “arte” perturbadora é um vírus como o ebola: vem dos “macaquinhos”, pula para o homem e causa estragos.
Nos últimos anos, agendas como ideologia de gênero e minorias LGBT têm ocupado um espaço desproporcional na mídia. Os “artistas” abraçam estas causas, espertamente usando-as como ferramenta de marketing e pegando carona naquilo que está dando Ibope. O resultado tem sido uma arte excessivamente politizada que, ultimamente, mutacionou para uma “arte” cujo único objetivo é ser perturbadora.
Nada errado com arte perturbadora: Picasso, Paganini, Machado de Assis não são exatamente uma dose de lexotan, mas indiscutivelmente são artistas atemporais. Também não há nada errado com a arte que acalma os sentidos, como Monet e Simon and Ga…