Skip to main content

Munique é aqui


Os jogos olímpicos de Munique em 1972 foram marcados pelo terrorismo que vitimou onze atletas israelenses e um policial alemão. O massacre foi promovido pelo grupo Setembro Negro, que invadiu o alojamento da equipe de Israel, fez vários reféns e – com o impasse nas negociações – promoveu a execução de diversos inocentes.

Durante a crise, um dos planos de resgate concebido pela polícia alemã consistia em entrar no prédio pelos dutos de ar-condicionado e, com isso, surpreender os terroristas. Ocorre que as equipes de TV que faziam a cobertura no local transmitiram ao vivo os preparativos da operação-surpresa e ninguém se deu conta de que os terroristas poderiam estar assistindo a tudo aquilo... De fato estavam ,e exigiram que a polícia abortasse a operação ou os reféns seriam executados.

**

Em 2018, nossa imprensa televisiva cometeu o mesmo erro de Munique 1972.

O teatro de Lula e do PT encenado nos dias 6 e 7 de abril contava com uma pequena plateia ao vivo. As tomadas aéras mostraram que havia manifestantes à frente do sindicato dos metalúrgicos, mas que as ruas dos quarteirões logo adjacentes funcionavam normalmente. Ou seja, havia um amealhado de gente por ali, e nada mais.

Contudo, as emissoras de TV insistiram em transmitir a palhaçada ao vivo e de forma ininterrupta, mesmo quando nada estava acontecendo. Esta cobertura non-stop conferiu a Lula e ao PT a alavancagem necessária para encenarem um circo decadente, onde o condenado – pasmem – opinou sobre o dia em que preferia ser preso, postou tuítes, acenou para os gatos-pingados de plantão e concluiu com um discurso onde atacou a esmo todas as instituições brasileiras, colocando-se acima delas.

O mais incrível é a Rede Globo ter dado cobertura 24/7 a um convescote de tão baixo calão, onde – inclusive – havia faixas agressivas vilipendiando a emissora. Pior, no palanque encontravam-se alguns “intelectuais” globais sancionando os ridículos pleitos petistas de injustiça, falta de provas, violação de direitos humanos e perseguição política. Será que eles terão o mesmo destino de William Waack ou receberão apenas leves palmadinhas no bumbum tal qual José de Abreu?

Durante as mais de 24 horas do grotesco espetáculo contra a soberania nacional, os verdadeiros trabalhadores seguiram com suas vidas normalmente. Nas ruas, nos escritórios, nos mercados, nos carros e mesmo a dois quarteiros do sindicato tratava-se de um dia normal. Um dia comum em que ocorreria a prisão de um homem comum. Se o PT esperava que as pessoas fossem colar nas telas de TV dos bares como em dia de jogo de copa do mundo, errou o cálculo grosseiramente. A mensagem? Ninguém mais engole as baboseiras lulopetistas. A fila andou. Lula já era.

Mais lamentável que o papel do PT e seus podres simpatizantes foi a imprensa ter dispensado uma cobertura tão exagerada à prisão de um cidadão comum... Retifico: a prisão de um cidadão comum que outrora ocupou um cargo importante e que nele se provou um bandido incomum. Não foi diferente de Cabral, Dirceu e outros cujas prisões não contaram com cobertura à la big brother. Ao conferir uma relevância descabida ao palanque lulista, a imprensa inadvertidamente subscreveu a opinião de que Lula está acima da lei.

A maioria dos líderes comunistas teve fins lamentáveis – Pol Pot, Ceausescu, Enver Hoxha e outros tantos. Lula teve o seu réquiem filmado em HD e transmitido para todos os cantos do mundo, produzindo baderna como sempre.

**

Segundo vários relatos de Munique, alguns atletas israelenses descuidaram-se e acabaram exagerando na bebida durante a madrugada em que ocorreu a invasão. Mais uma semelhança entre Munique e São Bernardo, afinal nosso condenado tem por hábito "descuidar-se" e acabou sendo filmado bastante “calibrado” na sua vigília.



Comments

Popular posts from this blog

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de cur…

O candidato antifrágil

O autor Nassim Taleb cunhou o termo antifrágil para descrever mecanismos ou sistemas que se tornam mais robustos quando expostos a intempéries. Normalmente, encontra-se a antifragilidade em populações, ao passo que o indivíduo é – em geral – frágil.
Restringindo a análise ao campo político e aos últimos 6 meses, Jair Bolsonaro talvez seja um dos poucos indivíduos antifrágeis já observados. Quanto mais é agredido – seja por adversários ou pelos “jornalistas” – mais cresce nas pesquisas.
Há 6 meses, todos os analistas políticos diziam que Bolsonaro não estaria no 2º turno. Ponderavam que sem partido forte, sem aliados, sem coligação e sem tempo de TV, seria apenas um modismo. Erraram: hoje a questão é quem estará no 2º turno com ele. Ou, mesmo, se haverá um 2º turno.
Ninguém pode afirmar que entende a dinâmica que está acontecendo, mas este artigo tenta formular uma hipótese.
**
Jair Bolsonaro estabeleceu-se como a alternativa anti-establishment. Não importa se já está em seu sétimo mandato …

Fogo vermelho

“Um povo que não conhece a sua história está condenado a repeti-la” (Edmund Burke)
O museu mais visitado do Brasil é o Museu do Amanhã no Rio de Janeiro. Trata-se de um prédio com arquitetura arrojada – embora de gosto discutível – e sem acervo algum.
Apesar do conteúdo praticamente inexistente, hordas de jovens “culturamente engajados” visitam o “museu” para tirar uma boa dose de selfies e postá-las nas redes sociais. São quase um milhão e meio de visitantes por ano, contra cerca de 500 mil do MASP, para desgosto de Cândido Portinari e Anita Malfatti.
Com esse retrospecto, não era de se esperar que a juventude brasileira capturasse a magnitude da tragédia que foi o incêndio do Museu Nacional e a destruição de muitas de suas preciosas peças e coleções. Ainda assim, mesmo munindo-se das piores expectativas, não houve como não se surpreender pela baixeza com que autoridades e populares se comportaram.
**
Diante do luto de historiadores, museólogos e brasileiros em geral, viu-se um lamentável…