Skip to main content

3:19


“Do pó vieste e ao pó retornarás” (Gênesis, 3:19)

Aécio Neves deve sentir-se vivendo numa montanha-russa – em menos de 3 anos passou de quase-presidente a réu no STF. Merece mesmo voltar ao pó: foi gravado em negociatas inaceitáveis onde, inclusive, insinua que poderia matar seu primo. Que faça boa companhia a Lula na prisão e que inaugure uma longa temporada de condenações no STF.

A derrocada de Aécio, no entanto, pode ser o início do fim do PSDB. Oxalá! Trata-se de um partido que, repetidamente, prestou um desserviço à nação.

No governo FHC, a foto parecia boa com pretensa responsabilidade fiscal. Ocorre que a equipe de FHC criou uma máquina de arrecadação, aumentou a carga tributária em cerca de 5 pontos percentuais do PIB, onerou a atividade empresarial e viciou o estado em lidar com questões orçamentárias sempre aumentando tributos. A foto virou um filme ruim, sem nenhuma cena de corte de despesas. E o filme foi ficando ainda pior...

FHC, do alto de sua infindável vaidade e buscando passar para a História como o grande estadista que transmitiu o poder para um partido proletário, abandonou José Serra aos leões na campanha de 2002 e entregou o planalto de bandeja para Lula. Na posse de Lula em 2003, FHC era o rosto mais radiante. Após ter criado uma máquina de coletar impostos, FHC entregou a vaca leiteira ao PT. Entregou o ouro pros bandidos, sem qualquer metáfora aqui.

Passado o bastão, no início do governo Lula houve o estouro do mensalão. A “estratégia” do PSDB foi “deixar Lula fritar”. Este grosseiro erro de cálculo terá mais destaque na História do que FHC, pois custou ao Brasil o maior esquema de corrupção da História contemporânea, a crise de Dilma e o desemprego galopante que abateu várias famílias. O PSDB tem sua parte de culpa em todas as mazelas do sombrio período lulopetista.

Ultimamente, o PSDB tem dado mostras de que é uma instituição carcomida, obsoleta, desprezível, inútil. João Dória, a grande promessa de renovação na gestão pública, repetiu o modus operandi de José Serra e descumpriu seu compromisso público de terminar o mandato municipal. Com isso, perde o status de outsider, já tendo sido cooptado pelo jogo da velha política (uma pena!). FHC fez afagos a Luciano Huck e outros presidenciáveis, mesmo quando seu partido já tinha um candidato próprio (Em tempo: em que espécie de país um boboca como Huck é presidenciável? Nosso sarrafo é tão baixinho assim, com trocadilho?). A cúpula do partido perdeu a oportunidade de expulsar de seus quadros Aécio Neves e dar um exemplo à classe política, preferindo a fisiologia.

E, no meio disso tudo, o partido mostrou seu descaso com o futuro do Brasil ao não fechar questão sobre o voto da reforma da previdência que Rodrigo Maia tentou pautar em dezembro de 2017. Em lugar disso, o partido publicou um manifesto ridículo e extemporâneo onde clamou por um estado “musculoso” – não deviam se ofender quando são chamados de fascistas, pois o estado-protagonista é justamente o cerne do fascismo (ou seja, são tão fascistas quanto PSOL, PCB, e outros detritos do século XIX).

A aposta do PSDB em lançar Dória à campanha do governo de São Paulo é arriscada. Dória, por mais competente que seja (e é!), tocou a prefeitura por um ano apenas. Muitas de suas metas precisariam de mais tempo para conclusão, de modo que sua candidatura está exposta a ataques frontais e cartesianos – 
inexoravelmente, sua candidatura terá enorme rejeição. Se o PSDB perder São Paulo, perde seu curral político, destrói seu melhor ator de renovação e passará a ocupar apenas as páginas policiais com Aécio e os outros que virão na esteira. O PSDB, nascido de uma costela do PMDB, verá seus membros pularem da canoa furada e nadarem em direção à bóia peemedebista. O PSDB voltará ao pó.

E já vai tarde.

"Voltai ao pó partidos que tenham socialista, social, comunista, operário, trabalho, trabalhista e outros esquerdismos em vossos nomes." (Brasil, 10:2018)


Comments

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de cur…

Não perturbe

A maioria dos quartos de hotel tem aquele penduricalho na maçaneta da porta: de um lado “não perturbe”, do outro “por favor, arrume”.
Os lares brasileiros precisam, com urgência, colocar o sinal “não perturbe” em suas portas. Os teatros, cinemas e museus idem. A “arte” perturbadora é um vírus como o ebola: vem dos “macaquinhos”, pula para o homem e causa estragos.
Nos últimos anos, agendas como ideologia de gênero e minorias LGBT têm ocupado um espaço desproporcional na mídia. Os “artistas” abraçam estas causas, espertamente usando-as como ferramenta de marketing e pegando carona naquilo que está dando Ibope. O resultado tem sido uma arte excessivamente politizada que, ultimamente, mutacionou para uma “arte” cujo único objetivo é ser perturbadora.
Nada errado com arte perturbadora: Picasso, Paganini, Machado de Assis não são exatamente uma dose de lexotan, mas indiscutivelmente são artistas atemporais. Também não há nada errado com a arte que acalma os sentidos, como Monet e Simon and Ga…