Skip to main content

Indigna Nação

Ah, os artistas... Sempre eles...

Samuel Rosa, líder da banda Skank, tentou dar um recado durante sua apresentação no Rock In Rio mas não foi muito feliz. Esboçou uma linha de raciocínio meio tosca para esculachar os políticos brasileiros e separá-los do povo. Ninguém discorda que nossos políticos merecem ser esculachados, extirpados, presos. Mas você acredita mesmo no povo brasileiro, Samuel? Quem colocou os políticos em seus cargos, Samuel? “Cada povo tem o governo que merece”, já dizia Joseph-Marie Maistre em 1811.

O pior foi a reação do povão – aquele em que Samuel acredita. Os brados de “Fora, Temer” ecoaram em uníssono pelo mar de gente que lotava a Cidade do Rock. Será que ninguém entendeu nada? Samuel tentava separar o povo brasileiro de toda a escória política, e a galera responde com bordão de cunho político. Será que sabem que Rodrigo Maia – outro político, de família e de carteirinha – assumiria o comando? Meu Deus... Só faltou o grito de “Volta, Lula” para carimbar de vez que “a gente somos inúuuutel”.

Samuel tentou consertar, afirmando que – “de um lado ou de outro, nós não nos parecemos com os políticos”. Pareceu tentar dizer que, independente de sua ideologia, nenhum político lhe representa. Mas o “Fora, Temer” continuou. Seria bom Samuel esclarecer de qual lado ele próprio está, visto que vez ou outra fez declarações pró-PT. Samuel, as malas de dinheiro às quais você aludiu são atribuídas a um sujeito que era ministro do governo PT...

No meio do seu “discurso”, Samuel afirmou que o dinheiro das malas deveria estar sendo empregado em mais leitos nos hospitais, na educação, nas estradas e “para a nossa criançada não cair no crime”. Como o sujeito que tem uma banda batizada com nome de entorpecente (e que, naquele mesmo palco em 2013, fez uma leve apologia à maconha) pode querer passar uma mensagem anti-drogas? Será que estava chapado?

Samuel ensaiou um acerto ao criticar a “passividade” do povo brasileiro que “felizmente está se dissipando”. Relaxa, Samuel: daqui a pouco tem carnaval no país tropical e aí a passividade deixa de dissipar e volta com força total. Pena que, num piscar de olhos durante sua fala, Samuel “passivamente” desistiu de criticar a parcimônia do brasileiro, perdendo uma grande oportunidade de atribuir ao nosso eleitorado bobalhão a sua justa parcela de culpa nisso tudo.

Na sequência, Samuel entoou  a canção “Indignação”. Como o discurso foi uma baita bola fora, poderia tê-lo emendado com o hit “É uma partida de futebol”.

Festival de rock é um bom lugar para protestar e, de fato, não faltam motivos para protesto no Brasil – Lula, Temer, Aécio, Dilma, Geddel, etc. Mas os artistas se esforçam para desafinar. Dinho até deu o recado em 2013, mesmo que atrapalhado e sem eloquência. João Barone atravessou feio o tempo em 2015. E agora Samuel nos deixa rosas de vergonha... Dá-lhe, Fabio Júnior!


Comments

Popular posts from this blog

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de cur…

O candidato antifrágil

O autor Nassim Taleb cunhou o termo antifrágil para descrever mecanismos ou sistemas que se tornam mais robustos quando expostos a intempéries. Normalmente, encontra-se a antifragilidade em populações, ao passo que o indivíduo é – em geral – frágil.
Restringindo a análise ao campo político e aos últimos 6 meses, Jair Bolsonaro talvez seja um dos poucos indivíduos antifrágeis já observados. Quanto mais é agredido – seja por adversários ou pelos “jornalistas” – mais cresce nas pesquisas.
Há 6 meses, todos os analistas políticos diziam que Bolsonaro não estaria no 2º turno. Ponderavam que sem partido forte, sem aliados, sem coligação e sem tempo de TV, seria apenas um modismo. Erraram: hoje a questão é quem estará no 2º turno com ele. Ou, mesmo, se haverá um 2º turno.
Ninguém pode afirmar que entende a dinâmica que está acontecendo, mas este artigo tenta formular uma hipótese.
**
Jair Bolsonaro estabeleceu-se como a alternativa anti-establishment. Não importa se já está em seu sétimo mandato …

Fogo vermelho

“Um povo que não conhece a sua história está condenado a repeti-la” (Edmund Burke)
O museu mais visitado do Brasil é o Museu do Amanhã no Rio de Janeiro. Trata-se de um prédio com arquitetura arrojada – embora de gosto discutível – e sem acervo algum.
Apesar do conteúdo praticamente inexistente, hordas de jovens “culturamente engajados” visitam o “museu” para tirar uma boa dose de selfies e postá-las nas redes sociais. São quase um milhão e meio de visitantes por ano, contra cerca de 500 mil do MASP, para desgosto de Cândido Portinari e Anita Malfatti.
Com esse retrospecto, não era de se esperar que a juventude brasileira capturasse a magnitude da tragédia que foi o incêndio do Museu Nacional e a destruição de muitas de suas preciosas peças e coleções. Ainda assim, mesmo munindo-se das piores expectativas, não houve como não se surpreender pela baixeza com que autoridades e populares se comportaram.
**
Diante do luto de historiadores, museólogos e brasileiros em geral, viu-se um lamentável…