Skip to main content

Ippon

“Não vai ter golpe”. Este é o novo brado dos petistas, dos “intelectuais” e daqueles que participam dos protestos pró-Dilma mediante pagamento e lanchinho. A própria presidente vem usando o bordão em todos os seus discursos desde que sentiu que realmente seu cargo está ameaçado por todos os flancos possíveis. 

A maior ironia é que já houve golpe. Ou melhor: golpes, no plural. E todos eles perpetrados pelo PT. Surpreso? Então o bonde da História passou e você não percebeu.

O primeiro golpe petista foi usurpar o “Bolsa Escola”, programa iniciado no governo FHC e com regra objetiva de eligibilidade: criança na escola. O PT encampou a autoria do programa, deu-lhe novo nome, alardeou o “Bolsa Família” aos quatro ventos e conferiu-lhe proporções paquidérmicas. Criou um assistencialismo sistêmico e contraproducente, desincentivando a busca pelo emprego e pela capacitação. Convenientemente, tornou os milhões de beneficiários dependentes do estado e com isso comprou seu voto nas eleições seguintes.

O golpe seguinte foi o mensalão. Segundo o Wikipedia, tratou-se de “escândalo de corrupção política mediante compra de votos de parlamentares no Congresso Nacional do Brasil”. Falhamos grosseiramente como República: como pôde um governo que engendrou este esquema manter-se no poder? Pior: foi reeleito, já que seu messiânico líder “não sabia de nada”. Golpe triplo: golpe nas finanças público/partidárias, golpe nas instituições e golpe na moralidade.

Seguiram-se golpezinhos aqui e ali. Compras de medidas provisórias, venda de empresa para conglomerados telefônicos, e outros. Coisa pouca, nem merecem maiores comentários. No meio do caminho, elegeu-se um poste.

Eis que, em 2014, veio outro grande golpe: o maior estelionato eleitoral do século. Dilma, candidata à reeleição, foi a público diversas vezes afirmar – dentre outras coisas – que a inflação estava controlada, que a conta de luz não aumentaria, que seu governo mandava investigar “doa a quem doer” e tantas outras mentiras premeditadas. Na esteira de um “Bolsa País”, lançando mão de terrorismo eleitoral e contando com uma tardia adesão do messias Lula à sua campanha, Dilma se reelegeu. Mas bastaram apenas três meses para a máscara cair com a escalada da operação Lava-Jato, a explosão da inflação e do desemprego e uma recessão “nunca antes vista na História desse país”.

E agora? Não bastasse a gestão temerária, há inúmeras evidências de dinheiro ilegal nas campanhas, e tantos outros “malfeitos” que tornam o governo de Dilma insustentável. Os poderes judiciário e legislativo, na melhor forma de exercício de sua independência, seguem os ritos necessários para interromper um governo que não goza mais de moral. Ritos estes previstos na Constituição. Onde está o golpe?

Os petistas e seus boçais simpatizantes deveriam ouvir o que disse o ex-camarada (agora coxinha?) Roberto Freire na instalação da comissão do impeachment. Lembrou aos petistas que o PT clamou pelo impeachment de Collor, depois pelo impeachment de Itamar e por fim de FHC, sempre invocando um mecanismo constante da Constituição. Este mesmo mecanismo é golpe agora? – perguntou Freire.

Esquecem os petistas – e principalmente Dilma – que o poder emana do povo e em seu nome é exercido. Dilma e PT têm reprovação de 70% da população e, portanto, não representam mais a sociedade. Dilma perdeu várias oportunidades de renunciar com dignidade, sairá do governo pela porta do fundos e passará para a História como uma personagem cômica, aquela que estocava vento e que envergonhava sua nação. E pensava-se que vergonha era o Tiririca...

O que fazem então os petistas? Tentam aplicar novo golpe e criam a cortina de fumaça do "não vai ter golpe" na melhor escola Goebbels. A verdade é que, mais uma vez, na 13ª hora (número maldito!) surge Lula-messias para se abraçar ao governo. Esse grandioso desejo de colaborar tem, para qualquer observador com meio neurônio, dupla finalidade: escapar da cadeia (a investigação “doeu” nele) e tentar articular alguma governabilidade para Dilma (sabe-se lá a que custo para o erário) de modo que a farra petista ganha alguma sobrevida.

Acontece que a sociedade cansa. O legislativo cansa. O judiciário cansa. Um golpe atrás do outro cansa. Dessa vez, não vai ter golpe mesmo. A sociedade não aceitará mais um golpe do PT.

A sociedade, esta sim, é que vai aplicar um golpe. Um golpe que mostre que a Constituição ainda vigora e que, sim, o poder emana do povo. Um golpe que fortaleça nossas instituições acima de qualquer partido ou cidadão. Um golpe que acabe de vez com partidos e políticos que se vestem de uma ideologia falida para esconder sua verdadeira agenda.

Pensando bem, não vai ter golpe. Vai ter um ippon.


Comments

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de curt…

Grapiche

A determinação do prefeito de São Paulo, João Dória, em estabelecer uma sensação de ordem é louvável. A política “no broken window” de Rudolph Giuliani foi uma das alavancas para a transformação de NY em uma cidade segura. No caso de São Paulo, o primeiro alvo foi repintar os muros pichados e grafitados em locais onde tal prática não estava autorizada. Nada mau, certo?
Errado. Começa o mimimi. “Grafite é arte”, “pichação é uma maneira democrática de o povo se manifestar”, e por aí vai. Sério mesmo que a ordem pública (condição necessária mas não suficiente para progresso) tem que se sujeitar a essa discussão? Parece que sim, infelizmente.
O brasileiro paga muito caro por obras públicas, que acabam custando o triplo do que deveriam e demorando o quíntuplo do prazo estimado. E o povo reclama disso, com razão, vai às ruas protestar, grita, faz abaixo assinado. Qual é, então, o sentido de um sujeito pichar uma obra pública? Está ferindo o patrimônio público tal qual o político que desvia di…