Skip to main content

Lula e a baleia

O filme “A lula e a baleia” retrata o divórcio de um casal novaiorquino e como o processo de guarda compartilhada afeta seus filhos. Os irmãos ficam divididos, sendo que o mais velho toma o lado do pai e o caçula tacitamente se aproxima da mãe.

**
Assim como a família do filme, Lula está dividido. Ele sabe que a situação fiscal do Brasil é gravíssima e que a reforma da previdência é indiscutivelmente necessária. Por outro lado, se puder ser candidato a presidente e eventualmente se eleger (... mas livrai-nos do mal, amém ...), ele perderia muito capital político capitaneando um arrocho fiscal.

Lula é muito bom em surfar o que os outros fizeram antes dele e tomar para si a autoria daquilo que deu certo e/ou que caiu no gosto do eleitorado. Provavelmente, é sua maior competência. O grau de investimento foi conferido ao Brasil durante seu mandato, fruto da Lei de Responsabilidade Fiscal promulgada na gestão FHC. Mas Lula tomou para si esta conquista. O bolsa-escola, criado também na era FHC, virou o bolsa-família e Lula usurpou os direitos autorais. E por aí vai.

Portanto, no âmago, Lula é favorável à reforma da previdência já, no governo Temer, para que seu eventual terceiro mandato possa colher os frutos e se alavancar com aquela propaganda petista que já conhecemos bem. Alguns dos frutos seriam um ciclo mais longo de juros baixos, uma maior possibilidade de (finalmente) termos alguma redução de carga tributária e, quem sabe, uma taxa de crescimento mais digna de economia emergente. Imaginem José de Abreu cuspindo aos quatro ventos estas “conquistas do PT” no horário gratuito.

Mas há uma baleia no caminho de Lula: o PT. Os deputados e senadores petistas querem se reeleger em 2018 e garantir mais alguns anos de imunidade parlamentar. Essa é a agenda prioritária da turma de Brasília. Neste sentido, votar a favor da reforma da previdência seria um tiro no pé, pois certamente é uma postura muito impopular no curto prazo. A baleia é fiel à lula, pero no mucho.

A baleia petista é um filhote perto do estado monstruoso que foi criado no Brasil. A baleia estatal custa uma fortuna todo santo dia, e os gastos só aceleram por conta de mecanismos perversos. Ou seja, a gigantesca baleia está nadando cada vez mais rápido em direção ao fundo do oceano e, em breve, atingirá um ponto a partir do qual não conseguirá subir à superfície – morrerá afogada (em português claro: acabou o dinheiro). A previdência é uma nadadeira muito potente propulsionando a baleia para o fundo e Lula sabe disso. Ou seja, Lula tem em mãos uma escolha difícil – lutar com a baleia petista já ou esperar para enfrentar a baleia estatal (muito maior e engordando) em 2019.

**

O filme termina com o irmão mais velho juntando forças e “enfrentando” visualmente um painel no Museu de História Natural em NY que julgava assustador. Trata-se da exibição “A lula e a baleia” que mostra uma “luta” entre uma lula gigante e um cachalote. Um eventual embate entre Lula e o PT pode ser assustador, mas esperar até 2019 para enfrentar o quadro fiscal será muito mais aterroziante.

Comments

Popular posts from this blog

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de cur…

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Não perturbe

A maioria dos quartos de hotel tem aquele penduricalho na maçaneta da porta: de um lado “não perturbe”, do outro “por favor, arrume”.
Os lares brasileiros precisam, com urgência, colocar o sinal “não perturbe” em suas portas. Os teatros, cinemas e museus idem. A “arte” perturbadora é um vírus como o ebola: vem dos “macaquinhos”, pula para o homem e causa estragos.
Nos últimos anos, agendas como ideologia de gênero e minorias LGBT têm ocupado um espaço desproporcional na mídia. Os “artistas” abraçam estas causas, espertamente usando-as como ferramenta de marketing e pegando carona naquilo que está dando Ibope. O resultado tem sido uma arte excessivamente politizada que, ultimamente, mutacionou para uma “arte” cujo único objetivo é ser perturbadora.
Nada errado com arte perturbadora: Picasso, Paganini, Machado de Assis não são exatamente uma dose de lexotan, mas indiscutivelmente são artistas atemporais. Também não há nada errado com a arte que acalma os sentidos, como Monet e Simon and Ga…