Skip to main content

Imagine


Portugal, 1759. Marquês de Pombal decide extinguir o sistema de hereditariedade das capitanias do Brasil. Prestes a assinar o ato, ouve a ponderação de seu assessor: “Mas a hereditariedade é um direito adquirido de famílias de fidalgos”. Então, o marquês decide voltar atrás e mantém a hereditariedade das terras. Imagine como seria a História...

Brasil, 2015. Um governante corajoso realiza uma reforma ministerial apontando, para cada pasta, a pessoa mais competente para o cargo, independente de filiação partidária ou de influência no parlamento. Imagine como seria a História...

**

Brasil, 1888. Princesa Isabel relê o texto da Lei Áurea, mas antes de assiná-la é interpelada por um conselheiro que alerta: “Pense nos senhores de escravos, eles perderão direitos adquiridos”. A princesa reflete, põe de lado a pena e rasga o papel. Imagine como seria a História...

Brasil, 2015. Um governante visionário reforma a previdência social enfrentando a dura realidade de que o dinheiro acabou. Propõe, portanto, o fim de pensões vitalícias e outras benesses descabidas. Determina ainda um teto de benefício de 25 mil reais por CPF. Um tecnocrata alerta que isso ferirá direitos adquiridos, ao que o governante responde: “é a única maneira de consertar, não há dinheiro para manter o status quo, os tempos mudaram e alguém tem que ceder”. Imagine como seria a História...

**

Inglaterra, 1984. O sindicato dos mineiros de carvão decide instalar uma greve, protestando contra a redução de subsídios governamentais ao setor e decorrente fechamento de minas improdutivas. Margaret Thatcher enfrentava a situação com posição irredutível, lastreada na necessidade de tornar o setor eficiente e de enfraquecer os movimentos sindicais. Thatcher capitula quando alguns mineiros decidem fazer greve de fome, acata as demandas do sindicato e mergulha o país em uma década de ineficiência.Imagine como teria sido a História...

Brasil, 2015. A greve dos correios é enfrentada com firmeza pelo governo, que decide demitir funcionários, privatizar a empresa e abrir o setor para a livre competição. Alguns anos depois, os brasileiros contam com serviço de qualidade, com suas encomendas sendo entregues e recebidas em poucos dias, sem danos ou extravios. O fundo de pensão da empresa é saneado com a nova gestão. Imagine como seria a História...

**

EUA, 1981. Os Estados Unidos enfrentam inflação de dois dígitos e déficit orçamentário. Ronald Reagan propõe um plano de corte de impostos, visando o aumento da eficiência produtiva e criação de empregos, com a visionária ambição de que o crescimento do país, o fortalecimento do mercado de capitais e a retomada da economia curariam as contas públicas no longo prazo. Os tecnocratas de plantão alertam: “teremos piora do déficit nos próximos anos”. O parlamento derruba o plano e, ao contrário, aprova no parlamento novos impostos paliativos, visando um pequeno superávit no curto prazo. A decisão mostra-se equivocada, inibindo investimentos e sucateando a economia americana pelas duas décadas seguintes. Imagine como seria a História...

Brasil, 2015. Os ministros da Fazenda e do Planejamento recompõem a credibilidade do país anunciando um amplo corte de custos, além de uma agenda de redução de impostos e simplificação do sistema tributário. A economia volta a crescer fortemente e o mercado vislumbra duas décadas virtuosas para realizar investimentos no país, a despeito de um déficit fiscal de curto prazo. Imagine como seria a História...

**

Venezuela, 2004. A oposição consegue aprovar uma consulta popular para votar a interrupção do mandato de Hugo Chávez, presidente que contava com um índice de aprovação baixo. O pleito ocorre sem fraude e Chávez é removido do cargo, sendo substituído por um governante que devolve a democracia ao país, restabelece o império da lei e o respeito à propriedade privada, trazendo esperança no lugar de miséria. Imagine como seria a História...

Brasil, 2015. Uma oposição aglutinada em prol do bem do país consegue convocar um referendo para consultar a população sobre a permanência ou não de Dilma no poder, visto seu índice de aprovação de apenas 7%. O pleito ocorre sem fraude e a presidente é removida de seu posto com uma derrota esmagadora. Imagine como seria a História... 

**

Imagine criar seus filhos numa sociedade melhor. Imagine tocar o seu negócio num regime tributário simples e medido. Imagine viver num país onde seus impostos são usados de forma honesta e eficiente na prestação de serviços públicos. Imagine viver numa sociedade onde o crime não compense.

You may say I’m a dreamer, but I’m not the only one…


Comments

Popular posts from this blog

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).
Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?
Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.


Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aq…

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de curt…

Grapiche

A determinação do prefeito de São Paulo, João Dória, em estabelecer uma sensação de ordem é louvável. A política “no broken window” de Rudolph Giuliani foi uma das alavancas para a transformação de NY em uma cidade segura. No caso de São Paulo, o primeiro alvo foi repintar os muros pichados e grafitados em locais onde tal prática não estava autorizada. Nada mau, certo?
Errado. Começa o mimimi. “Grafite é arte”, “pichação é uma maneira democrática de o povo se manifestar”, e por aí vai. Sério mesmo que a ordem pública (condição necessária mas não suficiente para progresso) tem que se sujeitar a essa discussão? Parece que sim, infelizmente.
O brasileiro paga muito caro por obras públicas, que acabam custando o triplo do que deveriam e demorando o quíntuplo do prazo estimado. E o povo reclama disso, com razão, vai às ruas protestar, grita, faz abaixo assinado. Qual é, então, o sentido de um sujeito pichar uma obra pública? Está ferindo o patrimônio público tal qual o político que desvia di…