Skip to main content

Como água para chocolate

O filme mexicano “Como água para chocolate” foi um sucesso do cinema nos anos 90. Ele conta a história de Tita, uma jovem cuja família tinha uma regra: a irmã mais nova deveria cuidar da mãe até sua morte e, para isso, não poderia se casar.

No Brasil, temos diversos entes públicos cuja missão parece ser cuidar da burocracia até sua morte (teríamos um Highlander aqui?) e, para tal, não podem permitir o progresso econômico e social. O Cade é um deles.

Em 2002, a Nestlé firmou a compra da Garoto, promovendo a fusão em 2003. Agora – 14 anos depois da combinação das companhias – o Cade determina que a Nestlé é obrigada a vender certas marcas de seu portfólio. O leitor entendeu bem: 14 anos depois. E a burocracia segue vivinha da silva.

A missão do Cade é a “defesa econômica”, ou seja, evitar a formação de grupos ou cartéis que controlem preços e lesem o consumidor. Será que nesses 14 anos o consumidor de chocolates sentiu-se “indefeso”? Claro que não, pois o negócio de fabricação de chocolate não tem barreiras à entrada tão fortes. Quando o retorno sobre o capital investido é alto demais (ou seja, praticam-se preços demasiadamente elevados), novos entrantes ingressam no mercado oferecendo preços menores para ganhar market share.

Além disso, houve o milagre da importação – bem-vindos, Lindt, Cadbury e Milka. O governo Collor já mostrara que abrir o canal de importação para certos produtos consegue – ao mesmo tempo – reduzir preços ao consumidor e melhorar a qualidade. Quem não se lembra das nossas carroças?

Por falar em carros – carroças, para ser mais preciso: é ao menos curioso que um mesmo país tenha, ao mesmo tempo, o super-herói Cade e a excrecência Autolatina. É para defender quem mesmo? Será que, na época da Autolatina e durante o agigantamento da JBS, o Cade estava muito ocupado com o setor de balas de menta?

Voltando aos chocolates, a decisão extemporânea do Cade é risível. Aproveitando o trocadilho com uma das marcas que deve ser vendida – Lollo, aquela da vaquinha e antigamente conhecida como Milky Bar – o Cade permitiu à Nestlé “milk the cow” por 14 anos para agora a companhia ser obrigada a vender a vaca leiteira. Defesaça, Cade!

Hoje em dia, o consumidor que entra em qualquer loja de conveniência ou mercado encontra diversas marcas de chocolate com preços em diversos patamares. Arcor, Hershey’s, Nestlé, Neugebauer, Lacta, Lindt, Milka, dentre tantas outras. Se a Nestlé/Garoto tentasse cobrar um preço abusivo, o consumidor teria diversas outras opções para escolher. O Cade é o super-herói que chega sempre atrasado, o zagueiro que só dá furada, a burocracia que não morre.

Na fantasia do filme mexicano, os sentimentos de Tita passam para sua comida e inebriam os comensais – ora com tristeza, ora com libido, e por aí vai. Diferentemente do filme, a burocracia tardia do Cade não mudou e nem vai mudar nada na vida de quem consome chocolate, mas entorpece as contas públicas e a atividade econômica com ingredientes desnecessários. Tal qual a CLT, uma herança maldita dos nossos governos nacionalistas/socialistas. Arghhh, chocolate vencido!!


Comments

Popular posts from this blog

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de cur…

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Não perturbe

A maioria dos quartos de hotel tem aquele penduricalho na maçaneta da porta: de um lado “não perturbe”, do outro “por favor, arrume”.
Os lares brasileiros precisam, com urgência, colocar o sinal “não perturbe” em suas portas. Os teatros, cinemas e museus idem. A “arte” perturbadora é um vírus como o ebola: vem dos “macaquinhos”, pula para o homem e causa estragos.
Nos últimos anos, agendas como ideologia de gênero e minorias LGBT têm ocupado um espaço desproporcional na mídia. Os “artistas” abraçam estas causas, espertamente usando-as como ferramenta de marketing e pegando carona naquilo que está dando Ibope. O resultado tem sido uma arte excessivamente politizada que, ultimamente, mutacionou para uma “arte” cujo único objetivo é ser perturbadora.
Nada errado com arte perturbadora: Picasso, Paganini, Machado de Assis não são exatamente uma dose de lexotan, mas indiscutivelmente são artistas atemporais. Também não há nada errado com a arte que acalma os sentidos, como Monet e Simon and Ga…