Skip to main content

Indigna Nação

Ah, os artistas... Sempre eles...

Samuel Rosa, líder da banda Skank, tentou dar um recado durante sua apresentação no Rock In Rio mas não foi muito feliz. Esboçou uma linha de raciocínio meio tosca para esculachar os políticos brasileiros e separá-los do povo. Ninguém discorda que nossos políticos merecem ser esculachados, extirpados, presos. Mas você acredita mesmo no povo brasileiro, Samuel? Quem colocou os políticos em seus cargos, Samuel? “Cada povo tem o governo que merece”, já dizia Joseph-Marie Maistre em 1811.

O pior foi a reação do povão – aquele em que Samuel acredita. Os brados de “Fora, Temer” ecoaram em uníssono pelo mar de gente que lotava a Cidade do Rock. Será que ninguém entendeu nada? Samuel tentava separar o povo brasileiro de toda a escória política, e a galera responde com bordão de cunho político. Será que sabem que Rodrigo Maia – outro político, de família e de carteirinha – assumiria o comando? Meu Deus... Só faltou o grito de “Volta, Lula” para carimbar de vez que “a gente somos inúuuutel”.

Samuel tentou consertar, afirmando que – “de um lado ou de outro, nós não nos parecemos com os políticos”. Pareceu tentar dizer que, independente de sua ideologia, nenhum político lhe representa. Mas o “Fora, Temer” continuou. Seria bom Samuel esclarecer de qual lado ele próprio está, visto que vez ou outra fez declarações pró-PT. Samuel, as malas de dinheiro às quais você aludiu são atribuídas a um sujeito que era ministro do governo PT...

No meio do seu “discurso”, Samuel afirmou que o dinheiro das malas deveria estar sendo empregado em mais leitos nos hospitais, na educação, nas estradas e “para a nossa criançada não cair no crime”. Como o sujeito que tem uma banda batizada com nome de entorpecente (e que, naquele mesmo palco em 2013, fez uma leve apologia à maconha) pode querer passar uma mensagem anti-drogas? Será que estava chapado?

Samuel ensaiou um acerto ao criticar a “passividade” do povo brasileiro que “felizmente está se dissipando”. Relaxa, Samuel: daqui a pouco tem carnaval no país tropical e aí a passividade deixa de dissipar e volta com força total. Pena que, num piscar de olhos durante sua fala, Samuel “passivamente” desistiu de criticar a parcimônia do brasileiro, perdendo uma grande oportunidade de atribuir ao nosso eleitorado bobalhão a sua justa parcela de culpa nisso tudo.

Na sequência, Samuel entoou  a canção “Indignação”. Como o discurso foi uma baita bola fora, poderia tê-lo emendado com o hit “É uma partida de futebol”.

Festival de rock é um bom lugar para protestar e, de fato, não faltam motivos para protesto no Brasil – Lula, Temer, Aécio, Dilma, Geddel, etc. Mas os artistas se esforçam para desafinar. Dinho até deu o recado em 2013, mesmo que atrapalhado e sem eloquência. João Barone atravessou feio o tempo em 2015. E agora Samuel nos deixa rosas de vergonha... Dá-lhe, Fabio Júnior!


Comments

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de cur…

Não perturbe

A maioria dos quartos de hotel tem aquele penduricalho na maçaneta da porta: de um lado “não perturbe”, do outro “por favor, arrume”.
Os lares brasileiros precisam, com urgência, colocar o sinal “não perturbe” em suas portas. Os teatros, cinemas e museus idem. A “arte” perturbadora é um vírus como o ebola: vem dos “macaquinhos”, pula para o homem e causa estragos.
Nos últimos anos, agendas como ideologia de gênero e minorias LGBT têm ocupado um espaço desproporcional na mídia. Os “artistas” abraçam estas causas, espertamente usando-as como ferramenta de marketing e pegando carona naquilo que está dando Ibope. O resultado tem sido uma arte excessivamente politizada que, ultimamente, mutacionou para uma “arte” cujo único objetivo é ser perturbadora.
Nada errado com arte perturbadora: Picasso, Paganini, Machado de Assis não são exatamente uma dose de lexotan, mas indiscutivelmente são artistas atemporais. Também não há nada errado com a arte que acalma os sentidos, como Monet e Simon and Ga…